Aeronaves do mesmo tipo ou relacionadas:

J-8 Finback
Caça interceptor
J-8 II Finback-B
Caça interceptor

J-8 Finback
Caça interceptor (Shenyang)
J-8 Finback

Dimensões:Motores/ Potência
Comprimento: 19 M
Envergadura: 9.35 M
Altura: 5.2
2 x motores WP 7A
Potência total: 12100 Kgf
Peso / Cap. carga Velocidade / Autonomia
Peso vazio: 9240 Kg
Peso máximo/descolagem: 16580 Kg
Numero de suportes p/ armas: 2
Capacidade de carga/armamento: 2500 Kg
Tripulação : 1
Passageiros: a
Velocidade Maxima: 2876 Km/h
Máxima(nível do mar): Não disponível
De cruzeiro: 1300 Km/h
Autonomia standard /carregado : 900 Km
Autonomia máxima / leve 2000 Km.
Altitude máxima: 18000 Metros


- - -

Forum de discussão

O J-8, foi um desenvolvimento directo do caça J-7, a versão chinesa do MiG-21 de origem soviética.

O desenvolvimento desta aeronave começou em 1964, apenas dois anos após o corte de relações diplomáticas com a União Soviética.

O J-8 «Finback» pode ser considerado o primeiro verdadeiro caça chinês, pois embora ele seja completamente inspirado no MiG-21, tem dimensões, proporções e características que o afastam consideravelmente da aeronave base.

Ao contrário do MiG-21 (F-7 na China) o J-8 é uma aeronave concebida propositadamente para interceptar bombardeiros inimigos, nomeadamente bombardeiros que transportam armas nucleares, que nos anos 60 era a forma mais comum de fazer efectuar ataques nucleares a grandes distâncias, já que os mísseis balísticos estavam apenas em desenvolvimento.

Esta aeronave, deveria também ter capacidade para interceptar aviões espiões, como era o caso do U-2 norte-americano.

A completa desorganização e destruição da fraca estrutura industrial chinesa durante a chamada «Revolução Cultural» praticamente cancelou o projecto durante mais de uma década. Em muitas fábricas chinesas, os técnicos e engenheiros eram levados das fábricas onde projectavam aviões, para os campos para cultivar arroz. O voo do primeiro protótipo ocorreu em 1969, mas o avião não conseguiu sequer ultrapassar a velocidade do som, por causa de problemas no desenho da cauda. A cauda do avião foi também razão de dores de cabeça, porque tinha tendência para sobreaquecer. Nos primeiros prototipos, o para-quedas de aterragem pegaram fogo. O primeiro protótipo do J-8 com os vários problemas resolvidos voou em 1978.

Mas as dificuldades no desenvolvimento de soluções mais modernas, como motores com tomadas de ar laterais para permitir a colocaçao de um radar de maiores dimensões, conduziram ao abandono de soluções mais complexas.

O J-8 só ficou operacional em 1979 e começou a ser oficialmente integrado na Força Aérea do Exército Popular de Libertação dem 1980.

O resultado dos problemas de desenvolvimento e do lento encontrar de soluções levaram a que quando o J-8 foi entregue à força aérea em 1980, ele fosse uma aeronave tecnologicamente atrasada, mesmo relativamente aos caças russos mais antigos.
Obsolescência

A aeronave estava já totalmente obsoleta antes de entrar ao serviço, pelo que em 1978, quando finalmente a versão original conseguiu voar de forma eficiente, e ainda antes de a força aérea receber o primeiro exemplar, já tinha sido iniciado um programa de modernização dentro das medidas do possível, aproveitando o melhoramento de relações que ocorrera durante os anos 70 entre a China e o ocidente.

J-8A

Desse programa de modernização vai sair o J-8A, que embora seja idêntico ao modelo anterior, recebeu electrónica melhorada, nomeadamente o primeiro radar de tiro de concepção chinesa modelo SR-4, que substituiu o telemetro que ocupava o cone frontal. Um novo assento ejectavel foi introduzido e uma nova carlinga de duas peças substituiu a carlinga inteiriça.
Em vez dos dois canhões de 30mm, foram instalados dois sistemas de tiro de 23mm com dois canos cada um, permitindo uma maior cadência de tiro.

Além disso, foram instalados suportes para quatro mísseis ar-ar PL-4 em vez dos dois que eram transportados.

As modificações foram aceites logo em 1980, embora o radar e alguns dos sistemas não estivessem ainda disponíveis para integrar na aeronave. O programa de testes da versão modificada foi atrasado um ano por causa da perda de uma aeronave e finalmente, em Julho de 1985 a nova versão recebeu autorização para entrar em produção.

No entanto, mesmo com as novas modificações, o caça continuava obsoleto e era incapaz de cumprir a sua missão. A produção do J-8A foi interrompida em 1987, tendo sido produzidos aproximadamnte 100 exemplares.

MLU
Ainda que a produção fosse encerrada, as autoridades militares chinesas começaram a estudar já no final dos anos 90 a possibilidade de aumentar as capacidades das aeronaves que tinham sido produzidas.
Um programa de modernização foi assim implementado, incluindo a substituição do radar SR-4 pelo radar JL-7, que pelas suas pequenas dimensões pode ser acomodado no nariz retractil da aeronave.

Versões específicas

Também foram utilizados vários J-8 e J-8A para utilizações específicas de que resultaram o JZ-8, de reconhecimento e no J-8ACT, que foi uma plataforma para testes de novas tecnologias.

Informação genérica:
O esfriamento das relações entre a União Soviética e a China, que se começou a tornar evidente depois de 1956 colocou a China numa posição muito complicada, pois a maior parte dos sistemas de armas do país eram de origem soviética.

A China, tinha já começado a fabricar caças soviéticos, nomeadamente os MiG-17, e os bireactores MiG-19 (F-6), como também o mais sofisticado MiG-21 (F-7 Airguard), mas o desenvolvimento da sofisticação e do alcance dos bombardeiros soviéticos, colocava a China numa posição de vulnerabilidade, sem uma aeronave capaz de interceptar os bombardeiros supersónicos da União Soviética.

No inicio dos anos 60 do século XX os chineses consideraram necessário que a China possuisse uma aeronave adequada para interceptar aviões inimigos que voassem acima da velocidade do som.
Mas a URSS durante os anos 60 já não estava disponível para apoiar a China, pelo que os chineses tentaram iniciar o desenvolvimento de uma aeronave própria, baseada no conhecimento que tinham e partindo do mais sofisticado avião que produziam, o J-7 / MiG-21 de origem soviética.

A necessidade desta aeronave ficou estabelecida em Outubro de 1964. Inicialmente havia dois projectos distintos. Um, mais simples, limitava-se a produzir uma versão aumentada do MiG-21, que focou conhecido como J-8. O outro, mais sofisticado e exigente, implicava desenvolver um caça monomotor com asa em delta e canards, que acabou por ser considerado demasiado complexo.

J-8

O caça interceptor J-8 é o resultado da preocupação chinesa e é basicamente um caça F-7 (o MiG-21 chinês) modificado, de forma a acomodar dois motores, permitindo assim aumentar a velocidade máxima.
Ele foi o primeiro caça desenvolvido na China, possuia capacidade para transportar 2500kg e estava armado com dois canhões de 30mm.

A revolução cultural na China atrasou terrivelmente o desenvolvimento do projecto. Embora o primeiro voo tenha ocorrido em 1969, decorreram mais dez anos até que a aeronave definitiva tivesse sido apresentada, entrando ao serviço a partir de 1980, altura em que estava já completamente obsoleta.

J-8A

Versão ligeiramente modificada do J-8, com alterações nos motores, na carlinga e no radar.

J-8 II / J-8B/C/D

Também conhecida como J-8 II, a segunda versão do caça J-8 foi um desenvolvimento inevitável, resultado de os chineses estarem perfeitamente cientes de que a aeronave estava já obsoleta quando entrou ao serviço.

-

   
---