Dados sobre países utilizadores:


Listar veículos do tipo
Carro de combate pesado



Veículos idênticos ou relacionados:


M60-A1 Patton
Carro de combate pesado

M60-A2
Carro de combate pesado

M60-A3 TTS
Carro de combate pesado

Magach 7C
Carro de combate pesado

Zulfiqar
Carro de combate médio

M60 «SABRA»
Carro de combate pesado

M60-120S
Carro de combate pesado

 

Notícias relacionadas
Americanos avisam Turquia

M60 «SABRA»
Carro de combate pesado (IMI - Israel Military Industries)
M60 «SABRA»

Projeto: IMI - Israel Military Industries
Israel
Dimensões
Comprimento
Comprimento máximo
Largura
Altura
Altura máxima
8.26
9.4m
3.63m
3.05M
Peso vazio
Peso / combate
Cap. Carga
Reboque
51t
55t
N/disponivel
N/disponivel
Motor / potência / capacidades
Motor
Potência
Vel. maxima
Terr. Irregular
Continental AVDS-1790-5A
900cv
48 Km/h
30 Km/h
Tração
Tanque combustivel
Autonomia
Tripulação
Lagartas
N/disponível
450Km
4
60º
30º
1.4M
2.6M
0.91M

Armamento básico
- 1 x 120mm L/44 - M256 (Calibre: 120mm - Alcance estimado de 2.5Km a 3.1Km)
Misseis / foguetes de artilharia
Sistema de radar auxiliar:

País: Turquia
Designação Local:M-60T / Sabra-III
Qtd: Máx:170 - Qtd. em serviço:170
Situação: Em serviço
Operacionalidade:
O exército da Turquia abriu um concurso internacional para a modernização de parte da sua grande frota de carros de combate M-60. De entre várias propostas, entre as quais a do tanque M-60-2000 ou «tanque 120S» da General Dynamics, surgiu como vencedor o Sabra.

Comparativamente com a proposta norte-americana a modernização SABRA é tão ou mais radical e custou cerca de 4 milhões de dolares a preços de 2002. O Sabra parece ter sido considerado mais eficiente que o seu equivalente «120S» da General Dynamics.
Espera-se que outros veículos M-60 turcos sejam convertidos para o padrão Sabra, sendo a industria Turca responsável pelas conversões.


Carro de combate Sabra, do exército turco. Notar a torreta com metralhadora 12.7mm que equipa o M-60A3 e que foi montada sobre a torre do Sabra.
As características so Sabra turco diferem das do Sabra de Israel.

No caso dos Sabra turcos, ao invés de utilizar o motor Continental AVDS-1790, é utilizado um motor alemão MTU-881 com uma potência de 1000cv. Esta potência permitirá manter performances idênticas ao modelo original, já que segundo algumas fontes, o Sabra turco, com a blindagem modular adicional pode atingir 59 toneladas.


Visão da parte traseira do Sabra turco, mostrando a tradicional grelha do motor.


Forum de discussão

O desenvolvimento do Sabra, é o resultado da necessidade por parte de Israel de modernizar a sua frota de carros de combate M-60A3, que foram ficando desactualizados.
Embora contando com carros de combate de primeira linha como os Merkavam Israel olhou para a modernização do M-60 como forma de continuar a possuir um numero consideravel de carros de combate pesado, sem que os custos disparassem.

Foram efectuadas várias modificações no M-60. Aproveitaram-se os desenvolvimentos de blindagem que tinham sido aplicados nas modernizações Maga-6 e Magach-7, a torre foi modificada, apresenta um melhor perfil balistico e dando à torre uma protecção mais eficiente.
Mais importante, foi a instalação de uma nova peça principal de 120mm, derivada do Rheinmetal L/44 alemão e fabricada em Israel.

Como é uso nos carros de combate israelitas, o Sabra também tem instalado um morteiro de 60mm de retrocarga.


SABRA-II
A IMI lançou posteriormente uma nova versão do tanque Sabra, que denominou de Sabra-II. Trata-se basicamente do mesmo veículo, com a possibilidade hoje em dia comum noutros tipos de veículos de adaptação de blindagem modular, adaptada às mecessidades especificas do campo de batalha, e que permite substituir blindagem destruida ou danificada com grande facilidade e sem ter que retirar o tanque para uma oficina de reparação.
Pode-se identificar o Sabra-II por causa do perfil da torre. Enquando que no Sabra-I a torre tem as laterais inclinadas até abaixo, no Sabra-II as faces laterais da torre oferecem um ângulo vivo, inflectindo depois para dentro. Este recurso, permite manter o perfil balístico, reduzindo ligeiramente o peso da torre.



Informação genérica:
Familia de veículos de combate com origem no periodo imediatemente seguinte à II guerra mundial, que se desenvolve a partir dos tanques Pershing e Patton.

As origens do M60 encontram-se por isso no desenvolvimento ainda durante a II guerra do carro de combate M26 «Pershing», que fora desenhado com o objectivo de se superiorizar a qualquer tanque alemão.
Os norte-americanos nunca deixaram de melhorar e aperfeiçoar o conceito, pelo que ainda na década de 1940 surgiu a série M-46/ M-47 e durante a década de 1950 a série M48. A série M60 começou a ser concebida ainda em 1956.

Nessa altura, a grande profusão de viaturas blindadas que estavam ao serviço nas forças armadas americanas e europeias levou a um esforço de reorganização de que ressaltou a decisão de fazer alterações na estrutura das unidades blindadas. Decidiu-se desenvolver apenas um tanque leve, um tanque médio e abandonar o tanque pesado (M103) substituindo-o por uma uma versão melhorada do M48.

As viaturas de série M26 / M46 são discutidas neste link.
Enquanto que as viaturas do tipo M47 / M48 são discutidas neste link.

Em meados da década de 1950, também tinha sido conhecida a entrada ao serviço do novo tanque T-55 soviético, equipado com uma nova arma de 100mm e uma blindagem de até 200mm na torre.

Isto tornava inuteis os canhões de 75mm dos tanques leves e tornava muito dificil utilizar eficazmente os canhões de 90mm dos tanques médios.

Embora a concepção de um tanque completamente novo fosse considerada, essa opção demoraria muito tempo. Como os T-54 e T-55 estavam já nas linhas de montagem, era forçoso partir do já existente M48 para a partir daí desenhar uma arma eficaz para derrotar a ameaça.

O projeto de novo tanque, tomaria a forma do MBT-70, uma cooperação entre a Alemanha e os Estados Unidos, que só daria frutos na década de 1980.

O canhão britânico L7 de 105mm, podia ser adaptado na torre do M48, o que facilitava o desenvolvimento.
Aliás, os testes do novo canhão foram feitos em três M48 modificados.

O M60, utilizaria um motor a Diesel em vez do motor a gasolina do M48 e os testes do modelo experimental terminaram em 1959, com uma primeira encomenda por parte do governo americano de 180 exemplares.

A versão do M48, com o novo canhão de 105mm passou também a ser designada M48-A5 e passou a constituir uma opção de exportação. Em termos de poder de fogo e electrónica o M48-A5 era idêntico ao M60-A1.

M-60
Versão original que entrou ao serviço em 1960. Caracterizava-se pela sua superior blindagem quando comparado com o M48 mas principalmente pela introdução do canhão L7 de 105mm que era superior até ao canhão de 115mm do tanque T-62 soviético.

M60-A2
Resultado da obsessão com a tecnologia por parte da administração Kennedy e do secretário da defesa Robert McNamara, o M60-A2 utilizava um tipo de torre e armamento revolucionário, que no entanto mostrou não ser tão eficiente quanto o canhão L7 de 105mm.

M60-A3
Durante a década de 1970, com o aparecimento dos tanques da família T-64 e T-72, o M60 ficou em desvantagem.
Foi então decidido implementar um programa de modernização que incluiu novos sistemas electrónicos e capacidade para combate nocturno.


Versões mais recentes

Mais recentemente, o M-60 foi completamente modificado e apresentado quase como um novo tanque pela General Dynamics com o tanque 120S.

Também Israel que utilizou muitos destes carros de combate, desenvolveu o SABRA, outra versão muito modificada do M-60 que também foi vendida para para a Turquia.

A linha de montagem do M60 deixou de fornecer carros de combate para o exército americano em 1985, mas continuou ao serviço durante vários anos, para garantir o fornecimento de uma encomenda de carros de combate deste tipo para o exército egipcio, que pretendia substituir a grande quantidade de viaturas T-55 que tinha ao serviço.

Blindagem modular
Este veículo pode utilizar blindagem modular.
Este tipo de blindagem consiste na possibilidade de adaptar - consoante as necessidades - módulos adicionais de blindagem ao veículo, que podem ser aplicados conforme seja considerado necessário pelas condições no terreno.
Os módulos de blindagem adicional podem ser aplicados mesmo no campo de batalha ou local onde os veículos estiverem em operação, sem necessidade de o remover para uma oficina. A blindagem é aplicada aparafusando os modulos adicionais à bindagem base.
Este tipo de blindagem, tanto pode ser adaptado a veículos blindados ligeiros sobre rodas, como a veículos blindados pesados.
As características da blindagem modular mudam consoante as técnologias utilizadas no seu fabrico, mas o conceito de blindagem modular é sempre o mesmo e a sua aplicação aos veículos também é idêntica.