Dados sobre utilizadores deste modelo
União Soviética



Aeronaves do mesmo tipo ou relacionadas:

Mi-24D «Hind D»
Helicóptero de ataque
Mi-24P / Mi-35P «Hind F»
Helicóptero de ataque
Mi-35M «Hind E»
Helicóptero de ataque

Mi-24D «Hind D»
Helicóptero de ataque (Rostvertol)
Mi-24D «Hind D»

Dimensões:Motores/ Potência
Comprimento: 17.51 M
Envergadura: 17.3 M
Altura: 3.97
2 x motores Klimov TV3-117
Potência total: 4380 HP/CV
Peso / Cap. carga Velocidade / Autonomia
Peso vazio: 8200 Kg
Peso máximo/descolagem: 12000 Kg
Numero de suportes p/ armas: 4
Capacidade de carga/armamento: 2400 Kg
Tripulação : 2+8
Passageiros: a
Velocidade Maxima: 335 Km/h
Máxima(nível do mar): 290 Km/h
De cruzeiro: 270 Km/h
Autonomia standard /carregado : 320 Km
Autonomia máxima / leve 500 Km.
Altitude máxima: 4500 Metros


- - -

Canhões / Metralhadoras
- 2 x pod 57mm UB-32 (Calibre: 57 ) - 1 x 12.7mm YakB 9A624 (Calibre: 12.7 )

Forum de discussão

Os primeiros helicópteros Mi-24 soviéticos foram detectados pelos ocidentais em 1974 na antiga Alemanha de Leste. E foi por esta altura que a aeronave entrou em produção.

As primeiras versões (Mi-24A) não mostraram estar à altura das necessidades, pois embora a aeronave fosse bastante protegida, essa protecção acabava por ser posta em causa pela grande área não protegida do cockpit, a que os russos chamavam «estufa».
Por isto, o Mi-24D é uma modificação do Mi-24A original, com a colocação dos dois lugares de piloto e operador de armas em «Tandem», com o piloto a ocupar a posição recuada e operador a operar os sistemas no nariz da aeronave. O engenheiro de voo (mecânico) passou a ocupar uma posição na cabine atrás.

Relativamente ao modelo original, o Mi-24D também se caracterizou por possuir uma metralhadora de multiplos canos rotativos.
Na parte inferior do nariz o helicóptero também recebeu um sistema de pontaria mais eficiente para mísseis anti-tanque, embora os mísseis propriamente ditos tivessem uma percentagem de acerto reduzida.

Outra característica foi a inclusão de um trem de aterragem semi-retractil, porque na versão anterior, os pilotos russos, habituados ao trem fixo do Mi-8, muitas vezes esqueciam-se de recolher o trem após a descolagem, ou pior ainda, não o colocavam em posição para aterrar. O numero de acidentes foi tão elevado que justificou a volta a um sistema semi-retractil.
Mi-24
Na imagem, detalhe da parte da frente do Mi-24D. Notar a metralhadora calibre 12,7mm de quatro canos que caracteriza este modelo.
O modelo Mi-24D e derivados foi o mais produzido de todos os Mi-24 e tornou-se comum nas várias forças aéreas do Pacto de Varsóvia, bem assim como em forças aéreas de países satélites da União Soviética.

Construído como helicóptero de ataque, ele tem também a função de helicóptero de assalto, pois ao contrário de outras aeronaves do tipo, além dos três tripulantes (piloto e operador de armas) e um mecânico, ele podia transportar um grupo de combate de até oito militares.

O Mi-24D entrou na linha de produção em 1975, e ao longo da sua vida operacional foi sendo submetido a modernizações e actualizações.

Foi lançada uma derivação conhecida como Mi-24DU, basicamente idêntica, mas destinada a treino.
Outra versão lançada em pequena série foi a Mi-24RCh, destinada a missões de reconhecimento em ambientes de guerra química nuclear ou bacteriológica, com pressurização e equipamento exterior para recolha de amostras.

Afeganistão e o Mi-24 em combate
O helicóptero Mi-24 tornou-se no entanto mais conhecido após a invasão soviética do Afeganistão em 1979. Este modelo tornou-se mesmo num icone dessa guerra.
O Mi-24 fora construído com uma poderosa blindagem inferior, e era praticamente imune a disparos de armas ligeiras, que podiam afectar outros helicópteros a baixa altitude. No inicio do conflito afegão, o Mi-24 não tinha qualquer oposição viável e em muitos casos os rebeldes «Mujahedin» eram capturados pelo próprio contingente que seguia a bordo do helicóptero.

Mas quando os norte-americanos forneceram mísseis anti-aéreos aos «Mujahedin» afegãos, o Mi-24 começou a apresentar problemas.

A sua enorme potência gerava muito calor, e contra mísseis guiados por infra-vermelhos o Mi-24 era um alvo muito fácil.
De emergência foram implementadas novas tácticas que passavam por atacar a maiores distâncias (o que tornou o helicóptero muito menos eficaz) e foram instalados sistemas de defesa como «flares» destinados a produzir fontes de calor que confundissem os mísseis. Esse problema nunca foi resolvido eficazmente e ainda hoje os Mi-24 são vendidos com grandes dispositivos laterais destinados a reduzir o calor do escape, que têm o inconveniente de tornar o helicóptero mais lento.

Outro problema que posteriormente os técnicos tentaram resolver, foi o da falta de potência em altitude. Esta necessidade levou ao lançamento da versão Mi-24V.

Os helicopteros Mi-24 destinados à exportação são normalmente referidos como Mi-25.

Informação genérica:
Os helicópteros da família Mi-24, são derivados dos helicópteros do tipo Mi-8 que começaram a entrar ao serviço nos anos 60. Curiosamente, o seu desenvolvimento foi influenciado pelas análises que os soviéticos fizeram da experiência norte-americana com helicópteros durante a guerra no Vietname.
Os estrategas soviéticos tinham previsto a possibilidade de desenvolvimento de unidades aeromoveis de assalto que utilizariam helicópteros.
No entanto, a experiência com o helicóptero Huey, levou os soviéticos a abandonar os seus planos para produzir uma aeronave idêntica (conhecida como V-24 «Hueysky») pois o Huey foi considerado muito pouco protegido, sendo em alguns casos possivel abate-lo com armamento relativamente ligeiro como metralhadoras 12,5mm e canhões de 14,5mm ou 20mm.

Ao assumir que seria necessário um helicóptero com maior protecção também se tornara evidente que ele teria maiores motores e que teria maiores dimensões. A escolha normal, era o helicóptero Mi-8 que era na altura o mais recente e moderno helicóptero ao serviço na URSS, utilizando o motor TV3-117, que teria a potência desejada. O protótipo seguinte, seria conhecido como V-24 «amarelo» para o distinguir do anterior V-24.

Mi-24
Na imagem, a primeira versão do Mi-24 com piloto e operador de armas lado a lado, numa configuração idêntica à do helicóptero Mi-8


As aeronaves deste tipo receberam inicialmente o cognome de «tanque voador», especialmente por causa de o Mi-24 ter sido o primeiro helicoptero a possuir blindagem e a estar armado com um canhão de maior calibre (caso do Mi-24P com 2 x 30mm). Na Rússia, estas aeronaves foram posteriormente apelidadas de «corcunda», por causa das linhas gerais do helicóptero, a seguir à versão «A».
Na verdade, a designação mais correcta, seria a de veículo de combate de infantaria voador.

O desenvolvimento teve lugar a partir do final dos anos 60 e o primeiro voo de uma aeronave deste tipo ocorreu em 1970. A primeira versão de produção, incluia uma modificação no cockpit do Mi-8 que permitia maior visibilidade. Como a protecção foi considerada insuficiente, a parte frontal do helicóptero foi modificada para permitir aumentar a protecção do piloto e do operador de sistemas.

O Mi-24 deveria ser um helicóptero de assalto, permitindo atacar forças inimigas no solo utilizando metralhadoras e foguetes, desembarcando a seguir o grupo de infantaria que seguia dentro da aeronave.
Um versão especificamdente dedicada ao ataque contra alvos mais blindados, apareceu no inicio dos anos 80 com o Mi-24P.

Na verdade, o Mi-24 está relativamente longe de ser um tanque voador, embora ele possa ser o equivalente a um veículo de combate de infantaria voador.
No entanto a ideia por detrás da necessidade deste tipo de armamento parece ter sido abandonada pelos estrategas soviéticos, pois ainda durante os anos 80, e enquanto os Mi-24 combatiam no Afeganistão, uma nova aeronave já estava a ser desenhada para a função de helicóptero de ataque (ver Mi-28).

Se o conceito do helicoptero de combate de infantaria não faz sentido na Europa e para a guerra moderna, já para operações especiais em pontos remotos, ele parece ser indicado. Esta será uma das razões que levou alguns países da América do Sul a adquirir a aeronave, ainda que em numeros reduzidos.



Principais versões:
Mi-24 - Versão experimental de pré-produção armada com uma metralhadora 12,7mm.
Mi-24A - A primeira versão de produção. O rotor está colocado do lado direito (250 unidades produzidas).
Mi-24U - Versão de treino.
Mi-24D - Resultado da reconstrução da parte frontal do Mi-24A. Nova metralhadora de canos rotativos e um sistema óptico de designação de alvo. (cerca de 250 produzidos).
Mi-24R - Versão de reconhecimento (150 produzidos)
Mi-24RCh - Versão de reconhecimento para ambientes de guerra biologica ou quimica.
Mi-24V - Uma versão basicamente idêntica ao Mi-24D, com motor mais potente, (TV3-117V) resultado da necessidade operacional ditada pela guerra no Afeganistão. Estava armada com nova metralhadora e com 8 mísseis anti-tanque «Shturm-V» e uma metralhadora de canos rotativos. É uma versão muito mais armada, com metralhadoras laterais ou lança-granadas. Capacidade para transportar mísseis AT-6.
Mi-24P - Pensado para ser um helicóptero dedicado ao ataque o Mi-24P «Hind-F» é idêntico ao Mi-24V mas com a substituição da metralhadora de calibre 12.7mm de canos rotativos por dois canhões de 30mm. Começou a ser produzido depois de 1981 e 620 sairam das fábricas.
Mi-24VP - Idêntico ao Mi-24V, mas com dois canhões de 23mm. Começou a ser produzido depois de 1989. Inicialmente os resultados não foram satisfatórios, com problemas ao nível do carregamento automático da arma.
Mi-24BMT - Versão adaptada para operações de desminagem naval.
Mi-24VM - Versão modernizada dos Mi-24VP mais antigos, com novos sistemas de armas. A versão destinada a exportação é conhecida como Mi-35.
Mi-24M - Lançado em 1999, é uma versão mais leve e um novo rotor de cauda. Esta versão está equipada com mísseis Vortex.
Mi-24PN - Versão de ataque nocturno do Mi-24P

Nota sobre o fabricante:
Gera sempre alguma confusão a denominação dos equipamentos russos. Como acontece com outros modelos de equipamentos militares da Russia, o helicóptero Mi-24 nas suas várias derivações não tem necessáriamente um fabricante como acontece normalmente no ocidente. Ao contrário pode ter mais que um. Isso leva a que mais que uma fábrica possa apresentar o mesmo modelo, com modificações específicas.

Presentemente a Rostvertol apresenta o Mi-35 no seu catálogo, vendendo helicópteros novos.
A fábrica Mil «Moscow Helicopter» apenas efectua «upgrades» convertendo Mi-24 em equivalentes ao Mi-35.

-

   
---