Dados sobre países utilizadores:


Listar veículos do tipo
Carro de combate pesado

Veículos idênticos ou relacionados:


Merkava Mk 1
Carro de combate pesado

Merkava Mk 2
Carro de combate pesado

Merkava Mk 3
Carro de combate pesado

Merkava Mk 4
Carro de combate pesado

Namer APC
Veículo de Combate de Infantaria

 

Merkava Mk 2
Carro de combate pesado (IMI - Israel Military Industries)
Merkava Mk 2

Projeto: IMI - Israel Military Industries
Israel
Dimensões
Comprimento
Comprimento máximo
Largura
Altura
Altura máxima
7.45
8.63m
3.7m
2.65M
Peso vazio
Peso / combate
Cap. Carga
Reboque
58t
63t
N/disponivel
N/disponivel
Motor / potência / capacidades
Motor
Potência
Vel. maxima
Terr. Irregular
Teledyne/Continental AVDS-1790-6A V12
900cv
46 Km/h
25 Km/h
Tração
Tanque combustivel
Autonomia
Tripulação
Lagartas
1250 Litros
400Km
4
70º
38º
1.38M
3M
0.95M

Armamento básico
- 1 x 105mm L-7 (Calibre: 105mm - Alcance estimado de 4.4Km a 4.4Km)
Sistema de radar auxiliar:


Forum de discussão

O Merkava Mk.2 resultou da análise do comportamento da versão Mk.I na guerra no sul do Líbano, onde os carros de combate de Israel entraram em combate com os T-72 sirios.

Embora o comportamento tenha sido excelente, foram sendo adicionadas algumas alterações. O perfil da torre do Merkava Mk.II é ligeiramente diferente do perfil da versão Mk.I. E esta versão incluiu uma metralhadora adicional para utilização anti-aérea, depois de se ter notado que a maior queixa e o maior medo dos soldados israelitas era serem alvo dos helicópteros anti-tanque dos sírios, sem que fosse possivel atingi-los.

Mais tarde, a introdução de capacidade para disparar mísseis, foitambém uma consequência desta análise.

Informação genérica:
Os veículos Merkava, nasceram da necessidade premente de Israel obter veículos blindados modernos, e de se tornar independente da possibilidade de boicotes internacionais de armamentos, numa área considerava vital pelos estrategas de Israel.

Quando em 1973 na guerra do Yom Kipur, se tornou evidente que os modelos de tanques em serviço eram relativamente frágeis perante as novas armas portáteis anti-tanque do tipo LGF (Lança Granada-Foguete) como o RPG-7 o projecto do Merkava, passou a ser considerado como da maior prioridade.

O objectivo era produzir um carro de combate que seguisse a tradição dos tanques britânicos, com pesada blindagem, abrindo mão da velocidade, até porque num país tão pequeno como Israel não há espaço para grandes movimentações defensivas.

O Merkava, incluiu também a possibilidade de transportar um pequeno grupo de infantaria de três homens.
Para transportar a infantaria, o motor teve que ser colocado na frente paqra permitir o acesso ao veículo através de uma porta traseira por onde os infantes podem entrar ou saír, sem ter que utilizar os acessos na torre onde ficam muito mais expostos.

Alguns tanques foram modificados para permitir transportar mais macas e pessoal médico, mas isso foi conseguido removendo metade da munição carregada 24

O Merkava sofreu alterações e modificações nos anos seguintes, tendo como objectivo aumentar a sua blindagem e capacidade de combate.
A versão Mk.II foi lançada com algumas modificações ao nivel da blindagem, e com uma metralhadora adicional para defesa antiaérea.

Mais radicais foram as modificações introduzidas na versão Mk.III porque um novo motor e um novo canhão com calibre 120mm e uma torre com controlo electrico substituindo o controlo hidraulico constituiram alterações significativas.

Até 2007, a última modificação significativa do Merkava, é a versão Mk.IV.

Nessa versão, é mantida a mesma peça de 120mm, mas têm lugar consideraveis modificações na blindagem, nomeadamentecom o perfil da torre, destinado a permitir resistir mesmo aos mais modernos dispositivos anti-tanque.

No entanto, e embora a blindagem do veículo seja excelente, ele não é invulneravel, como ficou claro durante o conflito no Líbano, onde algumas unidades foram destruidas por explosivos colocados no solo.
Embora alguns veículos Merkava tenham sido danificados por armas anti-tanque, eles foram recuperados, o que demonstra a sua qualidade de construção.

Mas o facto de alguns terem de facto sido colocados fora de combate, leva a que presentemente (2007) as autoridades militares de Israel, considerem a possibilidade de não prosseguir com maiores desenvolvimentos neste veículo.