Aeronaves do mesmo tipo ou relacionadas:

He.111-B
Bombardeiro
He.111-H
Bombardeiro

He.111-H
Bombardeiro (Heinkel)
He.111-H

Dimensões:Motores/ Potência
Comprimento: 16.4 M
Envergadura: 22.6 M
Altura: 4
2 x motores Junkers Jumo 211F-2
Potência total: 2700 HP/CV
Peso / Cap. carga Velocidade / Autonomia
Peso vazio: 8680 Kg
Peso máximo/descolagem: 14000 Kg
Numero de suportes p/ armas: 3
Capacidade de carga/armamento: 2475 Kg
Tripulação : 5
Passageiros: a
Velocidade Maxima: 435 Km/h
Máxima(nível do mar): 350 Km/h
De cruzeiro: 370 Km/h
Autonomia standard /carregado : 1930 Km
Autonomia máxima / leve 2800 Km.
Altitude máxima: Não disponível


- - -

Canhões / Metralhadoras
- 1 x 20mm MG FF (Calibre: 20 ) - 7 x 7.9mm MG-15 / MG-17 (Calibre: 7.9 )

Forum de discussão

Lançado pouco antes do inicio da II Guerra Mundial, o He.111H é o mais produzido de todos os bombardeiros do tipo He.111 e é também um dos mais conhecidos. O seu perfil aerodinâmico, introduzido com a versão 111P ficou ligado à batalha de Inglaterra e aos ataques alemães osbre Londres e outras cidades da Grã Bretanha.

A capacidade alemã para produzir aeronaves era no entanto suficiente para que 400 aviões do modelo H estivessem operacionais contra a Polónia, de um total de cerca de 800 He.111 utilizados.

Podem-se identificar 35 variações diferentes do He-111H

As variantes deste modelo foram alteradaspara incluir um maior numero de armas: Metralhadoras e um canhão de proa.

Quando a batalha de Inglaterra, se começou a notar a dificuldade em vencer a oposiçlão da RAF, os alemães passaram a equipar os seus aviões com capacidade para efectuar bombardeamentos nocturnosm, nomeadamente com o X-GERAT, um calculador mecânico que captava ondas de rádio para determinar a posição da aeronave.

Eles tiveram sucesso contra Coventry em 14 de Novembro de 1940 até que os britânicos conseguiram confundir as ondas de rádio e desorientar os bombardeiros alemães.

A partir de aí, o Heikel-111H passou a ser utilizado como avião de transporte.

A última utilização do modelo «H» foi como suporte para o lançamento aéreo de bombas voadoras V-1, aumentando assim em muito o alcance das bombas alemãs.

Informação genérica:
O Heinkel 111 começou a partir de um pedido do governo da Alemanha para uma aeronave de transporte de passageiros que pudesse ser convertido sem grandes modificações para operações de bombardeamento.

Com capacidade para transportar apenas 10 passageiros, a sua utilidade como aeronave de transporte foi considerada insuficiente, pelo que as poucas unidades que chegaram a voar experimentalmente foram retiradas de serviço pouco depois de terem sido entregues à Lufthansa.

Embora sem carga o He.111 fosse uma aeronave rápida, com carga máxima, as prestações do avião foram consideradas insuficientes.
O Heinkel He.111-B equipado com dois motores DB600C de 880 cavalos cada um foi enviada para Espanha, onde prestou serviços durante a guerra civil.

Embora tenha conseguido inicialmente operar como bombardeiro, quando a República começou a ripostar com aeronaves de caça, o He-111 mostrou que não só não tinha suficiente potência, como estava desarmado perante aeronaves de caça destinadas garantir a superioridade aérea.[1]

Novas versões foram lançadas com motores mais potentes, como a versão He.111-E equipada já com dois motores Jumo-211A-1 de 1000 cavalos dada um, versão da qual foram produzidas duas centenas de unidades.

Um nova versão completamente redesenhada e exteriormente identificável, apareceu em 1938.

O avião deixou de ter uma configuração convencional, para passar a ter o perfil de «bala» que identifica este modelo de avião, No verão de 1939, pouco tempo antes da invasão da Polónia pelos alemães, é lançado o modelo H, que será o mais produzido e aquele que terá maior numero de variantes.

A versão Heinkel-111P no entanto estava equipada com motores Junker Jumo, que eram necessários para equipar os caças Me.109.
Por isso é lançada a versão «H» equipada com um motor Junkers Jumo.

Destacar que o Heikel- He-111H foi o primeiro avião do mundo a transportar mísseis ar-terra, no caso o míssil Hs-293 da Henschel.




[1] Os aviões que sobreviveram à guerra ficaram em Espanha e a empresa espanhola CASA produziu a seguir a 1942 cerca de 200 unidades do Heinkel-111 para utilização em Espanha, que foram equipados com motores Rolls Royce britânicos.

-

   
---