Mísseis do mesmo tipo:
Tamir Mk.I
Míssil antiaéreo

Tamir Mk.I
Míssil antiaéreo


Fabricante: RAFAEL - A.D.A.
Função principal: Defesa Anti-Aérea
Alcance: 17km
Precisão: 2m
Velocidade: 2520km/h
Tipo de ogiva : Alto Explosivo / pre fragmentadaPeso da ogiva : 11Kg.
Peso total: 90KgComprimento: 3 M.
Diâmetro: 160mmSistema orientação: Radar semi-activo / Infravermelhos na fase final

 


O Tamir, é o míssil interceptor do sistema de defesa anti-aérea Iron Dome. Ele foi concebido para atingir em pleno voo, foguetes de artilharia, mas pode igualmente ser utilizado contra aviões. Neste último caso o alcance do míssil pode atingir os 70km.

Em teoria, o sistema pode ainda ser utilizado contra as ogivas de projeteis de artilharia de 155mm.

Estima-se que cada bataria do sistema Iron Dome equipada com o Tamir, pode defender uma área de 150km quadrados.

O que caracteriza o Tamir, é a sua capacidade para identificar a posição dos alvos de forma a poder dirigir-se na direção do foguete alvo.

Custo
Tratando-se de um sistema destinado a interceptar alvos relativamente baratos, o custo do Tamir e a sua relação custo/beneficio têm sido contestados. Valores de custo unitário para cada míssil têm sido referidos entre €23.000 e €77.000. O valor mais comum é o de €38.000.

O fabricante defende-se das acusações de alto custo, afirmando que o Tamir é mais barato que os alvos que poderiam ser atingidos pelos foguetes lançados pelo Hamas, Hezbola ou pelo regime iraniano.

Informação genérica:
O sistema de mísseis «Arrow», começou a ser concebido por Israel a partir da primeira guerra do Golfo em 1989, quando Israel foi atacado por mísseis Scud lançados pelo regime de Saddam Hussein, durante a operação «Tempestade no Deserto» para libertar o Koweit.

Na altura, o ataque contra Israel foi uma forma de tentar afredir Israel, para que este país respondesse, destruindo assim a precária unidade entre vários países que tinham acordado com uma operação militar para libertar o Koweit.

Na altura, uma das formas de garantir que Israel não prosseguia na sua tradicional politica de retaliação, foi a instalação de sistemas de mísseis Patriot em território israelita. Esses sistemas, sabe-se hoje, sofriam na altura de vários problemas de desenvolvimento e a sua eficácia foi mínima.

Não querendo depender de sistemas estrangeiros, e perante a potencial ameaça de mísseis balísticos lançados a partir de territórios hostis, os israelitas iniciaram um programa de desenvolvimento do seu próprio sistema, para responder às suas necessidades e para garantir a Israel e capacidade de se defender de ataques de mísseis balísticos como o «Scud» ou seus derivados.

Os primeiros mísseis Arrow, podem ser considerados como prótotipos de desenvolvimento. A primeira versão do Arrow, aparece na forma do «Arrow-I» que foi pela primeira vez testado em 1995. No ano seguinte, o Arrow-I efectuou pela primeira vez um míssil balístico.

A versão Arrow-II aparece em 1998, com o primeiro teste a ocorrer em 1999. A arma tornou-se oficialmente operacional a 14 de Março de 2000 quando a primeira bateria de duas baterias «Arrow» foi declarada operacional.
O apoio dos Estados Unidos foi importante para custear parte dos custos com o desenvolvimento do sistema.

O Arrow-II foi testado em 2003, com o lançamento de mísseis contra uma ameaça de sete mísseis balísticos. Durante os testes, os mísseis Arrow-II destruíram seis dos sete mísseis balísticos utilizados como alvo.

A colaboração entre Israel e os Estados Unidos, tem sido aproveitada pelos norte-americanos, no desenho do sistema THAAD, que se destina ao mesmo tipo de função do sistema Arrow-II.

Em 2009, várias notícias apontam para que esteja em estudo uma terceira versão do míssil Arrow, conhecida como Arrow-III.
O novo míssil, caracteriza-se por utilizar um veículo interceptor exoatmosférico em vez de uma ogiva explosiva.


IRON DOME

Embora não diretamente ligado ao sistema Arrow, Israel também desenvolveu o sistema Iron Dome (cúpula de ferro) que se destina originalmente a interceptar foguetes de artilharia de curto alcance e mesmo projeteis de artilharia de pelo menos 155mm, embora também se fale na capacidade de atingir projeteis de morteiro de 120mm.

O Iron Dome utiliza o míssil Tamir, especialmente desenvolvido pela RAFAEL para permitir a identificação em voo de alvos. O míssil pode ser utilizado contra foguetes de curto alcance e projeteis de infantaria mas também pode ser utilizado contra aviões.

   
---