Dados sobre países utilizadores:


Listar veículos do tipo
Artilharia Auto propulsada

Veículos idênticos ou relacionados:


PzH-2000
Artilharia Auto propulsada

 

PzH-2000
Artilharia Auto propulsada (KMW Kraus-Maffei Wegmann)
PzH-2000

Projeto: KMW Kraus-Maffei Wegmann
Alemanha
Dimensões
Comprimento
Comprimento máximo
Largura
Altura
Altura máxima
7.3
11.669m
3.58m
3.06M
Peso vazio
Peso / combate
Cap. Carga
Reboque
49t
55t
N/disponivel
N/disponivel
Motor / potência / capacidades
Motor
Potência
Vel. maxima
Terr. Irregular
MTU-881
1000cv
60 Km/h
45 Km/h
Tração
Tanque combustivel
Autonomia
Tripulação
Lagartas
N/disponível
420Km
5
50º
25º
1.2M
3M
1M

Armamento básico
- 1 x 155mm Rh-L52 (Calibre: 155mm - Alcance estimado de 5Km a 40Km)
Sistema de radar auxiliar:

País: Alemanha
Designação Local:PzH-2000
Qtd: Máx:185 - Qtd. em serviço:154
Situação: Em serviço
Operacionalidade:
O primeiro PzH-2000 entrou ao serviço no ano de 1998. Embora seja uma arma recente o exército alemão colocou 31 unidades na situação de reserva.


Forum de discussão

O PzH-2000 ou Óbus blindado em alemão, é presentemente o mais sofisticado sistema de artilharia em operação no mundo. Criado para substituir as versões alemãs do M-109, o PzH-2000 supera largamente as prestações do modelo norte-americano.

Utilizando o óbus L-52 de 155mm da Rheinmetal, o PzH-2000 utiliza um chassis derivado daquele utilizado plelo carro de combate principal Leopard-1.
O veículo pode receber protecção adicional com módulos de blindagem reactiva, que aumentam o peso e afectam a mobilidade do veículo, concedendo-lhe no entanto uma protecção mais eficiente.

Informação genérica:
O óbus auto propulsado PzH-2000 (Panzeraubitze ou Óbus blindado) foi apresentado pela primeira vez na Alemanha no inicio dos anos 90, tendo as primeiras unidades de pré-produção sido mostradas em 1995. Os primeiros veículos entraram ao serviço no exército da Alemanha em 1998.

Concebido pela Kraus-Maffei Wegmann, e utilizando um chassis baseado no carro de combate pesado Leopard-1, o PzH-2000 distingue-se pelo alcance da sua arma principal, que pode disparar munição standard a distâncias superiores a 30km.

Além do PzH-2000 foi igualmente estudada a possibilidade de instalação do sistema noutras plataformas.

Em 2008, um sistema derivado do PzH-2000, com a mesma peça de artilharia mas outro chassis mais leve foi apresentado pela KMW e pela Steyr-Daimler Puch, o braço europeu da General Dynamics.

Trata-se do «DONAR», um sistema que combina a arma da Rheinmetal e parte da torre do PzH-2000 com o chassis do veículo blindado austríaco ASCOD / ULAN.

Blindagem reactiva explosiva «ERA»
ERA, ou Exlplosive Reactive Armour, é um tipo de blindagem adicional que se coloca em veículos blindados cuja protecção mecânica ou blindagem é considerada insuficiente.

Os módulos de blindagem funcionam como uma sanduiche com duas placas de metal com um nucleao explosivo. Quando as placas de blindagem reactiva são atingidas por um projectil, elas explodem desviando o projectil da sua trajectória e impedindo que este impacte no casco do veículo protegido.
Este tipo de blindagem é mais eficiente contra os projecteis de carga oca, ou de ogiva deformável também conhecidos como projécteis de energia quimica, que se podem encontrar nos tracicionais RPG's/Bazooka/Panzerfaust.
O aumento da capacidade e calibre dos projecteis de energia cinética, que utilizam um perfurador de alta velocidade - nomeadamente os utilizados em canhões d ecalibre 120mm e superiores - conseguem no entanto perfurar a maior parte destas blindagens.
Problema com a validade do explosivo
Outro problema apontado a este tipo de blindagem, é o custo de reposição, uma vez que ao contrário das blindagems compostas, que incluem cerâmica e metal de alta densidade, a blindagem reactiva tem que ser substituida várias vezes durante o periodo de vida útil do veículo que protege.
Os dados conhecidos variam, mas há blindagens que devewm ser substituidas a cada três anos. Os valores mais comuns apontam para cinco anos. Não substituindo a blindagem reactiva explosiva, o explosivo pode não ser accionado, tornando-a completamente inútil.