Dados sobre utilizadores deste modelo
Estados Unidos da América

Aeronaves do mesmo tipo ou relacionadas:

B-29
Bombardeiro pesado / estratégico
Tupolev Tu-4 «Bull»
Bombardeiro pesado / estratégico

Acontecimentos relacionados
O primeiro ataque nuclear


B-29
Bombardeiro pesado / estratégico (Boeing)
B-29

Dimensões:Motores/ Potência
Comprimento: 30.2 M
Envergadura: 43.1 M
Altura: 8.5
4 x motores Wright R-3350
Potência total: 8800 HP/CV
Peso / Cap. carga Velocidade / Autonomia
Peso vazio: 33800 Kg
Peso máximo/descolagem: 60560 Kg
Numero de suportes p/ armas: 0
Capacidade de carga/armamento: 9000 Kg
Tripulação : 11
Passageiros: a
Velocidade Maxima: 574 Km/h
Máxima(nível do mar): 550 Km/h
De cruzeiro: 350 Km/h
Autonomia standard /carregado : 2000 Km
Autonomia máxima / leve 8000 Km.
Altitude máxima: 10200 Metros


- - -

Forum de discussão

A vida do projecto que resultaria no bombardeiro B-29, começou em Fevereiro de 1940, com a Polónia firmemente ocupada pelos alemães, mas antes de a Alemanha ter invadido a França.

Várias empresas receberam a especificação emitida pelas autoridades militares que pedia um bombardeiro com capacidade para transportar um máximo de oito toneladas de bombas.

Ele deveria ser poderosamente armado e deveria conseguir atingir alvos a 4.000km de distância com 1000kg de bombas (ou seja, uma autonomia aproximada de 8.000km).

Em 1940, estes números poderiam parecer absolutamente alucinantes para a maioria dos responsáveis da aviação da Europa.
A mais poderosa força aérea do mundo, a Luftwaffe, tinha bombardeiros capazes de atingir 600km com uma tonelada de bombas [1].

As especificações do B-29, demonstraram acima de tudo a enorme diferença de conceitos que havia entre a força aérea de um país do centro de Europa, e um país de dimensões continentais como os Estados Unidos (e em parte também a Grã Bretanha por causa do império).

Os primeiros dois protótipos do B-29 foram encomendados em 24 de Agosto do ano de 1940, com a referência Boeing XB-29, o nome que foi dado ao protótipo que na fábrica fora inicialmente designado por "Model 345".

O projecto recebeu grande prioridade, à medida que a possibilidade de os Estados Unidos entrarem na guerra se tornava mais e mais real.
Foram encomendadas mais 14 unidades de pré-produção (chamadas YB-29) e finalmente foi colocada uma encomenda para 250 B-29 de produção em Setembro de 1941.
Portanto, quando os americanos foram atacados em Dezembro, o avião que iria acabar por destruir o Japão, já estava a ser encomendado.

Primeiro voo da super fortaleza voadora

O primeiro B-29 a atingir os céus, foi o numero 41-002 em 21 de Setembro de 1942. Os seus motores Wright, com uma potência de 2.200cv cada um, eram os mais poderosos motores alguma vez instalados numa aeronave até à altura.
A aeronave era revolucionaria e o desenvolvimento não decorreu sem problemas. Os motores apresentaram vários problemas e incendiavam-se, até que em 18 de Fevereiro de 1943 o segundo protótipo despenhou-se causando a morte da tripulação e de 19 trabalhadores da Boeing. Estes problemas causaram atrasos de quatro meses, pelo que só em Junho de 1943 a aeronave voltou aos testes.

Ainda assim, a primeira entrega de um B-29 de série ocorreu no final de 1943 a partir da fábrica de Wichita. Existiram pequenas diferenças de pormenor entre os B-29 produzidos pelas várias fábricas onde o modelo foi fabricado.

A aeronave teve especial importância na guerra no oriente, onde o seu maior raio de acção operacional o tornava imprescindivel, o que levou a que o Boeing B-17 acabasse por ser a aeronave americana mais importante na guerra na Europa.

O B-29 foi especialmente importante no final da II Guerra Mundial, e passou a fazer parte da História como a aeronave que terminou a II Guerra Mundial, após o lançamento da primeira bomba atómica sobre a cidade japonesa de Hiroshima em Agosto de 1945, numa acção repetida poucos dias depois sobre a cidade de Nagasaki.

No entanto, a rápida evolução da tecnologia rapidamente levou a que embora produzido em grandes quantidades o B-29 se tornasse obsoleto em apenas uma década.


[1] - É importante frisar que a Alemanha tinha planos para produzir bombardeiros de longo alcance, mas a visão dos mais importantes dirigentes alemães deu preferência aos bombardeiros médios.

Informação genérica:
O B-29 foi o mais poderoso bombardeiro da II Guerra Mundial, e embora não tenha sido utilizado no teatro de operações da Europa, ele foi utilizado no Pacífico contra o Japão, aproveitando especialmente o seu longo raio de acção operacional.

O seu desenvolvimento começou em 1940

B-29A
A primeira versão do B-29 voou pela primeira vez em Setembro de 1942 e a aeronave foi fornecida durante os anos 40 à força aérea dos Estados Unidos.

B-50
Uma versão mais potente do B-29 foi lançada com o Boeing B-50, que na realidade era pouco mais que um B-29 com um grande aumento de potência (mais 50%).
O B-50 foi o primeiro bombardeiro estratégico lançado a seguir ao fim da II Guerra Mundial, tendo aparecido pela primeira vez em 1947 (79 unidades encomendadas).
A sua última versão foi o B-50D, da qual foram produzidas 222 unidades e que se caracterizava entre outros refinamentos por ter capacidade para reabastecimento em voo.

No entanto, a obsolescência do modelo cedo o relegou para funções secundárias, entre as quais a de aeronave de reabastecimento.


Tupolev Tu-4
Muitas vezes desconhecida, é a origem e influência norte-americana na industria soviética de construção de bombardeiros. Em 1944, um avião B-29 que tinha bombardeado o Japão e ficado danificado, sem possibilidade de retornar à base, dirigiu-se a território russo para pedir auxilio. Aí, e embora a Rússia fosse aliada dos Estados Unidos e o seu principal apoio internacional, a tripulação americana foi aprisionada e a aeronave confiscada.

José Estaline ordenou que a aeronave fosse duplicada peça por peça e daí resultou o Tupolev Tu-4, que é uma cópia exacta do B-29, tendo sido replicados todos os componentes.

Derivados do Tu-4:

Tu-95
Muito mais conhecido que o Tu-4 está um dos mais importantes derivados do B-29, o bombardeito Tu-95 que foi um aprimoramento feito pelos russos na aeronave americana.

Tu-142
Derivado do mais antigo Tu-95RT, o Tu-142 é uma versão de reconhecimento marítimo de longo alcance que está ao serviço da marinha russa.

-

   
---