Dados sobre países utilizadores:


Listar veículos do tipo
Carro de combate pesado



Veículos idênticos ou relacionados:


M60-A1 Patton
Carro de combate pesado

M60-A2
Carro de combate pesado

M60-A3 TTS
Carro de combate pesado

Magach 7C
Carro de combate pesado

Zulfiqar
Carro de combate médio

M60 «SABRA»
Carro de combate pesado

M60-120S
Carro de combate pesado

 

Acontecimentos relacionados
Guerra do Yom Kippur

Notícias relacionadas
Principio do fim para o tanque M-60

M60-A3 TTS
Carro de combate pesado (Chrysler Corporation)
M60-A3 TTS

Projeto: Chrysler Corporation
Estados Unidos da América
Dimensões
Comprimento
Comprimento máximo
Largura
Altura
Altura máxima
6.95
9.44m
3.631m
3.27M
Peso vazio
Peso / combate
Cap. Carga
Reboque
48.684t
52.617t
N/disponivel
N/disponivel
Motor / potência / capacidades
Motor
Potência
Vel. maxima
Terr. Irregular
AVDS-1790-2C 12cyl
750cv
48 Km/h
30 Km/h
Tração
Tanque combustivel
Autonomia
Tripulação
Lagartas
1420 Litros
480Km
4
60º
30º
1.2M
2.59M
0.91M

Armamento básico
- 1 x 105mm M68 (Calibre: 105mm - Alcance estimado de 4.4Km a 4.4Km)
- 1 x 12.7mm Browning M2 (Calibre: 12.7mm - Alcance estimado de 1.5Km a 2.4Km)
- 1 x 7.62 M60E (Calibre: 7.62mm - Alcance estimado de 1.2Km a 3.7Km)
Sistema de radar auxiliar:

País: Arabia Saudita
Designação Local:M-60A3
Qtd: Máx:500 - Qtd. em serviço:450
Situação: Em serviço
Operacionalidade:
O M-60, embora relativamente antiquado, continua a ser o mais utilizado dos carros de combate da Arábia Saudita, representando 80% dos veículos que estão ao serviço.
Muitos dos M-60A3 da Arábia Saudita, são veículos que os Estados Unidos enviaram para o golfo pérsico, durante a operação de libertação do Koweit.


Forum de discussão

O M60-A3, é um desenvolvimento do carro M60-A1 que por sua vez é um desenvolvimento com base no M48-A2, do qual herdou muitos componentes. Muitos dos componentes foram fabricados pela Chrysler.

O M-60A3 não apresenta alterações exteriores de monta relativamente às características base do M60-A1 com motor e rodas motrizes atrás, condutor à frente à esquerda.
Os modelos diferem no entanto dos M60-A1 pela inclusão de um sistema computadorizado de controlo de tiro, telémetro a laser e sistema NBC. Muitos dos M60-A3 receberam um sistema térmico de visão que permite o combate nocturno chamado Tank Thermal Sight. Os carros com este sistema são conhecidos como M60-A3 TTS.

Os M60-A3 não são novas construções mas sim reconstruções de M60-A1 mais antigos modificados para o padrão mais recente.
Embora ainda haja vários modelos deste tipo operacionais, o M-60A3 é neste momento considerado um veículo obsoleto.

O desenvolvimento desta versão teve inicio na primeira metade da década de 1970, mas foi resultado de um lento processo de pequenas modificações que foram sendo feitas ao longo dos anos.
A soma destas modificações acabou por resultar numa viatura com características muito superiores ao M60-A1, o que levou o exército a dar-lhe uma nova designação.

Os primeiros carros com esta designação entraram ao serviço em 1978, com uma torre com blindagem melhorada uma nova metralhadora coaxial, um telemetro a laser, e o que para a altura era um sofisticado computador para cálculo de tiro que aumentou muito a probabilidade de acerto ao primeiro tiro. A arma principal também recebeu uma manga térmica para dificultar a identificação do veículo por sistemas detetores de calor e foi incluido um gerador de fumaça, para envolver o carro de combate em fumo em situações de emergência.

Esse sistema gerador de fumo, dava uma vantagem ao M60A3 porque pouco depois, foi incluido o sistema AN/VSG-2(TTS) de visão térmica, que passou a permitir a utilização do M60 em combate nocturno em em ambientes de fumo e neblina.
A introdução deste sistema único, deu ao M60-A3 TTS, uma superioridade clara sobre todos os carros de combate da década de 1970, inclusivé os tanque T-72 soviéticos, embora estes últimos tivessem uma blindagem superior, especialmente na parte frontal do chassis e da torre.

Foram entregues cerca de 5.000 exemplares do M60-A3. Desses, cerca de 3.000 resultaram da reconversão de M60-A1 mais antigos, enquanto que 2.000 exemplares foram encomendados novos.

Defeito mortal
Um dos mais graves problemas detectados em combate nos carros da família M60, bem como no M-48, foi o sistema hidraulico de rotação da torre e elevação do canhão, o qual no caso de a torre ser danificada, e os sistema hidraulico atingido, produzia um spray de líquido inflamável a alta temperatura que queimava a tipulação.
Em Israel, modificações efectuadas no sistema, com a introdução de um equipamento electrico, resolveram o problema.

Informação genérica:
Familia de veículos de combate com origem no periodo imediatemente seguinte à II guerra mundial, que se desenvolve a partir dos tanques Pershing e Patton.

As origens do M60 encontram-se por isso no desenvolvimento ainda durante a II guerra do carro de combate M26 «Pershing», que fora desenhado com o objectivo de se superiorizar a qualquer tanque alemão.
Os norte-americanos nunca deixaram de melhorar e aperfeiçoar o conceito, pelo que ainda na década de 1940 surgiu a série M-46/ M-47 e durante a década de 1950 a série M48. A série M60 começou a ser concebida ainda em 1956.

Nessa altura, a grande profusão de viaturas blindadas que estavam ao serviço nas forças armadas americanas e europeias levou a um esforço de reorganização de que ressaltou a decisão de fazer alterações na estrutura das unidades blindadas. Decidiu-se desenvolver apenas um tanque leve, um tanque médio e abandonar o tanque pesado (M103) substituindo-o por uma uma versão melhorada do M48.

As viaturas de série M26 / M46 são discutidas neste link.
Enquanto que as viaturas do tipo M47 / M48 são discutidas neste link.

Em meados da década de 1950, também tinha sido conhecida a entrada ao serviço do novo tanque T-55 soviético, equipado com uma nova arma de 100mm e uma blindagem de até 200mm na torre.

Isto tornava inuteis os canhões de 75mm dos tanques leves e tornava muito dificil utilizar eficazmente os canhões de 90mm dos tanques médios.

Embora a concepção de um tanque completamente novo fosse considerada, essa opção demoraria muito tempo. Como os T-54 e T-55 estavam já nas linhas de montagem, era forçoso partir do já existente M48 para a partir daí desenhar uma arma eficaz para derrotar a ameaça.

O projeto de novo tanque, tomaria a forma do MBT-70, uma cooperação entre a Alemanha e os Estados Unidos, que só daria frutos na década de 1980.

O canhão britânico L7 de 105mm, podia ser adaptado na torre do M48, o que facilitava o desenvolvimento.
Aliás, os testes do novo canhão foram feitos em três M48 modificados.

O M60, utilizaria um motor a Diesel em vez do motor a gasolina do M48 e os testes do modelo experimental terminaram em 1959, com uma primeira encomenda por parte do governo americano de 180 exemplares.

A versão do M48, com o novo canhão de 105mm passou também a ser designada M48-A5 e passou a constituir uma opção de exportação. Em termos de poder de fogo e electrónica o M48-A5 era idêntico ao M60-A1.

M-60
Versão original que entrou ao serviço em 1960. Caracterizava-se pela sua superior blindagem quando comparado com o M48 mas principalmente pela introdução do canhão L7 de 105mm que era superior até ao canhão de 115mm do tanque T-62 soviético.

M60-A2
Resultado da obsessão com a tecnologia por parte da administração Kennedy e do secretário da defesa Robert McNamara, o M60-A2 utilizava um tipo de torre e armamento revolucionário, que no entanto mostrou não ser tão eficiente quanto o canhão L7 de 105mm.

M60-A3
Durante a década de 1970, com o aparecimento dos tanques da família T-64 e T-72, o M60 ficou em desvantagem.
Foi então decidido implementar um programa de modernização que incluiu novos sistemas electrónicos e capacidade para combate nocturno.


Versões mais recentes

Mais recentemente, o M-60 foi completamente modificado e apresentado quase como um novo tanque pela General Dynamics com o tanque 120S.

Também Israel que utilizou muitos destes carros de combate, desenvolveu o SABRA, outra versão muito modificada do M-60 que também foi vendida para para a Turquia.

A linha de montagem do M60 deixou de fornecer carros de combate para o exército americano em 1985, mas continuou ao serviço durante vários anos, para garantir o fornecimento de uma encomenda de carros de combate deste tipo para o exército egipcio, que pretendia substituir a grande quantidade de viaturas T-55 que tinha ao serviço.