Aeronaves do mesmo tipo ou relacionadas:

DC-10 30
Aeronave comercial Longo Alcance
KC-10 «Extender»
Aeronave de transporte pesado
MD-11
Aeronave comercial Longo Alcance

KC-10 «Extender»
Aeronave de transporte pesado (McDonnel-Douglas/Boeing)
KC-10 «Extender»

Dimensões:Motores/ Potência
Comprimento: 55.35 M
Envergadura: 50.41 M
Altura: 17.7
3 x motores General Electric CF6-50C2
Potência total: 70900 Kgf
Peso / Cap. carga Velocidade / Autonomia
Peso vazio: 109328 Kg
Peso máximo/descolagem: 267620 Kg
Numero de suportes p/ armas: 0
Capacidade de carga/armamento: 160000 Kg
Tripulação : 4
Passageiros: a
Velocidade Maxima: 996 Km/h
Máxima(nível do mar): Não disponível
De cruzeiro: 0 Km/h
Autonomia standard /carregado : 0 Km
Autonomia máxima / leve 7080 Km.
Altitude máxima: 12800 Metros


- - -

Forum de discussão

O cargueiro reabastecedor KC-10 é uma versão militarizada do trijato DC-10 da McDonnel Douglas, que tem as suas origens na necessidade de reforçar a capacidade de reabastecimento da força aérea norte-americana, especialmente quando durante a guerra no sudoeste asiático, a frota de cerca de 700 tranportes baseados no Boeing 707 (KC-135) mostrou não ser suficiente para as necessidades operacionais.

A necessidade de manter uma frota no Vietname e outra no continente americano para apoiar as forças militares na Europa levou as autoridades militares a procurar uma aeronave com maior capacidade de carga.

No inicio da década de 1970, as várias companhias aéreas tinham iniciado uma concorrência feroz entre aeronaves Widebody de maiores dimensões e por isso a opção por escolher um avião desse tipo fazia todo o sentido.

A força aérea norte-americana testou o DC-10 logo em 1972, verificando a viabilidade da sua utilização para reabastecimento em voo, tendo aliás feito a mesma coisa com o Boeing 747.

necessidade e urgência
Quando em 1973 o Egito atacou Israel durante a guerra do Yom Kippur, a deficiência na capacidade de transporte fosse de combustível ou de material de guerra, munições ou outros materiais de apoio ficou clara, principalmente por causa da necessidade de percorrer grandes distâncias sem reabastecimento.

Depois de uma concorrência acirrada contra o 747 (O Lockeed L-1011 não foi considerado adequado) em Dezembro de 1977 o DC-10-30CF foi o escolhido.

O primeiro avião de série voou em 1980 pela primeira vez e as entregas começaram logo nesse ano.

Quando em 1986 os Estados Unidos bombardearam a Líbia do coronel Kadaffi, perante a recusa de vários países europeus, foi necessário utilizar o reabastecimento em voo utilizando vários aviões deste modelo.
Eles foram utilizados intensamente durante operações nas guerras do golfo em 1989 e em 2003, transportando combustível, munições ou passageiros.

Embora cortes no orçamento da defesa tenham levado a considerar a retirada do modelo de serviço, as suas qualidades e eficiencia, levaram a cancelar tal decisão.

Além da força aérea dos Estados Unidos, a Holanda também opera duas aeronaves deste tipo.

Informação genérica:
Como aconteceu com o seu concorrente da Lockeed, o DC-10 da McDonnel Douglas resultou de um pedido da American Airlines para o que a companhia chamou de «Jumbo Twin» em Março de 1966, um avião que deveria ter uma configuração widebody, com dois corredores, mas uma capacidade inferior à do Boeing 747.

Embora fosse um avião de grandes dimensões, ele deveria ter capacidade para operar a partir de pistas normais, permitindo a sua utilização na maior parte dos aeroportos norte-americanos.

Logo a seguir a Março de 1966 a empresa produziu uma série de conceitos, que incluiram desde um avião com quatro motores, dois e finalmente três motores.
Em meados de 1967, o fabricante tinha concluido que a melhor solução era uma aeronave com dimensões maiores que as pedidas pela American Airlines, numa configuração trijato com o motor central, elevado e montado juntamente com o leme vertical.

A conhecida concorrência da Lockeed, levou a McDonnel Douglas a apressar o desenvolvimento, que foi bastante rápido.
A American Airlines encomendou de imediato 25 exemplares, com uma opção adicional de mais 25.

O primeiro voo ocorreu em 29 de Agosto de 1970.


A produção do DC-10 divide-se em dois grupos

O primeiro grupo, de aeronaves de médio alcance:
DC-10 de médio alcance, utilizado essencialmente nas rotas internas nos Estados Unidos
DC-10-15 – Uma versão destinada a operar de aeroportos a grande altitude
O segundo grupo de aeronaves de maior alcance
DC-10-20 / DC-10-40, um pedido especifico da Northwest Orient
DC-10-30 – Versão de longo alcance essencialmente comprada por operadores europeus e asiáticos


Depois do DC-10, é lançado o MD-11, que já tinha começado a ser estudado durante a década de 1970. Ele será vendido a várias empresas do mundo, com destaque para a brasileira VARIG que será o maior operador do tipo.

Uma versão militar, baseada no DC-10, o KC-10, foi produzida para operação pela força aérea dos Estados Unidos.

-

   
---