Dados sobre utilizadores deste modelo
Italia

Aeronaves do mesmo tipo ou relacionadas:

Re.2000 GA «Falco»
Avião de caça
Heja-II
Avião de caça
Re.2001 «Falco-II»
Avião de caça
Re.2005 «Saggitario»
Avião de caça

Re.2005 «Saggitario»
Avião de caça (Reggiane)
Re.2005 «Saggitario»

Dimensões:Motores/ Potência
Comprimento: 8.73 M
Envergadura: 11 M
Altura: 3.15
1 x motores Fiat RA-1050 «Tifone» (DB605))
Potência total: 1475 HP/CV
Peso / Cap. carga Velocidade / Autonomia
Peso vazio: 2600 Kg
Peso máximo/descolagem: 3610 Kg
Numero de suportes p/ armas: 0
Capacidade de carga/armamento: Kg
Tripulação : 1
Passageiros: a
Velocidade Maxima: 675 Km/h
Máxima(nível do mar): 550 Km/h
De cruzeiro: 515 Km/h
Autonomia standard /carregado : 1000 Km
Autonomia máxima / leve 1250 Km.
Altitude máxima: Não disponível


- - -

Canhões / Metralhadoras
- 3 x 20mm MG-151/20 (Calibre: 20 ) - 2 x 12.7mm Breda-SAFAT (Calibre: 12.7 )

Forum de discussão

A concepção do caça «Saggitario», que seria o último caça da Reggiane, começou em 1941, com o primeiro protótipo terminado em Dezembro de 1941, mas ficou impossibilitado de voar porque não tinha o motor para funcionar. O motor tinha sido encomendado na Alemanha mas perdeu-se durante meses, tendo sido localizado apenas alguns meses depois. Este incidente atrasou o primeiro voo que só ocorreu em 7 de Maio de 1942. A avaliação oficial foi feita em Julho de 1942 e foi plenamente satisfatória, atingindo uma velocidade máxima de 678.5km/h a 7,000m de altitude.
.
O Re.2005 era um caça de asa baixa, como os seus antecessores, utilizando ligas de alumínio e áreas com cobertura de tela, para reduzir o peso.

O novo caça era radicalmente diferente dos anteriores modelos que partilhavam muitos componentes ente si. As asas eram diferentes, o trem de aterragem recolhia para os lados (em vez de para trás).
Mas a diferença mais significativa que fazia realmente a diferença era a inclusão do novo motor Daimler Benz DB-605A-1 com uma potência de 1475cv, fabricado em Itália com a referência RA 1050RC «Tifone» de 12 cilindros em linha.

O armamento, também era condizente com a evolução que as aeronaves de caça tinham sofrido nos primeiros anos da guerra. Três canhões de 20mm, um em cada asa e um terceiro canhão que disparava por entre o eixo da hélice, exactamente como nos Me-109. A estes três canhões juntavam-se duas metralhadoras BREDA-SAFAT de calibre 12.7mm

Embora as qualidades do caça fossem óbvias, até ao final desse ano, a Reggiane recebeu apenas três encomendas. A razão principal, tem a ver com o facto de na mesma altura, tanto a FIAT com o seu G-55 «Centauro» como a MACHI com o seu C.205 «Veltro» terem apresentado soluções baseadas no mesmo motor, sendo que todas apresentaram prestações acima da média.

As aeronaves da MACHI e da FIAT acabaram tendo precedência recebendo várias encomendas durante 1942. No entanto as qualidades demonstradas pelo caça da Reggiane levaram a aeronáutica militar italiana a colocar uma encomenda para 750 unidades em Fevereiro de 1943 e foi mesmo considerada uma encomenda para mais 1.000 unidades adicionais a serem fabricadas em Milão (Breda), Nápoles (Aerfer) e Bergamo (Caproni).

Igualmente interessados nas prestações aerodinâmicas da aeronave italiana estavam os alemães, tendo enviado motores de teste para serem aplicados na aeronave em Abril de 1943. O protótipo com esse motor atingiu uma velocidade de 720km/h.

Em Maio de 1943 estava terminado o primeiro lote de 16 aeronaves de pré-série e teve inicio a produção em série, com os primeiros modelos a sair da fábrica em Junho de 1943.

Mas quando a 8 de Setembro de 1943 a Itália assina o armistício, apenas 29 aeronaves tinham sido completadas pela Reggiane.
Nessa altura, estavam prontos os primeiros dois exemplares da encomenda de 750 unidades que tinha sido colocada no inicio do ano, os quais foram tomados pelos alemães da fábrica de Reggio-Emilia no centro-norte de Itália.
11 das aeronaves que estavam prontas foram apresadas pelos alemães, que os equiparam com motores originais alemães DB-605.



A série V era constituida pelo FIAT G-55 «Centauro», pelo Regiane Re-2005 «Saggitario» e pelo Macchi C.205 Veltro.

Informação genérica:
Resultado de um pedido da aeronautica militar italiana, a fábrica «Regiane» apresentaria durante o final dos anos 30 e até 1943 uma família de aeronaves de combate que se distinguiría pelas suas qualidades.

Re.2000
A primeira aeronave voou no inicio de 1939 e foi designada Re.2000, e não foi aceite pelas autoridades miltiares italianas, que se limitaram a pequenas encomendas, para continuar a permitir o desenvolvimento da aeronave.

Heja-2
No entanto, uma comissão hungara, que procurava uma nova aeronave para a força aérea do país, assinou ainda no final de 1939 um contrato para o fornecimento da aeronave e uma licença de produção para um caça que seria conhecido como Heja-II.

Re.2001
Quando a guerra começou, as autoridades italianas solicitaram o desenvolvimento de uma aeronave mais poderosa e com um motor melhor. Esta versão dispunha de um DB-601 motor de origem alemã.

Re.2002
As qualidades do Re.2000 tinham sido apreciadas como caça-bombardeiro e por isso foi desenvolvido o Re.2002 que é idêntico ao Re.2000 original, com uma motorização idêntica, mas com modificações ao nível das asas.

Re.2005
O mais sofisticado de todos os Reggiane, foi um dos caças da chamada série cinco. Como aconteceu com os seus dois concorrentes, chegou demasiado tarde para poder sequer ser produzido.
Esta versão estava equipada com o motor DB-605

-

   
---