Navios deste tipo:

U-212A
Submarino de ataque (SSK)
Salvatore Todaro
Submarino de ataque (SSK)

Listar navios do tipo
Submarino de ataque (SSK)

Notícias relacionadas
Depois da Suécia a Itália
Itália encomenda mais dois U-212



Italia
Submarino de ataque (SSK) classe
Salvatore Todaro
(tipo U212)
U212

Dados principais Motores
Deslocamento standard: 1450 Ton
Deslocamento máx. : 1830 Ton.
Tipo de propulsão: Gerador AIP - Celulas de combustível
Comprimento: 55.9 M - Largura: 7M
Calado: 6 M.
Profundidade: 300 M
Numero de tubos: 6
1 x Motor a Diesel MTU / PILLER (4242cv/hp)
9 x Gerador AIP - Celulas de combustível Siemens Sinavy BZM-34 (306KW)
1 x Motor eléctrico Siemens Permasyn (2.85MW)
Tripulação / Guarnição: 27 Autonomia: 14000Km a 8 nós - Nr. Eixos: 0 - Velocidade Máxima: 20 nós

Misseis
Sistema de lançamento U212TTHarpoon RGM 84D4 x Boeing Harpoon RGM 84D (Anti-navio)

Torpedos
- 16 x ALENIA-Marconi IF-21 Blackshark - sistema de lançamento: lançadores U212TT

Radares
- Kelvin Hughes KH-1007 (F) (Navegação - Al.med: 37Km)

Sonares
- Atlas Elektronik GmbH DBQS-40 / Pesquisa activa/passiva

Outros sistemas electrónicos
- Kongsberg MSI-90U (Sistema de gestão de dados combate)


Forum de discussão

A Italia encontrava-se nos finais dos anos 80 numa fase de design e especificação para uma nova familia de submarinos destinada numa primeira fase a substituir os submarinos do tipo Sauro.
Os problemas enfrentados pelos italianos com o desenvolvimento do novo navio, levou a que considerassem a aquisição de um projecto já pronto e negociaram com a Alemanha a construção de dois submarinos da classeU-212A

Os submarinos U-212A italianos são idênticos aos seus congéneres alemães, excepto onde se introduziram soluções italianas, como por exemplo no caso dos torpedos, que no caso italiano serão os rotpedos Tigershark, em vez do DM2A4 alemães.


Informação genérica:
O submarino do tipo U-212 é inspirado nos projectos do grupo Thyssen que tiveram origem nos anos 70 e que resultaram em vários modelos distintos, de entre os quais se destacam os submarinos fornecidos à Argentina do tipo TR-1700.
Outra grande modificação no projecto resultou no modelo «Dolphin» de submarinos em utilização pela marinha de Israel.

Finalmente, o projecto da Thyssen, com grandes modificações e já depois da consolidação da industria alemã de construção naval, viu as suas linhas redesenhadas e recebeu um sistema de propulsão independente do ar que utiliza células de combustível.
(Tanto o TR-1700 como o Dolphin são tratados separadamente).

O U-212 mantém no entanto grande parte do layout desenhado nos anos 70, com seis tubos para lançamento de torpedos e uma quantidade muito considerável de espaço interno, que permite aumentar a autonomia do navio.

Os submarinos do tipo 212 e derivados, são os primeiros submarinos operacionais da história a dispor de um sistema de propulsão independente do ar (sem recurso à energia nuclear).
A tentativa de criar esse sistema começou nos anos 70, mas entretanto ficou claro que naquele momento tal sistema ainda não tinha atingido a maturidade. Foi preciso aguardar até ao inicio dos anos 90 para que os testes e experiências com baterias de hidrogénio começassem a resultar.

A marinha da Alemanha, que tinha planos para a aquisição de 12 unidades, foi reduzindo drasticamente os pedidos, ficando numa primeira fase limitada a quatro unidades.

A marinha da Italia, que procurava um novo submarino e enfrentava nos anos 90 problemas complicados com o seu desenvolvimento, acabou por concordar em adquirir a licença de fabrico para duas unidades do U-212, que foram construidos em estaleiros italianos.

Apenas as marinhas destes dois países optaram pelo sistema. A Alemanha anunciou já a sua opção pela aquisição de mais duas unidades.


   
---