Dados sobre utilizadores deste modelo
Australia
Estados Unidos da América

Aeronaves do mesmo tipo ou relacionadas:

F/A-18A/B
Avião de caça
F/A-18C/D
Caça de superioridade aérea
F/A-18E/F «Super Hornet»
Caça de superioridade aérea

Notícias relacionadas
F/A-18, Gripen e Rafale na reta final para o FX
Entra ao serviço o último dos Nimitz
Novela brasileira do F/X-2


F/A-18E/F «Super Hornet»
Caça de superioridade aérea (McDonnel-Douglas/Boeing)
F/A-18E/F «Super Hornet»

Dimensões:Motores/ Potência
Comprimento: 18.38 M
Envergadura: 13.62 M
Altura: 4.88
2 x motores F414-GE-400
Potência total: 19954 Kgf
Peso / Cap. carga Velocidade / Autonomia
Peso vazio: 13387 Kg
Peso máximo/descolagem: 29932 Kg
Numero de suportes p/ armas: 11
Capacidade de carga/armamento: 8050 Kg
Tripulação : 1/2
Passageiros: a
Velocidade Maxima: 1915 Km/h
Máxima(nível do mar): 1250 Km/h
De cruzeiro: 0 Km/h
Autonomia standard /carregado : 1440 Km
Autonomia máxima / leve 2346 Km.
Altitude máxima: 15200 Metros


- - -

Canhões / Metralhadoras
- 1 x 20mm M61-A1 «Vulcan» (Calibre: 20 )
Radares
- Raytheon Systems AN/APG-73 - Multi-modo/Pulso Dopler (Alcance médio: 145Km)
- Raytheon Systems AN/APG-79 - Tipo «Phased array» (Alcance médio: 145Km)

Forum de discussão

O A/F-18E/F ou «Super Hornet» é o resultado da necessidade de substituir o F-14 «Tomcat», cujos altos custos já tinham estado na origem da escolha do F/A-18 pela marinha norte-americana.
A tentativa de adaptar o super-caça furtifo F-22 não resultou e a marinha teve necessidade de escolher rapidamente uma nova aeronave.

Para substituir o F-14 a marinha dos Estados Unidos optou pela proposta do fabricante do F-18, para uma versão de maiores dimensões e em parte redesenhada, de forma a permitir não só cumprir as missões de superioridade aérea e defesa da frota que eram cumpridas pelo F-14, mas também para servir de aeronave de ataque, substituindo o A-6 «Intruder» e EA-6 «Prowler» de guerra electrónica.

O F/A-18E/F surgiu assim como um avião para resolver todos os problemas de obsolescência de vários modelos, que a marinha dos Estados Unidos teve que resolver num determinado momento.

Considerando as necessidades, o Super Hornet é considerado pelo fabricante um novo avião, que apenas partilha parte da estrutura comum com o F/A-18C/D. No entanto a aeronave parece continuar a ser a mesma, de tal forma que o olhar pouco treinado não consegue identificar as diferenças entre o novo «Super Hornet» e as versões anteriores.

O radar do «novo» F/A-18 foi o AN/APG-73, um derivado do AN/APG-65 utilizado nos Hornet A/B/C/D.

Block.II
O F/A-18E/F também tem sido objecto de constantes modernizações. De entre essas modernizações a mais significativa de todas ocorreu a partir de 2006, quando os Super Hornet passaram a ser equipados com o novo radar do tipo AESA modelo AN/APG-79.

Informação genérica:
No final dos anos 60 a marinha dos Estados Unidos, previa utilizar o poderoso caça F-14 que substituiu o F-4 «Phantom» na funçao de aeronave de superioridade aérea, e ao mesmo tempo na função de aeronave de ataque, para substituir os F-4 Skyhawk e A-7 Corsair.

Mas os problemas financeiros que envolveram o projecto, levaram a marinha a procurar uma solução mais barata porque começou a temer um aumento de custos de operação do F-14, o que inevitavelmente levaria (como levou) a uma redução do numero de aeronaves F-14 que sería possivel adquirir.

Em meados dos anos 70 a Northrop competia com o seu YF-17 contra o projecto YF-16 da General Dynamics, com o objectivo de fornecer um caça ligeiro à Força Aérea dos Estados Unidos.

Com a vitória do YF-16 (Caça F-16A/B) a Northrop e a NcDonnel Douglas desenvolveram uma versão do YF-17 adaptada para utilização a bordo de porta-aviões. Essa versão será conhecida como F-18 e será desenvolvida e construida pela McDonnel-Douglas.

O F-18 é no entanto mais poderoso que o projecto inicial YF-17. Conta com dois motores, trem de aterragem muito mais resistente e maior capacidade pra transporte de armas. A aeronave foi redesenhada para permitir a operação a partir de porta-aviões, tendo sido efectuadas alterações como a incorporação de asas com extremidades dobráveis.

Inicialmente considerou-se a possibilidade de operar duas versões diferentes da aeronave F-18 - uma aeronave destinada à função caça e o A-18 - Para missões de interdição, mas a solução de duas aeronaves não foi aceite pelo que foi resolvido conjugar as duas funções numa só aeronave que será conhecida como F/A-18.

A versão F/A-18A com um lugar e a versão F/A-18B com dois lugares. As aeronaves entraram ao serviço nos Estados Unidos, e também em vários outros países.

A versão F/A-18A/B, foi substituida pela versão F/A-18C/D e vários países optaram por efectuar modernizações aos seus F/A-18A/B para um padrão mais moderno que os aproxima dos modelos C/D.

Com o fim da vida útil do caça F-14 «Tomcat», a marinha dos Estados Unidos decidiu adoptar o F-18 como o seu principal caça embarcado. Inicialmente previa-se a substituiçao do F-14 por uma versão naval do F-22«Raptor», o que foi julgado inviável. Como o projecto que levaria ao F-35 era ainda embrionário no final dos anos 90, foi decidido escolher a proposta da McDonnel Douglas para uma versão melhorada do Hornet.

Nasce assim o Super Hornet que será designado F/A-18E/F.
Trata-se de uma versão maior e mais poderosa do Hornet, inicialmente equipada com o radar AN/APG-73 que já tinha começado a ser instalado no F/A-18D. A partir de 2006 o «Super Hornet» passou a receber um moderno radar do tipo AESA.

F-18
F-18
Comparação entre o Hornet na versão C/D à esquerda e mais recente e maior Super Hornet na versão E/F à direita.
Na foto de topo, uma das diferenças mais marcantes entre as duas aeronaves, são as tomadas de ar dos motores.


Até ao momento, a última versão do F/A-18 foi escolhida pela marinha dos Estados Unidos e também pela Austrália.

Espera-se que no futuro os Hornet ainda ao serviço, juntamente com o Super Hornet sejam substituidos pelo caça «Stealth» F-35C, a última das três versões do caça F-35 a ser desenvolvida.

-

   
---