Armas relacionadas:

37mm L/40 Vickers-Terni
Canhão anti-tanque
37mm 1K L/45 m.30 «Sachientov»
Canhão anti-tanque
37mm M4
Canhão
37mm PAK-36 L/45
Canhão anti-tanque
37mm M3/M6 m.38 L/53
Não aplicável

Loading

37mm L/40 Vickers-Terni
Anti-tanque

Fabricante da arma: Oto-Melara
Função principal: Anti-tanque --- Calibre: 37mm
Cadência de tiro: 0 disparos p/min (max) Alcance eficaz: de 300 a 3000m
Comprimento da peça (cano): 0mm /
Peso da munição: 690grPeso da arma: 0Kg
Velocidade do projectil: 640 metros/s (max) Carregamento: Manual
100M
300M
1500M

 

Utilizado pelos seguintes veículos:
Carro de combate leve - M11/39
Carro de combate leve - F3000 B (L/5)


A origem desta arma aparenta ser algo confusa, porque tendo sido produzida pela Terni ela é normalmente referida como uma versão produzida na Itália de uma arma britânica e designada Vickers-Terni.

No entanto, os britânicos não desenvolveram nenhuma arma deste calibre. Durante a I guerra mundial utilizaram canhões franceses Puteaux e posteriormente utilizaram canhões Bofors também deste calibre.
A Grã Bretanha optou posteriormente pelos canhões de duas libras (40mm).
Além disso, a Vickers abandonou o consórcio com a Terni em 1922 e esta arma é normalmente referenciada como tendo sido desenvolvida no final da década de 1920, entrando ao serviço no inicio da década de 1930.

Aparentemente esta arma foi desenvolvida na década de 1920, como a primeira arma anti-tanque italiana. Várias fontes comparam-na com um derivado produzido na itália do canhão alemão de 37mm PAK-35.
No entanto, ela foi instalada no Fiat-3000, uma derivação do FT-17 que foi lançada em 1928.

Além de ter equipado o Fiat-3000B, a arma equipou o carro de combate M11/39 o primeiro carro de combate médio italiano.

Ainda que estivesse em desenvolvimento armamento superior, com calibre 47, o calibre 37 continuava a ser popular no final dos anos 20 e inicio dos anos 30, principalmente porque a munição ocupava muito menos espaço, permitindo por isso transportar maior número de munições.



As características desta arma não são claras e os dados são contraditórios.
Várias publicações afirmam que a arma podia disparar projecteis a uma velocidade de 640m/s enquanto que outras (menos frequentes) afirmam que essa velocidade era de 762m/s.

Descrição genérica sobre este tipo de armamento:
A peça de artilharia PAK-35 (inicialmente designada 3.7cm L/45) desenvolvida na Alemanha a partir de 1924, e tinha sido inicialmente pensada para ser rebocada por cavalos.

Foi introduzida ao serviço em 1928 e transformou-se na mais conhecida da década de 1930, tendo sido utilizada até ao final da II guerra mundial, embora na altura já estivesse obsoleta.

Em 1932 a doutrina de utilização foi alterada e foram introduzidas modificações. A arma passou então a ser designada PAK-36.

O PAK-36, na sua versão adaptada para ser rebocada por uma viatura é sem dúvida a mais conhecida das armas de 37mm, tendo sido copiada por vários exércitos do mundo. A arma demonstrou as suas qualidades durante a guerra-civil de Espanha, altura em que grandes quantidades de armas alemãs foram enviadas para combater naquele país, ao lado das tropas do general Francisco Franco.

Como se tratava de um calibre standar anti-carro utilizado pelo exército alemão, este adoptou o calibre para instalação no primeiro verdadeiro carro de combate alemão, o Panzer-III.
A opção foi ditada mais pela nacessidade de standardizar o calibre que por causa do poder da arma, que para o final da década de 30 já era considerado duvidoso, em face dos blindados que se projectavam na altura.

Os Estados Unidos copiaram a arma alemã de 37mm e produziram o seu modelo. Como os alemães os norte-americanos também adaptaram a arma par utilização nos seus carros de combate leves M3 e M5.

A União Soviética adquiriu vários destes canhões à Alemanha e posteriormente produziu a sua própria versão.
Os soviéticos no entanto, optaram por fazer uma modificação na arma para o calibre 45mm. Esse calibre, foi o calibre standar da infantaria soviética e esteve ao serviço em versões adaptadas para carros de combate (T-26, BT-5, BT-7) e para automóveis blindados da familia BA-6.

Os japoneses introduziram o modelo Type-98, que era uma cópia quase exacta da peça alemã e também desenvolveram uma versão para utilização nos seus tanques leves Type-95.


 
   
---