Dados sobre países utilizadores:


Listar veículos do tipo
Carro de combate pesado

 

AMX-56 «Leclerc»
Carro de combate pesado (Giat Industries / NEXTER)
AMX-56 «Leclerc»

Projeto: Giat Industries / NEXTER
França
Dimensões
Comprimento
Comprimento máximo
Largura
Altura
Altura máxima
6.88
9.87m
3.71m
2.53M
Peso vazio
Peso / combate
Cap. Carga
Reboque
50.5t
54.5t
N/disponivel
N/disponivel
Motor / potência / capacidades
Motor
Potência
Vel. maxima
Terr. Irregular
SACM V8X Hyperbar
1500cv
71 Km/h
35 Km/h
Tração
Tanque combustivel
Autonomia
Tripulação
Lagartas
1300 Litros
550Km
3
60º
30º
1M
3M
1.25M

Armamento básico
- 1 x 120mm CN-120/52 (Calibre: 120mm - Alcance estimado de 6.5Km a 6.5Km)
Sistema de radar auxiliar:


Forum de discussão

O carro de combate Leclerc foi desenvolvido pelas industrias GIAT como substituto do carro de combate AMX-30B2. O seu desenvolvimento iniciou-se em 1983, tendo os primeiros protótipos sido terminados em 1989, tendo o primeiro veículo de produção sido entregue ao exército francês em 1993.

O casco do Leclerc é modular e constituido por várias camadas de blindagem Uma das suas mais interessantes características é que os projectistas do Leclerc, ao contrário da maioria dos carros de combate dos países ocidentais, optaram por incorporar um sistema de carregamento automático do armamento principal, o que reduziu a tripulação do tanque de quatro para apenas três.

Além do condutor do veículo que se senta à frente à esquerda, os outros dois tripulantes instalam-se na torre. O comandante e o artilheiro, não havendo municiador. O sistema de alimentação automático do canhão, dispõe de 22 munições prontas para disparar, de um total de 40 que são transportadas. A cadência máxima de disparos pode atingir 10 disparos num minuto com o veículo parado e 6 disparos por minuto com o veículo em movimento.

O tanque possui ainda uma metralhadora 12,7mm colocada na torre e operada por controlo remoto.

O Leclerc possui suspensão hidropneumática, sistemas automáticos de supressão de fogo e tem capacidade para transportar um tanque de combustível adicional.

O Leclerc é grosso-modo equivalente em termos de valor militar a outros sistemas europeus como o Leopard-2, o Challenger ou o Ariete italiano. O fim da Guerra Fria, levou a que fossem reduzidas as unidades operacionais e o numero de carros de combate necessários.

O Leclerc, é no entanto considerado demasiado complexo e sofisticado para as necessidades. Para manter os veículos operacionais segundo os padrões NATO, a necessidade de manutenção continua que esses padrões exigem, leva a que a se tenha reduzido consideravelmente o numero de carros de combate efectivamente disponíveis.

Embora os carros de combate Leclerc tenham vindo a sofrere modificações e mopdernizações ao nível dos seus sistemas de c ombate, parte dos veículos não foi submetida a modernizações estando em depósito, aguardando futuras necessidades.

No final de 2009 as autoridades francesas terão proposto vender à Colombia um numero entre 30 e 40 unidades deste carro de combate, após efectuar uma modernização que tornasse os veículos operacionais.

Informação genérica:
-

Blingadem reactiva não explosiva «NERA»
A blindagem reactiva não explosiva, utiliza um principio parecido ao da blindagem reactiva tradicional, com a diferença de o elemento central entre as duas placas que constituem a «sanduiche» não conterem nenhum elemento explosivo mas sim um elemento inerte como por exemplo um tipo de borracha que reage na presença do fluxo de metal produzido por uma munição de ogiva deformavel. Esta reação aumenta a espessura da protecção na área do impacto, reduzindo assim o efeito da carga.
Este tipo de blindagem é no entanto eficas apenas contra munição de ogiva deformável (ou de energia química) e não tem utilidade contra munição de energia cinética (perfurante de alta velocidade).