Dados sobre países utilizadores:


Listar veículos do tipo
Artilharia Auto propulsada

 

G-6 «Rhino»
Artilharia Auto propulsada (Denel)
G-6 «Rhino»

Projeto: Denel
África do Sul
Dimensões
Comprimento
Comprimento máximo
Largura
Altura
Altura máxima
9.2
10.4m
3.4m
3.3M
Peso vazio
Peso / combate
Cap. Carga
Reboque
43t
47t
N/disponivel
N/disponivel
Motor / potência / capacidades
Motor
Potência
Vel. maxima
Terr. Irregular
Diesel
525cv
85 Km/h
30 Km/h
Tração
Tanque combustivel
Autonomia
Tripulação
Seis rodas motrizes
N/disponível
700Km
6
60º
30º
1M
1M
0.45M

Armamento básico
- 1 x 155mm T6 L/52 (Calibre: 155mm - Alcance estimado de 33Km a 42Km)
Sistema de radar auxiliar:

País: África do Sul
Designação Local:G-6
Qtd: Máx:43 - Qtd. em serviço:43
Situação: Em serviço
Operacionalidade:
A África do Sul utiliza o sistema G-6 desde 1988, ainda a tempo de entrar no conflito no Sul de Angola em Cuito Cuanavale em apoio de forças da África do Sul e da UNITA que combatiam tropas cubanas. O alcance superior do G-6 e a sua mobilidade foram da maior importância para o resultado do conflito.


Forum de discussão

Desenhado nos anos 80 com base no sistema de artilharia rebocado G-5, o G-6 foi durante nuito tempo e de longe o mais sofisticado e eficiente sistema de artilharia autopropulsada em operação e com provas dadas em situações reais de conflito.

O G-6, é um casamento entre o grande alcance do canhão G-5 e um sistema de locomoção capaz de percorrer grandes distâncias num reduzido espaço de tempo, quer em terreno irregular quer em estrada.

Ao colocar um canhão de 155mm numa plataforma sobre rodas, normalmnte vista como um meio menos eficaz por poder prejudicar a estabilidade, os sul africanos tentaram criar uma arma que pudesse ser transportada com rapidex e operar em áreas onde fosse necessário, em uincursões rápidas, retirando de seguida, aproveitando a sua excepcional velocidade.

Concebido a pensar na savana africana, em áreas com terra seca e dura, o G-6 ultrapassou o problema da estabilidade, com a colocação de «sapatas» hidraulicas que são baixadas automaticamente sempre que o equipamento é preparado para disparar.

O sistema G-6, é considerado um dos mais capazes sistemas de artilharia autopropulsada do mundo, ultrapassando quer os sistemas de concepção russa quer o americano M-109, mesmo na suas versões mais recentes.
Em termos de alcance efectivo o único equipamento que pode contestar o G-6 é o PzH-2000 alemão, que detem em 2007 o record de alcance, que retirou ao G-6.

Embora a desvantagem do sistema de propulsão 6x6 não se note em terrenos desérticos e na Savana africana, o mesmo não ocorre em cenário onde houver terreno pantanoso ou acidentado. Nestes dcenários o G-6 tem fraca mobilidade e não pode competir com sistemas baseados em lagartas.

O G-6 foi testado pela Índia em 2005, para uma possível compra de 280 unidades, mas a aquisição foi cancelada, embora o G-6 tenha sido instalado num chassis de tanque T-72 e num chassis de Arjun.
Os resultados não parecem ter sido satisfatórios e a Índia decidiu posteriormente efectuar uma análise completa sobre as suas necessidades de meios autoprpulsados de artilharia.

Informação genérica:
-

Munição assistida (base bleed)
O termo munição assistida, é utilizado para designar projecteis de artilharia que utilizam um sistema que consiste na colocação de uma secção adicional na parte posterior do projectil, a qual queima durante o trajecto produzindo um pequeno jacto.
Este pequeno jacto não tem qualquer utilidade na força propulsora do projectil, mas vai impedir que se crie vacuo, (resultado da alta velocidade do projectil) que aumenta o coeficiente de arrasto e torna o projectil mais lento.
Com a supressão do vácuo através deste sistema, o alcance dos projecteis de artilharia pode ser aumentado de 20 a 30%.
A desvantagem desta solução, decorre da necessidade de colocar menor carga explosiva no projectil para garantir espaço para o combustível que vai ajudar na propulsão.