Mísseis do mesmo tipo:
MIM-104A/B «Patriot»
Míssil antiaéreo
MIM-104C/D «Patriot PAC-2»
Míssil antiaéreo
MIM-104E «Patriot GEM-T»
Míssil antiaéreo

MIM-104C/D «Patriot PAC-2»
Míssil antiaéreo


Fabricante: Raytheon Systems
Função principal: Defesa anti-missil
Alcance: 160km Velocidade: 5500km/h
Tipo de ogiva : Alto Explosivo / pre fragmentadaPeso da ogiva : 84Kg.
Peso total: 900KgComprimento: 5.18 M.
Diâmetro: 410mmSistema orientação: Radar / TVM (Track Via Missile)

 

Sistemas de armas que utilizam este míssil:


Os mísseis do sistema Patriot PAC-2 foram utilizados pela primeira vez em 1990 quando várias baterias deste sistema foram enviadas para a Arábia Saudita para defender forças americanas colocadas naquele país como parte de uma força multinacional que pretendia expulsar as tropas iraquianas do Koweit.

Aparentemente foram utilizados também mísseis PAC-1 e o desenvolvimento dos mísseis PAC-2 estavam ainda num estágio de desenvolvimento e pré produção, pelo que os mísseis não parecem ter tido uma boa performance.

Ainda hoje continua por se saber qual a eficácia efectiva que os mísseis Poatriot tiveram contra os Scud, pois alguns dos mísseis iraquianos parecem ter sido de facto atingidos, mas sendo um míssil bastante volumoso, o Scud desintegrava-se em várias partes, algumas das quais podiam caír sobre áreas habitadas e causar vítimas.

Acredita-se que os melhoramentos dos mísseis dop sistema Patriot PAC-2 foram melhorados tendo em consideração as lições do conflito do golfo.



Durante a segunda guerra do golfo em 2003, as forças dos Estados Unidos dispuseram mais uma ves os seus mísseis Patriot PAC-2 e aparentemente com muito maior sucesso que durante o primeiro conflito.

Nessa altura foi utilizada a última versão do míssil MIM-104 GEM-T, um míssil Patriod MIM-104D modernizado com um kit de baixo custo que modifica o software de controlo do míssil e permite a sua utilização perante novas ameaças.

Informação genérica:
A família de mísseis Patriot foi desenvolvida nos Estados Unidos nos anos 70. Inicialmente o míssil deveria complementar os sistemas Hawk modernizados, além dis mísseis Nike-Hercules.
A fraca mobilidade dos sistemas Nike-Hercules e Hawk era um problema de dificil resolução que acabou por levar os norte-americanos a concluir pela necessidade da sua substituição.

A concepção inicial do sistema ficou pronta em 1965, e o sistema ficou conhecido como SAM-D. Nessa altura teve inicio um longo processo de estudo e análise das necessidades do exército dos Estados Unidos. A especificação final pedia uma arma quase de Ficção-Ciêntifica para a altura, pedindo um míssil com capacidde para interceptar mísseis balísticos de curto alcance.

O contrato final foi assinado em 1967 com a empresa Raytheon e com a Hazeltine que desenvolveu um sistema IFF, a Martin-Marietta que desenvolveu o sistema de lançamento e componentes exteriores do míssil e com a Thiokol que forneceu o motor.

Os atrasos continuaram e em 1974 o projecto foi revisto, tendo-se na altura determinado que o seu sistema de controlo utilizaria o conceito TVM «Track Via Missile».

Embora a especificação exigisse um sistema muito facil de transportar e apenas com dois veículos, o continuo desenvolvimento do sistema durante os 70 levou a que no final da década a configuração standard exigisse oito veículos lançadores e três veículo para o sistema de radar e de controlo.

O primeiro contrato para o fornecimento de equipamentos de série só foi assinado em Outubro de 1980 e o primeiro sistema só foi declarado operacional, em 1984, equipado com os mísseis Patriot MIM-104A.

Porém o Patriot MIM-104A tinha apenas capacidade para atacar aeronaves e não era optimizado para a função anti-míssil.

Entre 1986 e 1988 começaram os primeiros desenvolvimentos, no sentido de adaptar o míssil com o objectivo de atacar mísseis balísticos de curto alcance com um projecto conhecido como «Patriot Advanced Capability». Em Setembro de 1986 um Patriot modificado atinge com sucesso um míssil «Lance».

Um segundo desenvolvimento do sistema, conhecido como Patriot PAC-2 foi autorizado em 1988.

O mísseis Patriot MIM-104B e MIM-104C foram utilizados na primeira guerra do golfo em 1990. Baterioas destes mísseis foram instaladas na Arábia Saudita e em Israle. Os resultados não foram porém satisfatórios.
Sabe-se hoje que o principal problema não teve a ver com os mísseis mas sim com o sistema de gestão de dados, que ligado ao radar, dispunha de um software que não permitia interpretar correctamente os dados, reduzindo dramáticamente a capacidade dos mísseis para interceptar alvos múltiplos.

Várias modificações foram efectuadas e não só foram lançados novos modelos do MIM-104, como além disso foram disponibilizados kits de modernização que permitem converter os mísseis mais antigos e adapta-los aos novos sistemas e ao software redesenhado para as novas ameaças.

   
---