Aeronaves do mesmo tipo ou relacionadas:

SBD-3 «Dauntless»
Bombardeiro leve / táctico
SBD-5 Dauntless
Bombardeiro leve / táctico

SBD-5 Dauntless
Bombardeiro leve / táctico (Douglas)
SBD-5 Dauntless

Dimensões:Motores/ Potência
Comprimento: 10.07 M
Envergadura: 12.66 M
Altura: 4.14
1 x motores Wright R-1820-60
Potência total: 1200 HP/CV
Peso / Cap. carga Velocidade / Autonomia
Peso vazio: 2940 Kg
Peso máximo/descolagem: 4815 Kg
Numero de suportes p/ armas: 1
Capacidade de carga/armamento: 540 Kg
Tripulação : 2
Passageiros: 0 a 0
Velocidade Maxima: 413 Km/h
Máxima(nível do mar): Não disponível
De cruzeiro: 350 Km/h
Autonomia standard /carregado : 2000 Km
Autonomia máxima / leve 2400 Km.
Altitude máxima: 7411 Metros


- - -

Forum de discussão

Desenvolvido a partir do SBD-4, o modelo 5 foi o mais produzido de todos os Dauntless.

A principal modificação neste modelo relativamente ao anterior e ao quase idêntico SBD-3, foi a incorporação de um novo motor mais potente.
A falta de potência era apontada desde o inicio como o principal problema do Dauntless e com um novo motor esperava-se que a aeronave respondesse melhor e atingisse uma velocidade bastante superior.

No entanto todas as espectativas acabaram goradas.
Para aumentar as capacidades da aeronave, foram instalados novos equipamentos electrónicos e novos sistemas que acabaram aumentando o peso. O resultado foi um aumento muito superficial da velocidade máxima que passou de 402 para 413km/h e a velocidade de cruzeiro era mesmo inferior à do anterior modelo.

A autonomia máxima em missões de reconhecimento sem bombas, atingiu os 2400km, mas isso deveu-se à inclusão de pontos nas asas para o transporte de tanques de combustível.

Durante o ano de 1943, o Dauntless foi o mais importante bombardeiro naval da marinha dos Estados Unidos. Os atrasos no programa do Helldiver, levaram a marinha a manter o Dauntless em serviço, apesar de na altura ele já mostrar a sua idade (tinha sido projetado nove anos antes, numa altura de grandes saltos na industria aeronáutica).

Logo que no final de 1943, o «Helldiver» mostrou que pela sua resistência e capacidade de transporte de bombas era mais adequado, teve inicio um processo de substituição tão rápido quanto possível.

Informação genérica:
O pequeno bombardeiro de voo picado monomotor Douglas-Dauntless voou pela primeira vez em 1934, e na altura não se podia prever a importãncia que viria a assumir no decorrer da guerra que se iniciaria poucos anos depois.

Ele foi um derivado direto do Northrop BT-1 que foi construido em 1938. As primeiras encomendas foram colocadas em 8 de Abril de 1938, para 57 uniddes do SBD-1 e para 87 unidades do SBD-2, respectivamente para os Fuzileiros Navais e para a Força Aérea. Estes aviões entraram ao serviço entre o fim de 1940 e Janeiro de 1941.

SBD-3
Em Março de 1941 é lançado o modelo SBD-3 com um motor mais potente e melhor armamento (4 metralhadoras).
Quando os Estados Unidos foram atacados pelo Japão, havia 584 aeronaves Dauntless em operação (57 SBD-1, 87 SBD-2 e 440 SBD-3).

SBD-4
No final de 1942, começaram a ser entregues os primeiros de um total de 780 exemplares do Duglas Dauntless SBD-4. Este modelo era virtualmente idêntico ao SBD-3 com alterações pouco significativas, as mais importantes das quais eram internas, tais como um sistema electrico de 24v em vez de 12v o que permitia a instalação de novos e mais eficientes equipamentos de rádio.
174 eram na realidade SBD-2 modificados. A maioria dos aviões deste modelo foi entregue aos fuzileiros e a unidades com base em terra.


SBD-5
Foram produzidos 2965 exemplares do SBD-5 para a marinha e 675 para a força aérea do exército. Este transformou-se pois, no mais produzido de todos os Dauntless.
Este modelo tinha um motor mais potente, ainda que mesmo assim, com o R-1820-60 de 1200cv a potência fosse vista como insuficiente para as necessidades. A velocidade máxima foi aumentada em apenas 11km/h enquanto que a velocidade de cruzeiro conseguia mesmo ser inferior.

Este modelo foi o principal avião de bombardeio da marinha durante o ano de 1943, quando o novo bombardeiro de voo picado Helldiver ainda estava em testes.

SBD-6
Foi ainda produzido o SBD-6, com um motor ainda mais potente (1350 cv). No entanto este novo aumento de potência apenas conseguiu fazer o avião chegar a uma velocidade máxima de 420km/h.
Esta prestação em 1943 estava longe do que era exigido pela marinha norte-americana.
Foram produzidos apenas 450 SBD-6 que externamente não apresentavam qualquer diferença dos SBD-5.
A marinha ficou muito pouco entusiasmada com a falta de performance do SBD-6 e em 18 de Março de 1944 cancelou todas as encomendas que ainda estavam pendentes.

Como em 1944 as prestações do SBD-6 já eram de tal forma insuficientes que permitiam considerar a aeronave como obsoleta, todos os aviões foram relegados a operações de segundo escalão, patrulha da costa americana e treino.

As linhas de montagem desta aeronave pararam em Julho de 1944, quando 5936 aviões tinham sido fabricados.

Conhecido entre os pilotos americanos como «a barca» o Douglas Dauntless (modelo SBD-3) seria o responsável pelo afundamento de todos os quatro porta-aviões que os japoneses perderam na batalha de Midway, ajudando assim a mudar o curso da guerra no Pacífico.

-

   
---