Dados sobre países utilizadores:


Listar veículos do tipo
Viatura táctica Ligeira

Veículos idênticos ou relacionados:


Bantam BRC-40
Viatura táctica Ligeira

MB «JEEP»
Viatura táctica Ligeira

GaZ-67B
Viatura táctica Ligeira

M- 38A1 «JEEP»
Viatura táctica Ligeira

M-151 «MUTT»
Viatura táctica Ligeira

 

MB «JEEP»
Viatura táctica Ligeira (Ford)
MB «JEEP»

Projeto: Ford
Estados Unidos da América
Dimensões
Comprimento
Comprimento máximo
Largura
Altura
Altura máxima
3.33
n/disponivel
1.57m
1.77M
Peso vazio
Peso / combate
Cap. Carga
Reboque
1247kg
1500kg
300Kg
N/disponivel
Motor / potência / capacidades
Motor
Potência
Vel. maxima
Terr. Irregular
442 Go-Devil 2.2L
60cv
89 Km/h
35 Km/h
Tração
Tanque combustivel
Autonomia
Tripulação
Quatro rodas motrizes
57 Litros
600Km
2+1
60º
30º
0.45M
0M
0M

Sistema de radar auxiliar:


Forum de discussão

Este é por definição o modelo de «Jeep» standard. Ele é o resultado da junção de características dos três projectos que foram apresentados ao exército dos Estados Unidos em 1940

O Jeep MB foi o resultado de um pedido das forças armadas norte-americanas, datado de 7 de Julho deu 1940 ao qual respondeu a Willys-Overland, a Ford e a empresa American Bantam.

Na verdade tinha sido a Bantam a tentar vender a ideia ainda antes do inicio do conflito e só a queda da França convenceu os militares americanos.

Os três concorrentes apresentaram os seus projetos (todos eles baseados na viatura da Bantam) e posteriormente envolveram-se numa guerra pela produção da viatura para os militares americanos.

Após terem sido produzidos vários modelos tanto da Bantam como da Ford cmo da Willys, foi decidido uniformizar a produção para fornecer apenas um único modelo de viatura.

Só um ano depois de os três fabricantes terem produzido os seus modelos, é que se chega à versão standard do Jeep.

Tanto a Ford quanto a Willys produzirão a mesma viatura. A Willys produzirá o Willys MB enquanto que a Ford fabricará o Ford GPW.

Embora as duas viaturas apresentassem ligeiras diferenças entre si, todos os componentes eram intercambiaveis.

O modelo standard MB continuou a ser encomendado pelos militares americanos até 1952, altura em que o MB foi substituido pelo M38-A1.

Willys: 362.841
Ford: 281.448
No total, foram produzidos entre 1941 e 1945 um total de 647.870 veículos.
Após a guerra a Willys produziu mais 346.000 unidades até substituir o M-38 pelo M-38A1

Informação genérica:
O JEEP, é nos dias de hoje uma expressão que designa normalmente uma viatura todo o terreno, com algum tipo de parecença com o modelo que se tornou familiar durante a II guerra mundial

A designação genérica de JEEP, teria resultado das das iniciais «GP» que foi interpretada como significando «General Purpose», um veículo para utilizações gerais e que podia ser utilizado para uma grande variedade de tarefas As iniciais «Gee + pee» acabaram por se juntar numa palavra que se tornou sinónimo de veículo todo o terreno.

No entanto, o exército dos Estados Unidos nunca utilizou a expressão para designar viaturas.
Considera-se que GP foram letras reservadas aos primeiros modelos de produção da Ford, que representaram menos de um por cento do total de Jeeps produzidos.

Embora o termo Jeep seja utilizado de forma genérica, apenas alguns veículos podem de facto ser apresentados ou como Jeeps ou como seus descendentes directos ou directamente associados.

O primeiro modelo foi o protótipo da Bantam que depois seria seguido por dois protótipos, um da Willys e outro da Ford. As duas empresas tinham recebido os planos da Bantam. Na imagem seguinte, os protótipos apresentados:


Depois de apresentados os protótipos, seguiram-se novos aprimoramentos e cada um dos três concorrentes recebeu uma encomenda para 1500 exemplares. Várias modificações foram introduzidas. O modelo da Willys por exemplo ficou mais de 100kg mais leve Na imagem seguinte os três modelos que foram produzidos.


Depois da produção de 1500 exemplares para cada fabricante, a Willys e a Ford receberam encomendas para os seus modelos, nomeadamente por razões de preço, tendo o modelo da Bantam sido afastado.

Só em 1942 é lançado o MB, a versão standard durante todo o resto da II guerra mundial.
O motor será o do Willys, mas a Ford vai contribuir com a grelha frontal com nove orificios verticais e com os farois protegidos.
Depois da guerra o modelo será conhecido como M38 e continuará em produção até 1952.

Nesse ano, é apresentado o M38A1, uma versão modificada com para choques e mesmo grelha frontal alterada.

Em 1960 aparece o substituto do JEEP com o MUTT, que é extremamente parecido, embora com modificações destinadas a garantir uma melhor estabilidade, entre as quais um centro de gravidade mais baixo.

A Willys lançou entretanto uma série de veículos conhecidos como CJ (civilian Jeep) conhecida como C-5 e que se distingue pela tampa do motor arredondada. Este modelo entrou ao serviço em forças armadas de vários países.

A versão original M-38 do jipe Willys foi copiada em vários países que adoptaram o conceito.

Em vários países foram desenvolvidos veículos que obedeciam ao mesmo conceito e que de alguma maneira tentaram copiar o Jeep e o conceito de uma viatura para todos os tipo de trabalho, que além de utilização militar poderia ter utilização civil.

Em vários países foram desenvolvidos veículos que seguiram este conceito e que de uma forma ou de outra podem ser considerados cópias do Jeep.

De entre elas destacam-se as seguintes:

Land Rover (Rover / Leyland)
Família de viaturas inicialmente inspiradas no Jeep que se transformou numa referência do todo o terreno

Austin Champ e Jipsy
Resposta da Austin britânica que concorreu com o Land Rover, também se inspirou no Jeep americano

GAZ / UAZ / Beijing
A União Soviética e posteriormente a China, também se inspiraram no Jeep para desenvolver uma viatura alternativa.

A União Soviética, que utilizou milhares de Jeep e produziu ainda durante a guerra um seu sucedâneo, desenvolveu posteriormente várias viaturas que obedeciam ao mesmo conceito, como os GAZ / UAZ e BJ-12 na China.

Cournil
Na França também se desenvolveram viaturas com o mesmo objetivo, embora com menos sucesso. O mais emblemático foi o Cournil, que posteriormente seria produzido em Portugal como UMM.

ARO/Portaro
Desenvolvido na Romenia com base no GAZ-69, o modelo ARO foi vendido em vários países do mundo e fabricado em países como Portugal ou Brasil.

Toyota Land Cruiser
No Japão durante a década de 1950 a Toyota lançou uma viatura claramente inspirada no Jeep que também se transformou num clássico. Este modelo no entanto derivo na década de 1980 para um grande todo o terreno de luxo.

LRDG
Os Long Range Desert Groups, eram agrupamentos militares do exército da Grã Bretanha e países da Comonwealth, destinados a operações atrás das linhas inimigas.

Este tipo de formação militar relativamente irregular teve origem em estudos realizados pelos britânicos ainda durante a I guerra mundial entre 1915 e 1917, quando os britânicos sentiram a necessidade de desenvolver uma força motorizada rápida e extremamente movel que pudesse ser utilizada no deserto.

Em 1925 o Major Ralp Bagnold inicia a criação de um grupo de civis e militares interessados na exploração do deserto, com base na cidade do Cairo.

A primeira viatura utilizada por estes grupos foi o Ford-T americano, muito apreciado pela sua robustez e ligeireza, além da largura das suas rodas, especialmente adequadas para o deserto.

Quando a II guerra começou e a Itália declarou guerra à Grã Bretanha em Junho de 1940, o comandante do Major Bagnold, deu ordens para a criação de seis grupos de exploradores para operação no deserto, criando-se assim as LRPU «Long Range Patrol Units» ou unidades de patrulha de longo alcance, que mais tarde receberam a designação LRDG, ou grupos de longo alcance do deserto.

O principal meio de locomoção destas unidades na primeira fase vão ser versões modificadas de camiões militares, que por sua vez vão derivar de viaturas comerciais desenvolvidas para o mercado civil.

Estas viaturas recebiam pontos fixos onde podiam ser acopladas metralhadoras ligeira. As viaturas eram camufladas nas cores do deserto e por se tratar de viaturas com tração apenas nas rodas traseiras, transportavam calhas e esteiras para facilitar a remoçao do veículo caso ficasse atolado na areia.

São vários os veículos utilizados nesta função, e dividem-se em três grupos:


Pilot Car - Viatura de comando, com capacidade para transportar aproximadamente 750kg de carga:



Ford 01/15CWT
Um dos primeiros carros de comando dos grupos do deserto, estava classificado como viatura de meia tonelada ou 3/4 de tonelada pela Ford.

Chevrolet 1311x3 / 15CWT
Versão de viatura de comando mais pequena e equivalente ao Ford 01. Esta viatura foi substituida pelo JEEP logo que o LRDG começou a receber esse tipo de veículo

Bantaam / Jeep Willys
A última viatura do tipo e a mais adequada para a função. Com tração 4x4 e um consumo de 15.6 litros a cada 100km (6.4km/litro) ele tinha uma autonomia considerável embora tivesse um depósito de apenas 60 litros. O LRDG não teve prioridade para receber este tipo de viatura e só no final de 1942 começaram a ser recebidas em quantidade. Dadas as suas dimensões eles foram essencialmente utilizados como viaturas de comando


Patrol Truck - Utilizado para transporte de homens, mantimentos e combustível, era o principal veículo ao serviço destas forças especiais


Chevrolet WB / 30CWT
Versão modificada do veículo ligeiro/médio da Chevrolet WB

Ford F30 CMP / 30CWT
Este modelo, foi dos primeiros a ser entregue com tração às quatro rodas. Ele começou a substituir os primeiros Chevrolet WB. O consumo (40 litros a cada 100km, ou 2.5km/ litro) deste veículo era elevadíssimo o que o tornava pouco adequado para operações a longa distância.

Chevrolet 1533x2 / 30CWT
Construidos com base no camião Chevrolet YR de uma tonelada e meia, veio substituir o Chevrolet WB.
O consumo de quase 20.8 litros a cada 100km, ou 4.8km/litro embora elevado era inferior ao modelo da Ford.


Heavy section vehicles - Viaturas utilizadas para o transporte de equipamento pesado, que começou a ser utilizado a partir de 1941 / 1942.