Dados sobre utilizadores deste modelo
Estados Unidos da América

Aeronaves do mesmo tipo ou relacionadas:

F-86A «Sabre»
Avião de caça
F-86F «Sabre»
Avião de caça
F-86D
Caça interceptor

F-86D
Caça interceptor (North American)
F-86D

Dimensões:Motores/ Potência
Comprimento: 12.27 M
Envergadura: 11.31 M
Altura: 4.57
1 x motores General Electric J-47 GE-17
Potência total: 3400 Kgf
Peso / Cap. carga Velocidade / Autonomia
Peso vazio: 6132 Kg
Peso máximo/descolagem: 9060 Kg
Numero de suportes p/ armas: 0
Capacidade de carga/armamento: Kg
Tripulação : 1
Passageiros: 0 a 0
Velocidade Maxima: 1136 Km/h
Máxima(nível do mar): Não disponível
De cruzeiro: 0 Km/h
Autonomia standard /carregado : 0 Km
Autonomia máxima / leve 0 Km.
Altitude máxima: 16885 Metros


- - -

Foguetes / Misseis / bombas que pode utilizar
- Northrop-Grumman/Westinghouse 70mm FFAR Mk IV «Mighty Mouse» (missil ar-ar)
Radares
- Westinghouse AN/APG-36 - Pesquisa aérea (Alcance médio: 15Km)

Forum de discussão

O caça interceptor F-86D resulta de um pedido da força aérea norte-americana para um caça com capacidade para encontrar e destruir bombardeiros soviéticos em aproximação.

A empresa North American, respondeu ao pedido, tendo como base o caça F-86, mas o desenvolvimento foi mais lento e as modificações muito significativas, ao ponto de o F-86D poder ser considerado outro avião.

A força aérea exigia um avião com capacidade para operar em qualquer tipo de clima e condição atmosférica, o que resultou na necessidade de instalar um radar no nariz do avião. Esta necessidade implicou um completo redesenho do F-86.

O programa de desenvolvimento deste interceptor passou a ser considerado de suprema importância logo que a União Soviética realizou o seu primeiro teste nuclear. A partir de aí, os Estados Unidos passavam a ser um potencial alvo das bombas atómicas soviéticas, pelo que caças com capacidade para interceptar os bombardeiros soviéticos passaram a ter prioridade máxima.

O desenvolvimento do F-86D teve inicio em 28 de Março de 1949. Desde logo foi selecionado o radar Westinghouse AN/APG-36 para instalação no nariz da aeronave. A antena tinha um diametro de 45.7cm e precisava ser acomodada convenientemente, pelo que a posição da tomada de ar do motor.

O piloto podia realizar a intercepção dos alvos, olhando para o m pequeno e rudimentar ecrã, que lhe dava indicações sobre direção e distância relativamente ao alvo.

O armamento do F-86D também seriam diferente. Assim, em vez das tradicionais metralhadoras o F-86D estaria unicamente armado com 24 foguetes de 70mm [1], com os quais o piloto teria que atacar os bombardeiros inimigos.
Foram feitos estudos para incorporar quatro canhões de 20mm, mas esses estudos foram rapidamente abandonados.

Cada foguete viajava a 2850km/h e eram disparados em «leque» de forma a aumentar a probabilidade de acerto. A explosão de cada um dos foguetes era equvalente à explosão de um projetil de artilharia de 75mm.
Embora pudessem ser disparados em salvas de 6, 12 ou 24, rapidamente se percebeu que só disparando ao mesmo tempo todos os 24 foguetes haveria uma possibilidade mínima de acerto.

O F-86D era o primeiro interceptor monolugar da força aérea, o que resultou em problemas com o desenvolvimento que por sua vez resultaram em atrasos. O F-86D voou pela primeira vez em 1949 e na altura foi designado F-95A, mas por razões políticas, para facilitar a atribuição de verbas por parte do congresso americano a designação voltou a ser de F-86. Na realidade, com os atrasos no desenvolvimento no sistema de controlo de tiro, apenas em Julho de 1952 o primeiro exemplar ficou pronto para testes com todos os sistemas integrados.

F-86L
Trata-se de aeronaves F-86D modificadas, não tendo sido construido nenhum modelo novo.
Vários novos sistemas foram incorporados as asas foram modificadas. Também a electrónica sofreu modernizações, com uma substituição completa dos sistemas anteriores, inclusivé os cabos electricos. O primeiro F-86L voou na primavera de 1956. Um total de 827 modelos F-86D foram transformados para a versão F-86L.

F-86K
Versão simplificada do F-86D construida pela FIAT na Europa, para responder a uma necessidade urgente para interceptar bombardeiros soviéticos.
Esta versão estava equipada com quatro canhões de 20mm. O protótipo do F-86K voou pela primeira vez em 15 de Julho de 1954. 120 exemplares foram ainda produzidos nos Estados Unidos, enquanto que a FIAT produziu 221. Os F-86K estiveram ao serviço até 1964, quando começaram a ser substituidos pelos F-104 Starfighter da Lockeed.


[1] - Normalmente o F-86D é apontado como o primeiro avião unicamente equipado com foguetes, no entanto esse título pertence ao caça bombardeiro alemão Me-262.

Informação genérica:
Primeiro aviao de caça com asa em flecha, o F-86 foi declarado operacional em 1949, com a entrega dos primeiros exemplares de uma encomenda de 221 unidades.

No total, mais de 6.000 unidades do F-86 sairam das fábricas nos Estados Unidos.

A família F-86 divide-se em vários modelos:

F-86A - O primeiro modelo configurado como caça diurno, teve a sua produção terminada em Dezembro de 1950.

F-86B - Versão do F-86A com capacidade para aterrar em pistas não preparadas. Não chegou a ser produzido.

F-86C - Também conhecido como YF-93A foi uma versão projectada para ter longo raio de alcance operacional, destinado a escoltar bombardeiros. Na prática era uma aeronave diferente, que do F.-86A retinha apenas as asas. Embora tenham sido encomendados 108 exemplares, a encomenda foi cancelada seis meses depois e apenas foram produzidos dois protótipos.

F-86D - Modelo configurado para combate com qualquer situação atmosférica (partilhava apenas 25% dos componentes do F-86A)

F-86E - A maior parte destas aeronaves foi produzida no Canadá como Sabre-2 e Sabre-3 Começou a sair da linha de montagem (em 1951. Dimensões idênticas ao F-86A mas maior potência e velocidade máxima de 1.093km/h.

F-86F - O mais numeroso de todos os aviões da familia de caças «Sabre» para utilização diurna. Era uma derivação do F-86E com um motor mais potente ( 2.681 kgf). Foi produzido até 28 de Dezembro de 1956 (produção: 1539 + 300 Mitsubishi).

F-86H - O último caça «Sabre» a ser produzido nos Estados Unidos, carateriza-se pela maior tomada de ar necessária para o motor mais potente (4.046 kgf) que também exigia maior capacidade de transporte de combustível.

CA-27
Uma versão radicalmente motorizada do F-86F com motor Rolls Royce RA7 Avon, de 3375kgf. Foram produzidos 112 exemplares na Austrália entre Agosto de 1954 e Dezembro de 1961. Parte destas aeronaves foram transferidas para a Indonésia em 1973 e para a Malásia em 1976, tendo estado ao serviço até à década de 1980.


MiG versus Sabre
Na guerra da Coreia os Sabre enfrentaram os MiG soviéticos, no que se transformou o primeiro grande conflito da era do jacto. A guerra da Coreia começou em Junho de 1950 e o armistício foi assinado em Julho de 1953

F-86K - Versão desenvolvida para o mercado europeu, como versão simplificada do F-86D. A maior parte dos exemplares foi produzida pela FIAT na Itália.

Embora no papel os aviões MiG-15 fossem superiores aos aviões americanos F-86, o numero de vitórias dos pilotos americanos sobre os russos, que se cifrou em aproximadamente sete para um [1], demonstrou a importância vital do treino e de uma eficiente organização de apoio logístico no terreno.


Acima os rivais da guerra da Coreia.

O MiG, mais rápido e mais leve, dispunha da vantagem táctica e podia sempre atacar os aviões americanos de uma posição de vantagem. Os F-86 não podiam fazer absolutamente mais nada que aguardar o ataque dos russos e esperar que a pontaria não fosse boa. Quando os russos ficavam a um nível mais baixo, então os F-86 podiam mergulhar e atacar, aproveitando o maior peso do avião americano, que permitia acelerar mais depressa que o caça russo.

Há no entanto outras explicações para a superioridade demonstrada pelo caça americano e que explicam o facto de os americanos terem abatido sete MiG por cada F-86 perdido.
Essa explicação reside na qualidade do radar de tiro e da sua interacção com as seis metralhadoras 12.7mm que equipavam a aeronave.

Não só o radar (um equipamento rudimentar que tinha um alcance de cerca de 3 a 4km mas que era alta tecnologia para a época) permitia enquadrar o alvo com mais facilidade, como uma mistura de munição 12.7mm perfurante e incendiária facilmente perfurava e incendiava os aviões russos, que eram fracamente protegidos.


[1] - Na verdade a proporção de aeronaves abatidas em combate (entre F-86 e MiG-15) terá sido de 14 MiG para cada F-86 abatido.

A proporção de 5:1 até 7:1 em combate aéreo é a proporção revista, considerando as aeronaves F-86 que foram danificadas em combate mas que conseguiram voltar a terra, salvando os pilotos.

Esta proporção no entanto, conta todos os aviões F-86 abatidos em combate e perdidos para avarias, mas não considera o numero de aeronaves perdidas pelos soviéticos e chineses nas mesmas circunstâncias, dado não haver registos.

A menor resistência do MiG-15 que levava à morte quase certa do piloto no caso de a aeronave ser atingida a alta velocidade, levará a que o numero de MiG que se salvaram e conseguiram aterrar seja menor que o de F-86.

-

   
---