Dados sobre países utilizadores:


Listar veículos do tipo
Carro de combate médio



Veículos idênticos ou relacionados:


T-64
Carro de combate médio

T-64BV
Carro de combate médio

BMP-64
Veículo de Combate de Infantaria

T-84 «Oplot»
Carro de combate médio

T-84 120 «Yatagan»
Carro de combate médio

T-64E
Carro de combate médio

 

T-64
Carro de combate médio (Transmash - Omsk)
T-64

Projeto: Transmash - Omsk
Russia
Dimensões
Comprimento
Comprimento máximo
Largura
Altura
Altura máxima
6.54
9.2m
3.6m
2.17M
Peso vazio
Peso / combate
Cap. Carga
Reboque
39.5t
42.4t
N/disponivel
N/disponivel
Motor / potência / capacidades
Motor
Potência
Vel. maxima
Terr. Irregular
5DTF multifuel
750cv
60 Km/h
30 Km/h
Tração
Tanque combustivel
Autonomia
Tripulação
Lagartas
N/disponível
500Km
3
50º
30º
1.4M
2.8M
0.8M

Armamento básico
- 1 x 125mm 2A26 (Calibre: 125mm - Alcance estimado de 0Km a 0Km)
Sistema de radar auxiliar:

País: União Soviética
Designação Local:T-64
Qtd: Máx:8000 - Qtd. em serviço:0
Situação: Retirado
Operacionalidade:
A URSS foi o único comprador to tanque T-64. Além de ser mais sofisticado que os restantes veículos blindados da URSS, o T-64 foi considerado demasiado complicado e caro e essa foi a principal razão dos estudos que posteriormente levarão ao desenvolvimento do T-72.

Com o fim da União Soviética os tanques T-64 foram divididos essencialmente entre a Rússia e a Ucrânia


Forum de discussão

O T-64 constituiu uma tentativa de produzir um carro de combate moderno, efectuando um corte com o anterior modelo T-55 / T-62. Uma das mais distintas característica do T-64, era o seu novo sistema de suspensão, com seis pequenas rodas, bastante diferente do que até ali tinha sido comum desde o T-34 ao T-62. O tanque também possuia um sistema de carregamento automático, que reduziu a tripulação para apenas 3 homens.

A produção do T-64 foi autorizada em 1966, com base no projeto 432, armado com um canhão de 115mm (T-64R), mas a produção em série foi atrasada por causa de muitos problemas com a transmissão e com a fiabilidade de muitos sistemas.
A versão definitiva do T-64, já com peça principal de 125mm, o T-64A só foi aceite em Maio de 1968.

O T-64 incorporava vários sistemas que eram novidade no exército soviético e entre esses contavam-se movimentação elétrica da cupula dentro da torre, um novo sistema de deteção de incendios e um motor multifuel.

Mísseis disparados por um tanque
Desde o inicio do projeto, ainda no final da década de 1950, que os engenheiro russos quiseram introduzir a capacidade de disparar mísseis, porque se temia que Nikita Kruchev ( que já tinha ordenado o cancelamento da produção de tanques pesados), mandasse acabar com a produção de tanques médios.

Sabendo que Krutchev tinha especial apetência por mísseis porque os considerava a arma do futuro, os engenheiros russos pensaram que um tanque que lançasse mísseis seria visto por Krutchev como uma arma de futuro, garantindo assim que os carros de combate médios não seriam cancelados.

A blindagem na torre do T-64A era relativamente simples, incluia uma cavidade, entre placas de aço que era cheia com aluminio. Esta solução apresentava uma ligeira vantagem contra projeteis HEAT, embora na realidade, contra projeteis perfurantes, fosse idêntica à to T-72, mais barato. A blindagem de 205mm, tinha uma espessura equivalente a 410mm, contra munição perfurante.

O míssil Kobra de 125mm foi aceite para utilização a partir do canhão do T-64A, em 1975 e entrou ao serviço em 1976.

O T-64, é na prática o carro de combate que posteriormente resultou no T-80, (embora também tenha influenciado o T-72) e foi o principal e mais sofisticado carro de combate soviético durante o final dos anos 60 e anos 70. Ele introduziu o novo canhão de 125mm que posteriormente passou a ser standard nos vários carros de combate soviéticos, além de nova e mais sofisticada blindagem e sistemas electro-ópticos de controlo de tiro e pontaria.

A primeira grande modernização do T-64A resultou no T-64B

Informação genérica:
A família T-64 foi uma família de veículos blindados soviéticos, onde se tentaram introduzir as novas técnologias em desenvolvimento na URSS durante os anos 60, com o objectivo de garantir que a URSS teria o mais sofisticado carro de combate no teatro de guerra na Europa. O T-64 foi produzido nas fábricas soviéticas de Omsk e também na Ucrânia.

Já na década de 1960, ainda em desenvolvimento, o T-64 era o mais sofisticado carro de combate soviético.
O T-64 inaugurou a blindagem composta por várias camadas de material, inaugurou um novo armamento principal de 125mm que se viria a tornar standard no exército soviético, entre outras sofisticações que também acabaram por tornar o veículo numa solução cara.

O rápido desenvolvimento da tecnologia, levou a que logo em 1976 tenha sido lançado o T-64B, que se caracterizou pelos novos sistemas ópticos capacidade para combate nocturno.

Na totalidade foram produzidos 16.000 tanques T-64 nas suas várias versões.
O T-64 não chegou a ser exportado, por ser complexi, caro e complicado de manter, além de caro de operar.

O aparecimento do Abrams americano com motor de turbina. Levou os soviéticos a pedir um carro de combate com essa capacidade, o que acabou levando a uma derivação do T-64, conhecida como T-80.


Com o fim da União Soviética a produção do T-64 ficou na Ucrânia, enquanto que na Rússia os T-64 foram rapidamente retirados de serviço ou relegados para utilizações secundarias.

Ucrânia

Com o fim da URSS a fábrica de Karkhiv, viu-se de repente sem a sua ligação umbilical aos gabinetes de design de tanques de Moscovo e passou a desenvolver sozinha os seus próprios carros de combate, fabricados na fábrica de Malyshev.

O T-84 Oplot, é assim o T-80 com modificações introduzidas pelos ucranianos, com o objectivo de melhorar o T-80 transformando-o num tanque mais resistente e ao mesmo tempo mais económico.

Também foram desenvolvidas versões mais modernas do T-64, com blindagem reactiva e novos sistemas ópticos.

VBCI

Uma viatura de combate de infantaria foi apresentada em 2012, sob a designação BMP-64. Trata-se de uma versão muito modificada do carro T-64, com o motor colocado à frente, sem torre e com capacidade para transportar uma secção de infantaria no compartimento de transporte.

Em 2011, foi apresentada a mais recente versão do T-64, conhecida como T-64E.