Dados sobre utilizadores deste modelo
Estados Unidos da América

Aeronaves do mesmo tipo ou relacionadas:

B747-100
Aeronave comercial Longo Alcance
B747-200
Aeronave comercial Longo Alcance
B747-400
Aeronave comercial Longo Alcance
B747 / VC-25
Transporte executivo/VIP
B-747 E4B
Aeronave de transporte pesado
B747 YAL-1 «ABL»
Plataforma aérea de tiro

B747 / VC-25
Transporte executivo/VIP (Boeing)
B747 / VC-25

Dimensões:Motores/ Potência
Comprimento: 70.6 M
Envergadura: 59.6 M
Altura: 19.3
4 x motores General Electric CF6-80C2B1
Potência total: 102000 Kgf
Peso / Cap. carga Velocidade / Autonomia
Peso vazio: 380000 Kg
Peso máximo/descolagem: 374850 Kg
Numero de suportes p/ armas: 0
Capacidade de carga/armamento: Kg
Tripulação : 26
Passageiros: 50 a 86
Velocidade Maxima: 945 Km/h
Máxima(nível do mar): 895 Km/h
De cruzeiro: 850 Km/h
Autonomia standard /carregado : 11000 Km
Autonomia máxima / leve 12550 Km.
Altitude máxima: 13746 Metros


- - -

Forum de discussão

Este avião é mais conhecido pelo seu «call sign» ou identificativo de chamada em voo, que pela sua referência na Força Aérea norte-americana.

Na realidade, «Air Force One» é o sinal de chamada de qualquer aeronave da Força Aérea dos Estados Unidos onde viaje o presidente do país, mas como este é o mais comum meio de transporte do presidente norte-americano esse é o sinal de chamada normalmente associado com a aeronave.

Não confundir o VC-25 com o B-747/E4B, pois o VC-25 é um avião de transporte VIP, que está preparada para voar para qualquer ponto de mundo garantindo ao preseidente dos Estados Unidos e ao seu pessoal uma quantidade de recursos e conforto que não existe noutras aeronaves.

Em 11 de Setembro de 2008, durante a crise provocada pelos ataques terroristas nos E.U.A. O presidente do país, viajou numa aeronave deste tipo. Na altura, notou-se que o VC-25 não estava em condiçoes de responder convenientemente às necessidades de comunicação do presidente dos Estados Unidos.

As aeronaves foram entretanto modernizadas e os seus sistemas de comunicações modificados. No entanto a aeronave não é como o Boeing B747-E4B uma aeronave de comando, estando apenas aparelhada para permitir comunicações seguras do presidente dos Estados Unidos com a estrutura de comando civil e militar.

Informação genérica:
O projecto do Boeing 747 saíu de uma conversa casual entre o presidente da Boeing e o presidente da companhia de aviação Pan-Am, sobre a possibilidade de se construir uma aeronave de grande porte para transporte intercontinental de passageiros que eram quase monopolio da empresa norte-americana Pan-Am.

Na realidade, a origem do projecto encontra-se numa série de estudos e projectos para um grande avião de transporte estratégico, destinado a permitir o transporte de grande numero de homens e material dos Estados Unidos para a Europa em caso de necessidade e guerra entre a NATO e o Pacto de Varsóvia.

A Boeing participou nesses estudos, mas o projecto de grande aeronave de transporte estratégico escolhido foi o da Lockeed, que resultou no C-5 Galaxy.

Aproveitando os estudos que jná tinham sido iniciados e juntanto à aparente necessidade de um transporte comercial de grandes dimensões numa algura de boom nas viagens intercontinentais a Boeing lançou o projecto do B-747.

Tratou-se do mais revolucionário avião comercial de passageiros lançado até à altura, pois o maior avião de passageiros em serviço nos anos 60 era o Boeing B-707 que tinha capacidade para transportar 180 pessoas.

As aeronaves deste tipo dividem-se em:

B747-100
B747-200
B747-300
B747-400

Além destas versões, foram lançadas versões destinadas a transporte de carga e a funções especiais.

Os Estados Unidos operam o B-747 como aeronave de transporte VIP, como aeronave de comando aéreo e presentemente está em estudo o Laser aerotransportado, uma aeronave B-747 equipada com um Laser de alta potência, destinado a destruir com um raio de energia, mísseis na fase inicial do voo.

O Boeing B747-400 perdeu o título de maior avião comercial do mundo para o avião europeu Airbus A-380 . A Boeing ainda considerou a possibilidade de modificar o B-747 para prolongar o segundo «deck» da aeronave ao longo doe toda a fuselagem, mas os projectos foram cancelados.

-

   
---