Navios deste tipo:

Sindhughosh / 877
Submarino de ataque (SSK)
Rais
Submarino de ataque (SSK)
Tareq / 877
Submarino de ataque (SSK)
Yuanzheng 66 / 636
Submarino de ataque (SSK)
Kilo / 636
Submarino de ataque (SSK)
Sarov / 20120
Submarino de ataque (SSK)

Listar navios do tipo
Submarino de ataque (SSK)

Notícias relacionadas
Índia procura comprar mais submarinos



India
Submarino de ataque (SSK) classe
Sindhughosh / 877
(tipo Kilo)
Kilo

Dados principais Motores
Deslocamento standard: 2325 Ton
Deslocamento máx. : 3076 Ton.
Tipo de propulsão: Propulsão diesel/electrica
Comprimento: 72.6 M - Largura: 9.9M
Calado: 6.6 M.
1 x Motor a Diesel economic (130cv/hp)
2 x Motor a Diesel MT-168 / backup (204cv/hp)
2 x Motor a Diesel 4-2A4-42M (3650cv/hp)
1 x Motor eléctrico (4.34MW)
Tripulação / Guarnição: 52 Autonomia: 11000Km a 7 nós - Nr. Eixos: 1 - Velocidade Máxima: 18 nós

Misseis
Sistema de lançamento Kilo-VA111-TT(6)SS-Nx-27 «Sizzler» / 3M54E10 x Novator SS-Nx-27 «Sizzler» / 3M54E1 (Anti-navio)

Sonares
- Soviet State Factories MG-519 / Pesquisa activa/ataque
- Soviet State Factories MGK-400 / 400EM «Rubikon» / Pesquisa passiva/ataque

Outros sistemas electrónicos
- UZEL MVU-119 / Murena (Sistema de gestão de dados combate)


Forum de discussão

A Índia foi o primeiro cliente internacional para submarinos da classe Kiilo, e era em 2007 o maior operador deste tipo de navio.

A encomenda inicial colocada no inicio dos anos 80 foi para seis unidades, mas o pedido foi posteriormente aumentado para 10 unidades.

Alguns dos navios indianos foram submetidos a modernizações segundo o padrão EKM, e sofreram modificações em estaleiros na Russia, calculando-se que entre as modificações está a substituição dos motores.

Parte dos navios indianos mais antigos foram também modificados de forma a poderem lançar mísseis através dos seus tubos lança-torpedos. Os mísseis são os SS-N-27 e até 2005 tinham sido modernizados os submarinos nos. 55, 57, 58, 59, 60 e 64.

Foram também substituidas as baterias russas por outras de origem alemã, com maior tempo de vida útil.

Os navios indianos podem mergulhar até uma profundidade de 300M.

Os navios entregues a partir do Sindhuvir, passaram a ter capacidade para lançamento de mísseis anti-aéreos SA-N-8, que no entanto apenas podem ser utilizados quando o submarino está à superfície.

Nota:
Os navios indianos submetidos à modernização para o padrão EKM, têm prestações superiores ao modelo inicial.


Informação genérica:
Os submarinos do tipo «Kilo» são navios convencionais, com propulsão a Diesel que foram desenhados ainda no periodo da antiga União Soviética, para substituir os navios da classes «Foxtrot» (55 unidades), «Tango» (18 unidades) e «Whiskey» (105 unidades) , os quais derivavam directamente dos projectos alemães do período da II Guerra Mundial.

Os «Kilo» dividem-se em várias séries diferentes que têm entre si consideraveis diferenças.

O primeiro dos «Kilo» que são classificados como submarinos de patrulha, é conhecido como projecto 877.

Os modelos 877M, em serviço na Rússia, têm capacidade para o lançamento de torpedos filoguiados.

Projecto 636
Em meados dos anos 80, o soviéticos começaram a estudar modificações no projecto 877, introduzindo modificações e tecnologia mais moderna e actualizada, mas principalmente um sistema de propulsão menos ruidoso. O novo modelo é conhecido como projecto 636.

Entre as vantagens dos submarinos da classe Kilo está a elevada capacidade para resistir a perfurações no casco, pois o submarino pode continuar a flutuar e não se afundar, mesmo que um compartimento tenha sido completamente afundado.

Entre as desvantagens, estão as baterias de origem russa, que têm sido uma constante fonte de problemas para os submarinos convencionais deste país.

A modernização de submarinos tem continuado, com a adição de novos sistemas e a última versão do modelo, é conhecida como projecto 636M «Varshavianka»

Modernização EKM
Em 1998, várias empresas russas desenharam um numero de modernizações para aplicar aos submarinos do tipo Kilo do modelo 877 que ficou conhecido como «EKM», resultando daí a referência 877-EKM. Entre as principais modificações, está a alteração dos motores Diesel, que passaram a ser de um modelo mais recente e que produz muito menos ruido. Outra das diferênças reside também no facto de com a modernização se subsituir o sistema de combate mais antigo pelo novo sistema de combate M-119/Murena.

Notar que a modernização EKM, transforma um submarino do modelo 877 mais antigo, em equivalente aos modelos Kilo/636.

Notar que por causa do ruido emitido pelos motore a Diesel, todos os submarinos da classe Kilo, contam com motores adicionais a Diesel de baixa pot~encia e mais silenciosos, destinados a mover o submarino a baixa velocidade em caso de emergência, reduzindo o ruido. Pela sua dimensão, baixo consumo e reduzido ruido eles podem em teoria equivaler ao efeito dos submarinos equipados com sistemas AIP.

No entanto, ao contrário do que algumas vezes é referido, os submarinos da classe Kilo não estão equipados com uma sistema de propulsão independente do ar, nem têm possibilidade de ser modificados para o receber sem alterações muito grandes a todo o projecto..

Tal desenvolvimento encontra-se em estudo para a versão mais recente de submarinos do tipo Lada / Amur. também conhecidos como projecto 677/1650. No entanto, em meados de 2011 o projecto «LADA» foi abandonado.

Project 20120
Uma das derivações do Kilo parece ser o projecto conhecido como 20120 ou «Sarov». É aparentemente um projecto experimental russo do qual se conhece muito pouco. As especulações apontam para a possibilidade de se tratar de uma experiência para tentar construir um submarino de propulsão nuclear de dimensões reduzidas, com um reactor nuclear que alimenta baterias.


   
---