Dados sobre países utilizadores:


Listar veículos do tipo
Caça-tanques

 

Rooikat / 105
Caça-tanques (BAE Systems / Land systems S.A.)
Rooikat / 105

Projeto: BAE Systems / Land systems S.A.
África do Sul
Dimensões
Comprimento
Comprimento máximo
Largura
Altura
Altura máxima
7.09
8.2m
2.9m
2.8M
Peso vazio
Peso / combate
Cap. Carga
Reboque
26t
28t
N/disponivel
N/disponivel
Motor / potência / capacidades
Motor
Potência
Vel. maxima
Terr. Irregular
V-10
563cv
120 Km/h
50 Km/h
Tração
Tanque combustivel
Autonomia
Tripulação
Oito rodas motrizes
N/disponível
1000Km
4
70º
30º
1.5M
2M
1M

Armamento básico
- 1 x 105mm L-7 (Calibre: 105mm - Alcance estimado de 4.4Km a 4.4Km)
Sistema de radar auxiliar:


Forum de discussão

O Rooikat 105, é idêntico ao veículo Rooikat que começou a ser desenhado na África do Sul em meados dos anos 80.

Para entender a necessidade deste veículo temos que entender a situação em que se encontrava a África do Sul em meados dos anos 90. A cada dia era evidente o aumento do poder bélico das forças Cubanas em Angola, bem assim como de unidades do MPLA, que embora não aproveitassem correctamente as vantagens que os seus equipamentos davam, criavam sérios problemas às forças sul africanas.

Os tanques Olifant, eram demasiado lentos para as necessidades da África do Sul, se fosse necessário efectuar operações rápidas de inflitração e os pequenos RATEL, equipados com um canhão de baixa pressão de 90mm eram considerados demasiado frágeis para as necessidades.

Assim, o Rooikat é um veículo quase único no mundo, porque pretende ser um carro de combate com capacidade para enfrentar tanques pesados, que lhe foi inicialmente conferida pelo canhão de 76mm de muito alta velocidade que podia vencer a blindagem dos tanques de fabrico soviético, T-55 e T-62.

Posteriormente, o fabricante introduziu a versão equipada com uma torre com um canhão derivado do L-7 britânico, chamado GT-7 que tem vindo a ser proposta pela BAE Systems South Africa.

O Rooikat foi desde o inicio fornecido com equipamentos de telemetria modernos, como telemetro a laser, dispositivos de visão nocturna e computador balístico integrado. A torre é completamente electrica e pode disparar vários tipos de armamento anti-tanque de energia cinética e de alto explosivo.

A principal e mais evidente vantagem do Rooikat é a sua excelente prestação na estrada, que lhe permite deslocar-se a grandes distâncias e a grande velocidade. Ele pode andar apenas com tracção 4x4, o que lhe dá uma enorme superioridade táctica, pois uma força equipada com este tipo de arma pode chegar a qualquer lugar, antes de uma força equipada com tanques pesados, e pode deslocar-se de forma a evitar uma força mais poderosa.

Embora a África do Sul utilize a versão equipada com canhão de 76mm, até ao momento não houve vendas da versão equipada com canhão de 105mm.

No entanto, nunca é demais lembrar que o Rooikat não é um verdadeiro tanque e que a sua blindagem não pode resistir ao impacto directo de tiros de calibres superiores a 30mm.

Informação genérica:
-

Caça-tanques
Podemos considerar que o conceito de veículo caça-tanques tem a sua origem no termo alemão «Panzerjager» (literalmente caça-blindados) e que foi desenvolvido durante a II Guerra Mundial com o objectivo explicito de reduzir a superioridade blindada soviética em termo de números.

O conceito alemão de caça-tanques aplica-se normalmente a carros de combate (vulgo tanques) adaptados para utilizar uma arma de maior calibre colocada directamente sobre o chassis em vez de instalada numa torre com deriva de 360 graus.
Esse conceito derivou – e foi uma adaptação – do conceito de canhão de assalto que também partia do mesmo principio, só que com a colocação de uma arma principal de baixa velocidade que disparava munição explosiva, mais adequada contra infantaria ou posições fortificadas.

Praticamente todos os principais tanques alemães da II Guerra Mundial (Panzer-I/II/III/IV/V/VI e VI-B) tiveram a sua versão caça-tanques e os soviéticos também adaptaram o conceito, produzindo versões caça-tanques dos seus carros de combate T-34 e KV-1.

Os norte-americanos, que tinham feito experiências antes da guerra sem resultados práticos, desenvolveram a sua própria doutrina para a utilização de veículos caça-tanques a partir de 1940 após a invasão da França. Como rapidamente se verificou que as experiências até ali desenvolvidas eram insuficientes, desenvolveu-se uma doutrina em que os «Tank-Destroyers» estavam levemente armados e tinham a velocidade como o seu principal argumento. A teoria não resultou por várias razões, de entre as quais se destaca o facto de os chassis utilizados serem de tanques M4-Sherman que acabavam não sendo tão rápidos quando seria desejavel. Os norte-americanos acabaram por abandonar a ideia de unidades de caça-tanques, embora tenham continuado a utilizar os veículos em operações combinadas.

O conceito modernizado

Curiosamente, o conceito de caça-tanques evoluiu de tal forma que já no final do século XX voltaram a aparecer viaturas que adaptaram o conceito norte-americano de caça tanques, desenvolvendo viaturas rápidas mas fracamente blindadas. Por isso há modelos de viaturas mais modernas que também cabem nesta designação, embora ela tenha muito mais que ver com a doutrina de cada força.

Ao contrário dos caça-tanques segundo o conceito alemão e soviético da II Guerra Mundial, os actuais seguem o conceito e doutrina americana.
Isto faz com que na prática o conceito de «caça-tanque» se confunda com a viatura pesada de reconhecimento, que seguindo um conceito parecido, tem alta mobilidade (normalmente é uma viatura sobre rodas) mas pode atacar em caso de necessidade carros de combate pesados do inimigo, embora com riscos elevados.

Exemplos desse tipo de utilização dual, são o Panhard EBR que curiosamente estava armado com uma arma derivada da que equipava o carro de combate alemão Panther e o caça-tanques Panzerjager-IV.
O conceito também se confunde com o de «tanque leve».

Presentemente e seguindo este conceito são comercializadas várias viaturas do tipo, tanto nos Estados Unidos (Striker) como na Rússia (Sprut-SD) e na Europa (Centauro), China (PTL-02) e África do Sul (Rooikat).