Aeronaves do mesmo tipo ou relacionadas:

Tupolev Tu-16 «Badjer»
Bombardeiro
Tupolev Tu-104B
Aeronave comercial Medio Alcance
H-6 (Hongzhaji 6)
Bombardeiro

Tupolev Tu-104B
Aeronave comercial Medio Alcance (UAC-Tupolev)
Tupolev Tu-104B

Dimensões:Motores/ Potência
Comprimento: 40.06 M
Envergadura: 34.54 M
Altura: 11.9
2 x motores RD-3M-500
Potência total: 21000 Kgf
Peso / Cap. carga Velocidade / Autonomia
Peso vazio: 43800 Kg
Peso máximo/descolagem: 80000 Kg
Numero de suportes p/ armas: 0
Capacidade de carga/armamento: 12000 Kg
Tripulação : 2+2+1
Passageiros: 90 a 100
Velocidade Maxima: 925 Km/h
Máxima(nível do mar): Não disponível
De cruzeiro: 800 Km/h
Autonomia standard /carregado : 2120 Km
Autonomia máxima / leve 2750 Km.
Altitude máxima: 12000 Metros


- - -

Forum de discussão

No final de 1953, já o Comet I britânico tinha sido retirado de serviço por causa de problemas com a fadiga do material, o gabinete Tupolev apresentou às autoridades soviéticas um derivado civil do bombardeiro Tupolev Tu-16.

A nova aeronave, que tinha uma configuração idêntica à do Comet britânico (embora fosse bastante maior) era vista como uma necessidade principalmente por questões de prestigio, pois a União Soviética precisava demonstrar a sua capacidade tecnológica também no campo da aviação comercial.

O gabinete de desenvolvimento precisou demonstrar às autoridades comunistas que o bimotor Tu-104 seria economicamente viável, ao mesmo tempo que demonstrou que a aeronave seria muito mais eficiente que os Lisunov Li-2 (cópia do DC-3) e os IL-12.

Também se argumentou que o periodo de vida média de um motor a jato, era quase três vezes superior ao de um motor convencional a pistão, o que combinado com a capacidade de transportar de 50 a 100 passageiros tornavam o projeto muito interessante.

O desenvolvimento do Tu-104 começou em 11 de Junho de 1954, ainda antes de uma decisão oficial por parte das autoridades soviéticas.

O avião estaria equipado com dois motores Mikulin AM-3-200 e seria fabricado nas fábricas de Kharkov. O diâmetro da fuselagem do bombardeiro Tu-16 teve que ser aumentado, para permitir a instalação de uma cabine de dimensões aceitáveis. A posição da asa também foi modificada.
Os primeiros Tu-104 transportavam 50 passageiros, embora o projeto considerasse o transporte de até 70 passageiros, caso se removesse a primeira classe.
Em Setembro do mesmo ano (1954) o projeto foi apresentado.
Especial cuidado foi tido com o problema da fadiga do material, o que levou os soviéticos a efctuar testes de stress prolongados, para entender o comportamento da aeronave após muitos ciclos de descolagem e aterragem.

O primeiro voo ocorreu a 17 de Junho de 1955 e em 15 de Setembro de 1956 foi efectuado o primeiro voo comercial entre Moscovo e Irkutsk. Em 12 de Outubro o Tu-104 fazia a sua primeira ligação internacional regular, entre a capital soviética e a capital da então Checoslováquia, Praga.

Em 1958 já três fábricas produziam o Tu-104. A Kharkov juntaram-se Omsk e Kazan.

Tupolev Tu-104B
A versão mais fabricada do Tu-104 foi a versão Tu-104B, que era ligeiramente mais longa e tinha motores mais potentes. O primeiro voo deste modelo ocorreu em 29 de Julho de 1958, dois meses antes do Comet IV britânico começar a ser entregue às companhias aéreas.

Já depois de 1960 vários Tu-104B foram modificados para uma configuração de alta densidade (removendo-se os lugares de luxo reservados aos líderes do Partido Comunista) para 115 passageiros.

Revolucionário para a época para os padrões soviéticos, o Tu-104 não conseguiu no entanto afirmar-se como aeronave de grande alcance. Ne verdade ele podia percorrer distâncias de até 2750km e mesmo assim sem carga máxima.

Quando o Tu-104B estava em desenvolvimento, a emergência do gigante Boeing com o seu B-707, tornou o Tu-104B relativamente ultrapassado, pois o avião americano era maior, transportava mais passageiros, era mais rápido e teinha muito maior autonomia.

Quadrimotor Tupolev Tu-110

Considerando a necessidade de uma aeronave com melhores prestações e capaz de atingir a velocidade de um Boeing B707, foi desenvolvida uma versão do Tu-104 equipada com dois motores adicionais, continuando a seguir a configuração do Comet britânico.

O fabricante considerou a possibilidade de vender a aeronave para companhias aéreas estrangeiras, que precisavam cumprir com regras internacionais que exigiam quatro motores para voar sobre o mar.
O Tu-110 dispunha de quatro motores Liyulka, menos potentes, mas que mesmo assim perimitiam atingir uma velocidade elevada, dando-lhe uma autonomia para até 3500km.
O modelo 110 é muito parecido com o 104, sendo as principais modificações na secção central e na asa, que tinha que acomodar mais um motor.

Os resultados dos testes foram considerados interessantes mas a companhia Aeroflot nunca chegou a encomendar a aeronave. Embora o Tu-110 fosse superior ao Comet britânico, tinha-se tornado evidente que seria claramente inferior ao B707 norte-americano.
Três protótipos chegaram a ser construidos mas foram apenas utilizados para voos experimentais e como plataforma de desenvolvimento para o Tu-104A.

Para concorrer com o modelo B707 dos Estados Unidos, a Tupolev acabou por desenvolver um derivado do bombardeiro Tu-95, tendo no entanto que voltar aos aviões a hélice, vistos como antiquados.

Tu-124
O Tupolev Tu-124 para 44 passageiros, cujo desenvolvimento começou em 1958 foi uma versão mais curta do Tu-104 (30.5m de comprimento), desenvolvida propositadamente para voos internos dentro da União Soviética e para voos dentro dos países do bloco comunista.
Apenas a União Soviética e a Alemanha comunista utilizaram o tipo, embora o Iraque também tenha feito algumas encomendas. Ele foi o resultado do sucesso do Tupolev 104, ao ter demonstrado que era economicante viável utiizar aeronaves a jato em rotas relativamente curtas.
Como ainda assim ele se tornava caro de operar em rotas de até 1000km (triangulo Moscovo-Kiev-Leninegrado), surgiu a necessidade de uma versão menor, com motores menos potentes e menos gastadores.

Uma versão completamente modificada do Tu-124, com os motores colocados atrás em vez de junto das asas seria posteriormente desenvolvido como Tu-134.

Informação genérica:
O projeto do Tu-16 tinha algumas características únicas, de entre as quais a mais importante era sem dúvida a colocação dos motores junto à fuselagem. O gabinete Tupolev nunca tinha apresentado qualquer aeronave com aquela configuração, nem qualquer outro gabinete o tinha feito.

Especula-se por isso que os soviéticos foram influenciados pelo desenvolvimento na Grã Bretanha do avião de transporte comercial «Comet» que utilizava uma configuração similar mas com quatro em vez de dois motores.

Tupolev 104
Com base no Tupolev Tu-16, o gabinete Tupolev concebeu o Tupolev 104, destinado a rotas de médio curso dentro da União Soviética e com capacidade para servir as ligações entre a capital soviética e a Europa Ocidental.

Para os padrões soviéticos o Tu-104 pode ser considerado um sucesso e foram desenvolvidas várias versões:

Tu-104 - A primeira versão base, foi produzida em 29 exemplares.
Tu-104A - 70 passageiros (80 exemplares). Vários aviões desta série foram convertidos para transportar 85 passageiros, e foram designados Tu-84D-85
Tu-104B - Versão alongada para transportar 95 passageiros (95 exemplares). Vários exemplares desta série foram modificados para permitir o transporte de 115 passageiros conhecida como Tu-104B-115.
Tu-104D - Versão experimental, com três motores colocados na cauda. Trata-se na prática de um novo avião, que resultaria no Tupolev Tu-154.

Outros exemplares foram convertidos para várias utilizações específicas, militares e científicas.

Tu-107 - Versão de transporte militar do Tu-104.

Tu-110 - Versão com quatro motores, adaptada para permitir o voo sobre o oceano, cumprindo regras internacionais.

Tu-124 - Versão encurtada para voos regionais

Aviões de origem chinesa
A China começou a negociar a produção local do Tu-16 em 1958, tendo a aeronave sido produzida na China com a designação H-6

-

   
---