Navios deste tipo:

Caldas
Contra torpedeiro
Vouga
Contra torpedeiro

Listar navios do tipo
Contra torpedeiro


Portugal
Contra torpedeiro classe
Vouga
(tipo Vouga)
Vouga

Dados principais Motores
Deslocamento standard: 1219 Ton
Deslocamento máx. : 1563 Ton.
Tipo de propulsão: Turbina a vapor
Comprimento: 96 M - Largura: 9.5M
Calado: 5.7 M.
2 x Turbinas acopladas tipo Parsons ()
3 x Caldeiras (oleo) Vosper Thornicroft (33000cv/hp)
Tripulação / Guarnição: 160 Autonomia: 9700Km a 15 nós - Nr. Eixos: 2 - Velocidade Máxima: 36 nós

Canhões / armamento principal
4 x Vickers Defence 120mm/45 QF Mk. IX/XII (m.1928) (Calibre: 120mm/Alcance: 15Km)
3 x Bofors / BAE Systems 40mm /L60 Mod Mk.V Mod 1944 (1x) (Calibre: 40mm/Alcance: 7.2Km)
2 x Bofors / BAE Systems 40mm /L70 Mod.1958 (2 x) (Calibre: 40mm/Alcance: 12Km)

Radares
- ALENIA-Marconi MLA-1b (Pesquisa aérea - Al.med: 126Km)

Sonares
- N/D 164B Mod.1950 (ASDIC) / Pesquisa activa/ataque


Forum de discussão

A principal realização do plano naval de 1930, que prevía a constução de oito contra-torpedeiros.

Trata-se de navios relativamente modernos para a época, mas que ficaram desactualizados com a segunda-guerra mundial, pois não possuiam meios eficazes para luta anti-submarina.

Duas unidades foram vendidas à Colombia, no entanto, as unidades construídas não cumpriram o objectivo do programa naval (oito navios), tendo sido constuidos apenas sete (sendo dois deles vendidos).

Capazes de atingir 36 nós, e tendo atingido 36,65 a 37 nós durante os testes, os contra-torpedeiros da classe Vouga, continuam até hoje a ser os mais rápidos navios de guerra principais que estiveram ao serviço da marinha de guerra portuguesa.

As características referidas, são para os navios após a sua modernização nos anos 50. As características originais são as descritas para os contra-torpedeiros da classe Caldas da marinha da Colômbia.


O NRP Vouga, no museu da marinha em Lisboa


Informação genérica:
Tipo de navio inspirado num desenho britânico, do qual se constuiram 7 unidades, sendo cinco para Portugal e duas para a Colombia.

Os navios foram montados em Portugal, mas o mais correcto seria afirmar que foram montados pois a maior parte das peças foram pré-fabricadas na Grã Bretanha. A sua construção, num país que alguns anos antes tinha chegado ao que se chamou de «Zero naval» acabou por ser um sucesso.

A Colombia adquiriu duas das unidades que foram montadas em Portugal, quando numa situação de emergência o governo daquele país solicitou à Grã Bretanha a possibilidade de venda de navios.

A venda dos navios entretanto construidos por Portugal foi proposta pelos próprios britânicos às autoridades portuguesas.


Na imagem abaixo o contra-torpedeiro Vouga após a II guerra mundial, já com a instalação de radar concluida. Notar a nova designação D334.


   
---