Dados sobre utilizadores deste modelo
Estados Unidos da América

Aeronaves do mesmo tipo ou relacionadas:

B-47 «Stratojet»
Bombardeiro pesado / estratégico
B-52B «Stratofortress»
Bombardeiro pesado / estratégico
B-52G/H «Stratofortress»
Bombardeiro pesado / estratégico
B-1B «Lancer»
Bombardeiro pesado / estratégico
B-2 «Spirit»
Bombardeiro pesado / estratégico

B-52B «Stratofortress»
Bombardeiro pesado / estratégico (Boeing)
B-52B «Stratofortress»

Dimensões:Motores/ Potência
Comprimento: 47.75 M
Envergadura: 56.4 M
Altura: 14.72
8 x motores Pratt & Whitney J57-P-1W
Potência total: 36000 Kgf
Peso / Cap. carga Velocidade / Autonomia
Peso vazio: 78120 Kg
Peso máximo/descolagem: 202500 Kg
Numero de suportes p/ armas: 2
Capacidade de carga/armamento: 12000 Kg
Tripulação : 6
Passageiros: a
Velocidade Maxima: 1020 Km/h
Máxima(nível do mar): Não disponível
De cruzeiro: 0 Km/h
Autonomia standard /carregado : 8000 Km
Autonomia máxima / leve 10100 Km.
Altitude máxima: 10000 Metros


- - -

Forum de discussão

O primeiro bombardeiro B-52B saiu da fábrica em 14 de Julho de 1954, voou pela primeira vez em 25 de Janeiro de 1955. As aeronaves do tipo, entraram ao serviço em 1956 integrados no Comando Aéreo Estratégico norte-americano.

Tratava-se de aeronaves de grande autonomia e com capacidade para transportar armas nucleares, o que dava aos Estados Unidos capacidade para atacar a União Soviética, que na altura não tinha meios eficientes para atacar bombardeiros capazes de vioar a grande altitude.

A primeira versão operacional do B-52 foi o B-52B, do qual foram produzidos 23 exemplares standard mais 27 com capacidade para reconhecimento aéreo a grande altitude.

Em 1958 os B-52 recebem pela primeira vez mísseis «Hound Dog» que permitiam aumentar ainda mais a eficiência da aeronave ao permitir que o B-52 atacasse pontos na União Soviética aproximando-se do alvo e atacando-o « a distâncias de até 1125km.

O aparecimento do B-52 levou a União Soviética a desenvolver mísseis anti-aéreos de grande altitude, bem assim como a apostar no desenvolvimento de caças interceptores.

O aparecimento destas armas, levou a uma modificação radical na utilização do B-52, que em vez de bombardear os alvos a partir de altitudes elevadas passou a ter que ataca-los utilizando técnicas que incluiam o voo a muito baixa altitude.

Isto levou ao aparecimento de problemas estruturais, pois a baixa altitude o esforço dos materiais era muito maior e o desgaste das juntas e áreas sujeitas a maior esforço mecânico era muito mais rápido.
A baixa altitude, o B-52 também conslumia muito mais combustível, o que reduzia o seu alcance operacional.

Informação genérica:
Durante a II guerra mundial, o principal meio de bombardeamento estratégico disponível era o bombardeiro pesado. A Alemanha iniciou com as suas bombas voadoras V2, o primeiro bombardeamento estratégico da História, mas a carga transportada pelas ogivas não era suficiente e o número de mísseis demasiado reduzido para ter efeito.

Depois da II guerra mundial, tanto os Estados Unidos quanto a União Soviética desenvolveram várias séries de bombardeiros estratégicos, destinados a atacar os inimigos utilizando cargas nucleares.

O fim do bombardeiro pesado estratégico no entanto, chegou com o advento dos mísseis balísticos de longo alcance, capazes de transportar várias ogivas e de ter uma capacidad destrutiva superior à de qualquer bombardeiro.

Os norte-americanos desenvolveram e construiram vários bombardeiros pesados depois de terem produzido o B-17 Flying fortress, o B-24 Liberator e do B-29 Super Flying fortress.

Foram vários os bombardeiros norte-americanos do pós guerra, de entre os quais se destacam:

B-47 Stratojet
O primeiro bombardeiro estratégico a jato


B-52 Stratofortress
Projectados no inicio dos anos 50, os primeiros bombardeiros estratégicos B-52 do SAC (Strategic Air Command) entraram ao serviço em 1956.

A aeronave é essencialmente um bombardeiro de longo alcance e grande altitude projectado para transportar bombas atómicas.

Os B-52, inicialmente concebidos para lançar bombas atómicas e posteriormente mísseis de médio alcance, foram sendo modificados ao longo dos anos e aprimorados com novos sistemas, electrónica, armas e novas capacidades que permitiram que a aeronave continuasse actualizada.

As versões e séries produzidas são as seguintes:
B-52A - Apenas 3 fabricados, utilizados como plataforma de teste experimental.
B-52B - 23 unidades fabricadas, mais 27 com capacidade para reconhecimento a grande altitude (RB-52B).
B-52C - 35 unidades produzidas.
B-52D - 170 unidades produzidas.
B-52E - 100 unidades produzidas
B-52F - 89 unidades produzidas
B-52G - 193 unidades produzidas
B-52H - 102 unidades produzidas
A última versão produzida do B-52, foi a B-52H que começou a ser entregue em Outubro de 1962.
A maioria dos B-52 que chegaram ao século XXI são aeronaves desta versão.


B-58 Hustler

B-1B Lancer

B-2 «Spirit»

-

   
---