Dados sobre utilizadores deste modelo
Egipto

Aeronaves do mesmo tipo ou relacionadas:

C.200 «Saetta»
Avião de caça
C.202 «Folgore»
Avião de caça
C.205 «Veltro»
Avião de caça

C.205 «Veltro»
Avião de caça (Macchi)
C.205 «Veltro»

Dimensões:Motores/ Potência
Comprimento: 8.85 M
Envergadura: 10.58 M
Altura: 0
1 x motores Daimler Benz DB-605
Potência total: 1475 HP/CV
Peso / Cap. carga Velocidade / Autonomia
Peso vazio: 0 Kg
Peso máximo/descolagem: 0 Kg
Numero de suportes p/ armas: 0
Capacidade de carga/armamento: Kg
Tripulação :
Passageiros: a
Velocidade Maxima: 642 Km/h
Máxima(nível do mar): Não disponível
De cruzeiro: 0 Km/h
Autonomia standard /carregado : 1200 Km
Autonomia máxima / leve 1800 Km.
Altitude máxima: 11500 Metros


- - -

Canhões / Metralhadoras
- 2 x 20mm MG-151/20 (Calibre: 20 ) - 2 x 12.7mm Breda-SAFAT (Calibre: 12.7 )

Forum de discussão

O C.205 foi o mais numeroso dos aviões de combate italianos da chamada série V e um dos mais eficientes aviões de combate italianos da II Guerra Mundial.

A sua concepção teve como objectivo responder aos novos caças que os aliados começavam a colocar no terreno, nomeadamente os novos Spitfire Mk.V, juntamente com os caças norte-americanos que começaram a chegar à Europa em 1942.
O aumento da pressão dos bombardeiros norte-americanos e britânicos também levou à necessidade por parte da Regia Aeronautica de dispor de um avião suficientemente poderoso para atacar bombardeiros como o B-17.

O C.205 é muito parecido com o C.202 e de facto a sua principal diferença reside no novo e mais poderoso motor DB-605 que permitiam à aeronave atingir 642km/h de velocidade máxima, o que colocava o C.205 acima de aeronaves como o Spitfire Mk.V (600km/h) ou o Messerschmidt Me.109G (570km/h)

O primeiro voo do «Veltro» ocorreu em 19 de Abril de 1942, mas embora o processo de aceitação tenha decorrido rapidamente, por causa da facilidade de adaptação e tenham sido colocadas encomendas para 700 unidades, a produção do motor em Itália só teve inicio em Outubro desse anos e mesmo assim com um ritmo de 10 unidades por mês. A partir do inicio de 1943, a produção aumentou para 20 unidades por mês, mas mesmo assim tratava-se de numeros insuficientes para as necessidades.

Estes atrasos levaram a que o C.205 entrasse efectivamente ao serviço pela primeira vez em Fevereiro de 1943.

Os C.205 «Veltro» foram divididos em três séries. A primeira com o mesmo armamento do C.202, a segunda série com duas metralhadoras 12.7 e duas 7.7mm, que não chegou a ser entregue e que foi rapidamente substituida pela série III com duas metralhadores 12.7mm e dois canhões de 20mm alemães.

Da última versão, para a qual foram efectuadas 450 encomendas, apenas 77 unidades foram entregues antes da Itália assinar o armistício.

A produção nas fábricas de Milão prosseguiu sob a alçada dos alemães e da República Social Italiana, tendo sido produzidas mais 100 unidades, até que em Outubro de 1944 os alemães ordenaram a suspensão da produção, para que a fábrica se concentrasse no fabrico de peças para os caças Messerschmidt Me-109 alemães.

Alguns caças C.205 «Veltro» continuaram no serviço activo como aeronaves de instrução até 1951.


A série V era constituida pelo FIAT G-55 «Centauro», pelo Regiane Re-2005 «Saggitario» e pelo Macchi C.205 Veltro.

Informação genérica:
As aeronaves do tipo Aermacchi C.200 são o resultado de uma especificvação italiana de meados dos anos 30, destinada a equipar a Regia Aeronautica com uma aeronave monoplano de caça e intercepção.

A especificação inicial pedia um motor radial, e essa exigência acabou por prejudicar todos os modelos apresentados que uns mais que outros tinham o mesmo problema de falta de potência.

O primeiro avião desta série foi o C.200, o qual era inferior em termos de prestações a outras aeronaves contemporâneas.
Considerando as deficiencias evidentes do C.200 foi estudada a possibilidade de adquirir o motor alemão Daimler Benz DB-601 e adapta-lo para o C.200, quando em Novembro de 1939 a Alfa Romeu adquiriu uma licença para fabricar aquele motor em Itália.

O C.202, é o resultado do redesenho do C.200 de forma a adapta-lo para receber o motor alemão DB-601 (em linha). O C.202 pode ser considerado um sucesso, pois em termos gerais a aerodinâmica e as linhas do C.202 eram adequadas.

Aproveitando a fabricação local do motor alemão DB-605 (mais potente que o DB-601), o C.202 foi novamente adaptado para receber esse novo motor.
Nasce assim o Macchi C.205, que foi parte da chamada «série V»[1], uma série de três aeronaves de três diferentes fabricantes italianos que tinha em comum a utilização do mesmo motor de concepção alemã.

-

   
---