Dados sobre utilizadores deste modelo
Estados Unidos da América



Aeronaves do mesmo tipo ou relacionadas:

F4U-1 «Corsair»
Avião de caça
F4U-4 / 5 «Corsair»
Avião de caça

F4U-1 «Corsair»
Avião de caça (Vought)
F4U-1 «Corsair»

Dimensões:Motores/ Potência
Comprimento: 10 M
Envergadura: 11.5 M
Altura: 4.6
1 x motores Pratt & Whitney R-2800-8
Potência total: 2000 HP/CV
Peso / Cap. carga Velocidade / Autonomia
Peso vazio: 0 Kg
Peso máximo/descolagem: 0 Kg
Numero de suportes p/ armas: 0
Capacidade de carga/armamento: Kg
Tripulação : 1
Passageiros: 0 a 0
Velocidade Maxima: 625 Km/h
Máxima(nível do mar): 510 Km/h
De cruzeiro: 573 Km/h
Autonomia standard /carregado : 1800 Km
Autonomia máxima / leve 2500 Km.
Altitude máxima: 7320 Metros


- - -

Canhões / Metralhadoras
- 6 x 12.7mm Browning M2 (Calibre: 12.7 )

Forum de discussão

O primeiro protótipo do F-4 Corsair foi encomendado em 30 de Junho de 1938, tendo o primeiro voo ocorrido em 29 de Maio de 1940, já se combatia em França.

Inicialmente foi utilizado um motor Pratt & Whitney XR-2800 de 1850cv. Tratava-se de um motor radial de 18 cilindros, refrigerado a ar.
Em 1 de Outubro de 1940 um protótipo desta aeronave atingiu uma velocidade média de 650km/h, transformando-se no mais rápido avião norte-americano.

O processo seguinte foi lento, e durou mais de um ano com vários problemas que tiveram que ser resolvidos até que a aeronave estivesse em condições para se colocar uma encomenda.

Em 30 de Junho de 1941 foram encomendados 584 exemplares do avião, mas antes foram introduzidas modificações, resultado da análise feita pelos militares norte-americanos sobre o armamento das aeronaves que estavam a combater na Europa.

A alteração mais significativa foi a passagem de quatro para seis metralhadoras 12,7mm que estavam todas montadas nas asas, sendo removidas as metralhadoras previstas para a fuselagem.
O motor instalado na versão de série seria o R-2800-8 com uma potência de 2000cv.

O avião foi declarado operacional em 28 de Dezembro de 1941, três semanas após o ataque japonês a Pearl Harbour, mas só os fuzileiros navais receberam o aparelho.
Os problemas surgidos com a operação a bordo, levaram a marinha a considerar o F-4U inapropriado para operação a bordo de porta-aviões, pelo que na fase inicial da guerra o avião ficou restrito a operações a partir de bases em terra[1].



[1] - Só em Abril de 1944 a marinha norte-americana aceitaria o F-4 Corsair para operação a bordo de porta-aviões, por causa de vários problemas que surgiram, resultado de o F4U ser muito mais moderno que qualquer outro avião da marinha. As asas em W, também dificultavam as operações de aterragem pois o avião descia demasiado rápido se estivesse ligeiramente abaixo da velocidade mínima de aproximação.

Encomendas:
584 - Encomenda inicial

Informação genérica:
A origem do F-4 «Corsair» encontra-se num pedido por parte da marinha dos Estados Unidos emitido em 1 de Fevereiro de 1938. Nesse pedido os militares básicamente pediam uma aeronave de combate ligeira, que fosse tão rápida quanto a teconologia permitisse e que ao mesmo tempo tivesse autonomia para voar 1,600km.

O avião tinha que transportar quatro metralhadoras, número que poderia ser reduzido para três se a redução de peso permitisse um alcance operacional superior.
Curiosamente a especificação também pedia capacidade para transportar bombas anti-aéreas. Tratava-se de dispositivos explosivos que deveriam ser lançados sobre formações de aviões inimigos.

Os responsáveis da Vought estudaram algumas hipóteses, mas a que parecia mais óbvia era a de tentar construir o avião mais rápido possível à volta do maior motor radial refrigerado a ar que estava em desenvolvimento.

É assim que surge o F-4U-1 Corsair.
As helices do Corsair eram tão grandes que foi necessário criar espaço entre o motor e o chão, utilizando como recurso as asas em W, que são a mais distintiva característica do modelo.

-

   
---