Armas relacionadas:

76.2mm M5/M7 L/53
Não aplicável
76.2mm M1A1 L/55
Não aplicável
90mm M32
Não aplicável

Loading

76.2mm M5/M7 L/53
Anti-tanque

Fabricante: Detroit Tank Factory
Função principal: Anti-tanque --- Calibre: 76mm
Cadência de tiro: 2 disparos p/min.Alcance máximo: 2Km
Comprimento: 4.19M / Largura: 0 - Altura: 0
Peso da munição: 0KgPeso do sistema: 0Kg
Velocidade do projectil: 792 metros/s Tripulação da peça: 0

 


Trata-se da versão terrestre adaptada para utilização como peça de artilharia anti-tanque rebocada, derivada de um canhão de artilharia antiaérea naval M1 76,2mm mod.1917 e que foi convertido para utilização como arma antitanque (através do projecto T9). A arma ficou finalmente conhecida como M5 ou M7, conforme o tipo de montagem. Uma derivação para utilização em carros de combate ficou conhecida como M1A1.

O exército dos Estados Unidos tinha acabado de receber as suas primeiras peças de artilharia rebocada, com a incorporação dos canhões de 37mm produzidos nos Estados Unidos e que eram uma cópia da peça alemã do mesmo calibre.

A guerra na Europa veio chamar a atenção dos responsáveis norte-americanos para a necessidade de o exército possuir uma arma que permitisse a defesa contra viaturas blindadas pesadas e ainda a incorporação da arma de 37mm não tinha chegado ao fim, já se estudava a alteração para uma arma de 76,2mm. A necessidade e urgência, chegou a levar a que se estudassem outras opções , que passavam pela utilização das peças de artilharia de 75mm, derivadas do modelo m,1897 Puteaux, desenhado na França e que fora adoptado pelos americanos ainda antes do final da primeira guerra mundial.

Além da peça M5, foi concebido o modelo M7, que podia utilizar uma munição mais poderosa e que atingia uma velocidade de 1036m/s.

Descrição genérica sobre este tipo de armamento:
O calibre 76mm (ou 76,2mm o que corresponde a três polegadas) foi o calibre mais comum utilizado pelas forças norte-americanas durante a fase final da II guerra mundial.

O calibre 76,2mm foi desenvolvido ainda durante a fase final da II guerra mundial como arma anti-aérea com a designação industrial de modelo m.1917 / m.1918.
(A arma foi conhecida como 76,2mm M2, sendo posteriormente lançadas versões mais recentes como a M3 e a M4).

A diferença entre modelo 1917 e 1918 reside no facto de o primeiro ter um cano com 55 calibres de comprimento (L/55), enquanto que o segundo, que foi pensado para operação num reboque com quatro rodas, era mais leve e tinha um cano com apenas 50 calibres de comprimento (L/50).

Este último tipo de calibre foi utilizado para defesa anti-aérea e também como artilharia de costa movel e foram feitas várias modernizações desde que a arma foi introduzida como modelo 1918.

Em 1940, quando os norte-americanos começaram a olhar seriamente para a arma blindada, considerou-se a possibilidade de utilizar este armamento para a função anti-carro. O canhão experimental anti-aéreo adaptado para utilização como arma anti-carro ficou conhecido como «T9»
Por sua vez o projecto experimental T9, resultou na arma que recebeu a designação final de M5, para a peça rebocada, com um cano com comprimento de 53 calibres.

Foi igualmente desenvolvida uma versão desta arma para instalar em carros de combate. O canhão de 76mm recebe nestes casos a designação de M1A1. Esta arma difere da anterior no sistema de montagem e também no comprimento do cano, que é de 55 calibres em vez de 53.


 
   
---