Dados sobre utilizadores deste modelo
Indonesia
Etiópia
Ucrania
China popular
Russia
Angola









Aeronaves do mesmo tipo ou relacionadas:

Sukhoi Su-27 / 27UB
Avião de caça
Sukhoi Su-33 / Su-27K
Caça de superioridade aérea
Sukhoi Su-35S / 35UB Flanker-E
Caça de superioridade aérea
Sukhoi Su-30 M/MK
Caça de superioridade aérea
Sukhoi Su-30MKi
Caça de superioridade aérea
J-11B «Flanker B+»
Caça de superioridade aérea
Sukhoi Su-34 «Fullback»
Bombardeiro
Sukhoi T-50 / PAK-FA
Caça de superioridade aérea

Notícias relacionadas
Russia: Mais problemas para os futuros aviões de combate
Indonesia compra Su-27 e Su-30
India: Começam a cair os Sukhoi
Desfile militar comemora 60 anos da China
Russos mostram PAK-FA


Sukhoi Su-27 / 27UB
Avião de caça (UAC-KnAAPO)
Sukhoi Su-27 / 27UB

Dimensões:Motores/ Potência
Comprimento: 21.94 M
Envergadura: 14.7 M
Altura: 5.93
2 x motores NPO Saturn/Lyulka AL-31F
Potência total: 24800 Kg
Peso / Cap. carga Velocidade / Autonomia
Peso vazio: 16300 Kg
Peso máximo/descolagem: 28300 Kg
Numero de suportes p/ armas: 10
Capacidade de carga/armamento: 4000 Kg
Tripulação : 1 / 2
Passageiros: a
Velocidade Maxima: 2200 Km/h
Máxima(nível do mar): 1348 Km/h
De cruzeiro: 1100 Km/h
Autonomia standard /carregado : 1400 Km
Autonomia máxima / leve 3900 Km.
Altitude máxima: Não disponível


- - -

Canhões / Metralhadoras
- 1 x 30mm GSh-30-1 (Calibre: 30 )
Radares
- NIIP-Tikomirov N-001M-VE - Multi-modo/Pulso Dopler (Alcance médio: 74Km)
- Phazotron / NIIR N-012 - Radar semi-activo (Alcance médio: 35Km)

Forum de discussão

Produzido na fábrica de da KnAAPO em Komsomolsk-a-Amur, o Su-27, é a versão inicial do Flanker. Ele foi inicialmente lançado como aeronave destinada ao combate aéreo e não tinha capacidade para lançamento de mísseis de ataque ao solo ou bombas.

Foram produzidas várias versões do Su-27.
A versão bilugar chama-se Su-27UB.

A maioria destas aeronaves encontra-se ao serviço na Rússia. Muitas células de Su-27 mais antigos, têm servido de base para os Su-30 mais recententes, vendidos a vários países do mundo.

A versão base do Su-27 é hoje vista como obsoleta, no entando a flexibilidade da aeronave, permite converter os aviões mais antigos em versões mais modernas.

Informação genérica:
O SU-27, também conhecido como Flanker, segundo o codigo NATO, começou a ser projectado por Pavel Osipovich Sukhoi em 1969. O objectivo claro era combater o F-15 norte-americano. O conceito e projecto inicial, que recebeu o nome de projecto T-10, ficou terminado em 1976. Depois da morte de Pavel Sukhoi, o projecto continuou sob o comando de Mikhail Simonov.

Em 1977, ocorria o primeiro voo mas só em 1987 o SU-27 começou a fazer parte de unidades completamente operacionais e é por esta data que aparecem no ocidente as primeiras fotografias do novo avião soviético. Em 1988 a URSS declarou oficialmente que o novo avião estava operacional.

O SU-27 tem características que o transformam em teoria em um dos melhores caças do mundo, mas não tendo registado nenhum sucesso contra aviões ocidentais, as suas caracteristicas são a unica argumentação em favor desta tese.

O SU-27 entrou em combate na Etiopia, contra aviões de fabrico soviético do tipo MiG-29.

Dentro da tradição russa de explorar ao máximo os seus modelos,o «Flanker» evoluiu para os caças SU-30, e SU-35, (oferecido á Força Aérea Brasileira no ambito do programa FX). Existe ainda uma versão derivada, o SU-32/ SU-34 que resultou numa transformação do avião num bombardeiro bi-lugar de médio alcance e o Su-33, uma versão naval, para operar a partir de porta-aviões.

De notar que a profusão de siglas utilizadas pelos soviéticos e posteriormente pelos russos complica até à exaustão a identificação dos vários modelos. Em alguns anos, segundo investigações realizadas por revistas especializadas, o numero de versões anunciadas na Rússia num ano, foi superior ao numero de aviões efectivamente fabricados, pelo que o mesmo avião foi baptizado com nomes diferentes.

Desta forma, alguns Su-27 mais antigos mas modernizados, são praticamente idênticos aos Su-30 mais modernos.

Manobrabilidade: Grande vantagem mas condicionada
A excelente manobrabilidade dos caças da família Su-27, especialmente daqueles que estão providos de «Canards» é vista como referência em todo o mundo. O Su-27 é provavelmente o melhor caça neste quesito, o que ainda é mais impressionante quando se olha para o seu massivo tamanho.

Porém, as análises de várias forças aéreas tendem a desvalorizar esta característica, porque as famosas manobras que podem de facto salvar a aeronave de mísseis anti-aéreos só são possíveis se as tripulações treinarem intensivamente.

O nível de treino necessário para efectuar as manobras complicadas quie o Su-27 pode fazer, implicam custos na manutenção e desgaste dos aviões, que não está aoi alcance da grande maioria dos países que adquiriu o Flanker.


Por esta razão, a famosa manobra conhecida como «cobra de pugachev» é vista pelos analistas militares mais como um argumento de marketing, que como uma vantagem que de facto possa ser utilizada em condições reais.


Fabricantes:
As várias versões do Su-27 também têm fabricantes diferentes, dividindo-se normalmente da seguinte forma:

Na KnAAPO de Komsomolsk-am-Amur na Sibéria fabricam-se:
Su-27, Su-33 e estuda-se o Su-35 monolugar.

Na fábrica de Irkutsk fabricam-se:
Su-27UB ( bi-lugar ) e Su-30MK (bi-lugar) e o Su-30MKi (para a India)

Em Novossibirsk são fabricados:
Su-34.

Esta divisão não é porém totalmente estanque, uma vez que os Su-30MKV da venezuela são fabricados na fábrica de Komsomolsk-am-Amur.

Dificuldades das industrias russas
Todo o projecto de renovação do Su-27 tem sido flagelado por vários problemas. As dificuldades de financiamento e o desinteresse das autoridades russas são os principais.

O não investimento na industria russa, também está a afectar a produção de compoentes. Na prática as aeronaves Su-27/30/33/34/35 são montadas em pequenas escala e praticamente pode-se dizer que são montadas à mão.

Os componentes são produzidos por uma miriade de pequenas oficinas que fabricam pequenas peças e pequenos componentes. Mas essas pequenas industrias não podem ser verificadas e a sua qualidade de produção é muito variável.
Como não existem métodos standar de produção e teste, os russos tendem a produzir componentes para teste e depois não fazem testes aos produtos seguintes. Isto leva a que o mesmo equipamento possa ter comportamentos diferentes de uma aeronave para a outra, mesmo que elas sejam em teoria iguais. A qualidade dos componentes pode variar imenso e por isso a qualidade geral do avião pode ser posta em causa.

Esta prática é a mesma do tempo da antiga URSS, em que eram produzidos protótipos com grande qualidade para apresentação e testes, mas que depois da linha de produção apresentavam níveis de qualidade que íam do muito bom ao péssimo.

Isto explica em parte a desastrosa performance das forças aéreas equipadas com aeronaves russas, desde o tempo do MiG-15.

Aeronaves derivadas do Su-27


A dimensão e estrutura do Su-27 demonstraram ter uma grande flexibilidade e essa característica não deixou de ser aproveitada para a partir da estrutura base proceder a modificações que alteraram radicalmente a função e mesmo o aspecto exterior do avião.

Su-32FN / Su-34
A primeira dessas modificações radicais foi o Su-34, que é basicamente um bombardeiro de médio alcance e não um caça. O cockpit do Su-34 é completamente diferente do Su-27 com piloto e co-piloto lado-a-lado. A acomodação interior permite mesmo a colocação de sanitários e equipamento para aquecer comida, atrás dos assentos, dado a aeronave se destinar a operações a grande distância.


PAK-FA

Ainda mais radical é o Sukhoi T-50, que foi a resposta do gabinete Sukhoi à especificação PAK-FA emitida pela força aérea russa para uma aeronave de quinta geração.

Ele voou pela primeira vez no dia 29 de Janeiro de 2010, e é um projecto russo destinado a dotar a força aérea do país de uma aeronave de quinta geração.

Todos os dados disponíveis em comparação com as dimensões e proporções do novo caça russo, permitem concluir que se trata de uma versão derivada do Su-27, com grandes modificações destinadas a reduzir a assinatura-radar do «Flanker»

-

   
---