Dados sobre utilizadores deste modelo
Portugal
Brasil



Aeronaves do mesmo tipo ou relacionadas:

P2V-5 «Neptune» (P-2E)
Avião de patrulha marítima e luta anti-submarina

P2V-5 «Neptune» (P-2E)
Avião de patrulha marítima e luta anti-submarina (Lockeed Martin)
P2V-5 «Neptune» (P-2E)

Dimensões:Motores/ Potência
Comprimento: 27.94 M
Envergadura: 31.65 M
Altura: 8.94
2 x motores Wright R-3350-30W
Potência total: 7000 HP/CV
Peso / Cap. carga Velocidade / Autonomia
Peso vazio: 22650 Kg
Peso máximo/descolagem: 36240 Kg
Numero de suportes p/ armas: 0
Capacidade de carga/armamento: 3700 Kg
Tripulação : 9/11
Passageiros: 0 a 0
Velocidade Maxima: 550 Km/h
Máxima(nível do mar): Não disponível
De cruzeiro: 330 Km/h
Autonomia standard /carregado : 5930 Km
Autonomia máxima / leve 7600 Km.
Altitude máxima: Não disponível


- - -

Forum de discussão

A versão P2V-5 foi resultado da cuidada análise das vantagens e desvantagens dos modelos anteriores, durante a segunda metade da década de 1940.

Várias modificações foram introduzidas, e o primeiro Neptune na versão 5, voou pela primeira vez em 1950.

O número de aeronaves produzida, foi muito superior ao de qualquer outra versão deste modelo. Para resolver o problema da necessidade de produzir aeronaves em tempo útil, várias empresas foram chamadas a participar na produção do Neptune, fabricando vários componentes.

O Neptune P2V-5 tinha muito mais equipamentos electrónicos integrados e por isso a tripulação passou a ser de nove elementos, podendo atingir os 11.
A manutenção do mesmo motor da série P2V-4, levou a que a velocidade máxima baixasse para menos de 550km/h, embora com mais combustível, a autonomia do aparelho aumentasse.
Quando o P2V-5 entrou ao serviço, todos os anteriores modelos do Neptune foram retirados de serviço.

O P2V-5 viu a torreta armada com dois canhões de 20mm ser substituida por um nariz convencional de observação.
Além do nariz, a característica mais distintiva do P2V-5 foi a remoção da torre traseira e a sua substituição por uma cauda onde foi instalado um detetor de anomalias magnéticas, um conjunto de magnetómetros, que permite detetar pequenas variações no campo magnético terrestre, as quais podem corresponder à presença de submarinos.

No entanto, o P2V-5 poderia ser entregue com várias configurações distintas, tanto no nariz como na cauda.
Houve mesmo versões que receberam propulsores adicionais a foguete, que permitiam à aeronave descolar com um peso total superior (até mais 4500kg).

Informação genérica:
O antecessor do P-3 «Orion» foi o mais importante avião de luta anti-submarina e patrulha marítima do pós II guerra.
Utilizado pelos Estados Unidos e por um grande número de forças aéreas e marinhas dos países ocidentais, este modelo substitui as aeronaves baseadas no Lockeed Hudson que estiveram ao serviço desde 1939.

O desnvolvimento do Neptune, foi resultado de uma análise feita pelos especialistas da Lockeed, que apontava para a inevitável necessidade de uma aeronave de patrulha marítima com maior alcance e capacidade que os Ventura e Harpoon que estavam ao serviço especialmente no Atlântico.

Aquele tipo de capacidades tinha que ser extendido ao Pacífico, onde o alcance operacional e menores dimensões daquelas aeronaves tornariam mais tarde ou mais cedo necessária a introdução de um novo modelo, caso os Estados Unidos entrassem guerra e essa guerra ocorresse contra o Japão.

Sintomáticamente a primeira reunião de técnicos para discutir o inicio do projeto, ocorreu na véspera do ataque japonês contra Pearl Harbour, que resultou na entrada dos Estados Unidos na II guerra mundial.

No entanto, as prioridades e necessidades imediatas não levaram a um grande interesse por parte das autoridades militares americanas. Durante todo o ano de 1942, em que os Estados Unidos aguentaram vários golpes do Japão foi necessário recorrer ao que existia.

Só no inicio de 1943 é que a marinha dos Estados Unidos assinou um contrato para apoiar o desenvolvimento, com a construção de dois protótipos. Apenas em 4 de Abril de 1944 foi colocada uma encomenda mais substancial para 15 exemplares de pré-série, sem que os protótipos tivessem voado ainda.

O primeiro Neptune (à esquerda na foto) só voou em 17 de Maio de 1945. Foram encomendados dois protótipos e 15 exemplares de pré produção. A aeronave tinha capacidade para 3600kg de bombas (ou torpedos) e uma tripulação de sete, o Neptune estava equipado com dois motores radiais Wright Cyclone desenvolvento 2300cv cada um.

Após intensivos testes, o primeiro modelo de pré-série foi entregue à marinha dos Estados Unidos em Julho de 1946.

Os modelos do Neptune identificam-se da seguinte forma:

P2V-1 (model 26)
Versão de pré-produção (muito próxima do protótipo apresentado em 1946). A aeronave tinha oito tripulantes e autonomia para mais de 6600km. Foram produzidos 15 exemplares. Um avião deste tipo foi modificado para bater um record de distância percorrida sem reabastecimento, entre Perth na Austrália e Columbus no estado norte-americano do Ohio.

P2V-2 (modelo 126)
Uma versão ligeiramente melhorada do P2V-1, com apenas sete tripulantes. Foi removido o nariz envidraçado, substituido por um mais convencional.
Os motores foram substituido por dois Wright Cyclone R-3350-24W com uma potência máxima de 2800cv cada um. Autonomia ficou reduzida a pouco mais de 6400km. Foram produzidos 82 exemplares deste modelo.


P2V-3 (modelo 326)
Instalação de novos motores R-3350-26W com uma potência máxima de 3200cv cada um, permitindo uma velocidade máxima superior a 540km/h.

Uma su bérie dsta versão foi experimentada para testar a possibilidade de transformar o Neptune num bombardeiro com capacidade para lançar uma bomba atómica sobre a União Soviética (P2V-3C).
Outra versão, a P2V-3W, foi utilizada como aeronave de vigilância aérea antecipada.

P2V-4 (modelo 426)
Lançada em 1949 esta série foi equipada com motores mais potentes (R-3350-30W com 3750cv) e velocidade máxima superior a 560km/h.
Este modelo possuia tanques adicionais de combustível que lhe davam maior autonomia. A tripulação voltou a ser de 8, com a adição de um operador para as sonoboias. 52 exemplares desta série foram fabricados.

P2V-5 (modelo 526)
A série 5, foi a mais produzida de todas as séries do Neptune, e foi o culminar do estudo da operação das séries anteriores. As capacidades do PV-5 eram idênticas às dos modelos anteriores, com 3600kg de bombas, torpedos, foguetes ou cargas de profundidade a serem transportadas. Novos sistemas de radar melhoraram as prestações da aeronave. O alcance operacional chegou aos 7600km.

P2V-6 (modelo 626)
Equivalente ao P2V-5, mas optimizado para operar com minas, mantendo alguma capacidade para ataque com torpedos e bombas. Recebeu o radar APS-70 em vez do APS-20 que equipava o P2V-5 e que era maior. Este modelo era mais blindado, por se esperar que atuasse a baixas altitudes.

P2V-7 (modelo 726)
O último modelo do Neptune, estava equipado com dois motores R-3350-32W com uma potência máxima de 3750cv cada um.


No total foram produzidos 1051 Neptune das fábricas da Lockeed, aos quais se somam mais os Neptune produzidos no Japão na configuração PV2-7 (48 exemplares) e P2V-J com 82 exemplares.

Muitos P2V, após terem sido retirados de serviço foram convertidos para várias funções como aeronave para combate a incendios.

-

   
---