Dados sobre utilizadores deste modelo
Hungria

Aeronaves do mesmo tipo ou relacionadas:

Re.2000 GA «Falco»
Avião de caça
Heja-II
Avião de caça
Re.2001 «Falco-II»
Avião de caça
Re.2005 «Saggitario»
Avião de caça

Heja-II
Avião de caça (Mavag)
Heja-II

Dimensões:Motores/ Potência
Comprimento: 8.39 M
Envergadura: 11 M
Altura: 3.2
1 x motores Weiss-Manfred WM-K14B
Potência total: 1085 HP/CV
Peso / Cap. carga Velocidade / Autonomia
Peso vazio: 0 Kg
Peso máximo/descolagem: 0 Kg
Numero de suportes p/ armas: 0
Capacidade de carga/armamento: Kg
Tripulação : 1
Passageiros: a
Velocidade Maxima: 485 Km/h
Máxima(nível do mar): 450 Km/h
De cruzeiro: 450 Km/h
Autonomia standard /carregado : 550 Km
Autonomia máxima / leve 1075 Km.
Altitude máxima: Não disponível


- - -

Forum de discussão

O Heja-II foi uma versão do caça italiano Reggiane Re.2000 fabricada sob licença na Hungria. O contrato, que incluiu o fornecimento inicial de 70 unidades do caça italiano, permitiu à Hungria fabricar o caça sob licença e efectuar modificações locais.
As aeronaves deveriam inicialmente ser fabricadas na Itália mas com um motor fornecido pelos húngaros.
Como os italianos não demonstraram ter interesse em alterar a linha de montagem, não chegaram a existir nenhuns Regiane Re.2000 montados na Itália com motor húngaro.

No inicio de 1940, os húngaros solicitaram a autorização para fabricar localmente a aeronave e receberam os planos em Outubro de 1940. O desenvolvimento da versão húngara da aeronave decorreu até Junho de 1941, altura em que voou o primeiro Hejas-II, tendo o desenvolvimento continuado por mais um ano.

A principal diferença entre o Heja-I e o Heja-II (a versão hungara), foi a substituição do motor por um motor WMK-14B, mais potente que o WMK-14 inicialmente previsto. O motor era uma versão modificada do motor original francês Gnome-Rhone. A diferença no tamanho do motor implicou uma ligeira alteração nas dimensões do avião.
329 motores deste último tipo foram encomendados, sendo que 82 eram para reposição.

As modificações relativamente ao modelo original, também passaram pela alteração da posição das metralhadoras, que no Heja-II estão colocadas numa posição recuada e protegidas por duas características «bossas» que facilmente permitem identificar a versão original italiana da versão produzida na Hungria.

A primeira versão de produção saiu da fábrica MAVAG no inicio de Julho de 1942 e incorporava um grande numero de modificações que entretanto tinham sido consideradas necessárias, como resultado da utilização operacional do Re.2000 na frente leste.
Foram introduzidas modificações nos tanques de combustível, com a inclusão de tanques de combustível produzidos localmente.
Em Setembro de 1943 o governo da Hungria oficializou a encomenda de um lote adicional de 100 Hejas-II a somar ao lote inicial de 75 que ainda não tinha sido totalmente fornecido. A última unidade dessa primeira encomenda foi entregue em Março de 1944.

Na noite de 3 para 4 de Abril de 1944, um bombardeamento britânico destruiu 95% da fábrica WM, onde se produziam os motores para o Hejas-II. A produção do caça foi então interrompida. Várias unidades sem motor foram destruídas pelos húngaros, quando as tropas soviéticas tomaram as instalações da fábrica em 1945.

Terão sido produzidos cerca de 208 exemplares, dos quais 185 foram entregues à força aérea húngara.

Informação genérica:
Resultado de um pedido da aeronautica militar italiana, a fábrica «Regiane» apresentaria durante o final dos anos 30 e até 1943 uma família de aeronaves de combate que se distinguiría pelas suas qualidades.

Re.2000
A primeira aeronave voou no inicio de 1939 e foi designada Re.2000, e não foi aceite pelas autoridades miltiares italianas, que se limitaram a pequenas encomendas, para continuar a permitir o desenvolvimento da aeronave.

Heja-2
No entanto, uma comissão hungara, que procurava uma nova aeronave para a força aérea do país, assinou ainda no final de 1939 um contrato para o fornecimento da aeronave e uma licença de produção para um caça que seria conhecido como Heja-II.

Re.2001
Quando a guerra começou, as autoridades italianas solicitaram o desenvolvimento de uma aeronave mais poderosa e com um motor melhor. Esta versão dispunha de um DB-601 motor de origem alemã.

Re.2002
As qualidades do Re.2000 tinham sido apreciadas como caça-bombardeiro e por isso foi desenvolvido o Re.2002 que é idêntico ao Re.2000 original, com uma motorização idêntica, mas com modificações ao nível das asas.

Re.2005
O mais sofisticado de todos os Reggiane, foi um dos caças da chamada série cinco. Como aconteceu com os seus dois concorrentes, chegou demasiado tarde para poder sequer ser produzido.
Esta versão estava equipada com o motor DB-605

-

   
---