Loading

170mm Koksan L/60
Artilharia de médio/longo alcance

Fabricante: North Korean State Industries
Função principal: Artilharia de médio/longo alcanceCalibre: 170mm
Cadência de tiro: 1 disparos p/min.Alcance à superficie: 40Km
Alcance Anti aéreo: 0KmElevação máxima: 70º
Peso da munição: 60KgPeso do sistema: 6000Kg
Nr. de canhões: 1Tripulação: 12

 

Utilizado pelos seguintes veículos:
Artilharia Auto propulsada - Koksan (M1978 / M1989)


Não é clara a origem desta arma, embora a maioria dos analistas afirme que se trata de uma peça de artilharia naval soviética.
No entanto, a marinha da União Soviética não utilizou armas deste calibre. A seguir à II guerra mundial, os maiores navios soviéticos a utilizar artilharia de grosso calibre foram os cruzadores da classe Kirov e mesmo esses tinham instalada uma bataria de peças de 152mm.

Este facto é ainda mais interessante, já que implica que a Coreia do Norte desenvolveu a sua própria capacidade para modificar peças de artilharia e conceber outras novas.

Estima-se que pelo menos 500 unidades desta arma tenham sido construidas em fábricas da Coreia do norte.

A arma pode disparar projecteis normais a distâncias de até 40km. Existe munição assistida que se estima terá capacidade para atingir alvos a 50km e munição com apoio de foguete, que poderá atingir alvos a 60km mas com uma carga explosiva relativamente reduzida. Cada projetil deverá pesar 60kg e a carga standard para atingir 40km deverá rondar os 45kg.

Os pesos e cargas são estimados, tendo como base sistemas com características equivalentes, como é o caso do americano M107, que esteve ao serviço na Coreia do Sul a partir de 1971, embora em quantidades relativamente reduzidas (50 entraram ao serviço).

A arma aparenta ter um cano com cerca de 10m ou seja, 60 vezes o calibre. Como acontece normalmente com este tipo de arma, espera-se que os canos se desgastem ao fim de uma centena de disparos. À medida que vão sendo feitos disparos em situações de exercício, a vida útil da arma vai sendo reduzida.


Chuva de fogo sobre Seoul

Esta peça de artilharia tem sido muito referida quando a Coreia do Norte lança os seus já tradicionais gritos de guerra contra o Sul, prometendo mares de fogo sobre a capital sul coreana.

Análises recentes, têm no entanto apontado para as necessidades básicas de uma unidade equipada com este tipo de armamento.
As cargas e s munições são dificeis de manusear e têm que ser transportadas a distâncias consideráveis, caso contrário, ter demasiada munição concentrada num só local torna-se demasiado perigoso.
Com o nível actual dos sistemas de radar, é possível determinar com exactidão onde se encontram os sistemas.
Presentemente existem armas de precisão relativamente baratas como as SDB, que podem ser lançadas por aviões em território sul coreano e que podem atingir com uma precisão enorme qualquer ponto a até 100km de distância.

A Coreia do Sul possui uma capacidade considerável em termos de artilharia auto-propulsada e tem uma muito maior capacidade de movimentação.

Estima-se que a Coreia do Norte perdesse cerca de 1% da sua capacidade inicial de fogo a cada hora que passasse desde o inicio de um confronto. A somar a isto estão os tradicionais problemas técnicos que sempre afligem as armas. Sabe-se que no último ataque real, apenas 25% das munições norte-coreanas explodiram.

O Koksan é por isso, muito mais uma arma de efeito dissuasor que uma arma com real capacidade para destruir uma cidade.


 
   
---