Dados sobre países utilizadores:


Listar veículos do tipo
Carro de combate médio



Veículos idênticos ou relacionados:


Ti-67S «Tiran 5»
Carro de combate médio

Type-80 / 88
Carro de combate médio

T-55 AM-2
Carro de combate médio

Type-59 «Al Zarrar»
Carro de combate médio

M-55 S1
Carro de combate médio

T-55 M8A2 «Typhoon-2»
Carro de combate médio

 

Ti-67S «Tiran 5»
Carro de combate médio (IMI - Israel Military Industries)
Ti-67S «Tiran 5»

Projeto: IMI - Israel Military Industries
Israel
Dimensões
Comprimento
Comprimento máximo
Largura
Altura
Altura máxima
6.2
8.45m
3.27m
2.35M
Peso vazio
Peso / combate
Cap. Carga
Reboque
34t
36t
N/disponivel
N/disponivel
Motor / potência / capacidades
Motor
Potência
Vel. maxima
Terr. Irregular
Detroit Diesel 8V71T
609cv
48 Km/h
25 Km/h
Tração
Tanque combustivel
Autonomia
Tripulação
Lagartas
N/disponível
450Km
4
60º
40º
1.4M
2.7M
0.8M

Armamento básico
- 1 x 105mm M68 (Calibre: 105mm - Alcance estimado de 4.4Km a 4.4Km)
Sistema de radar auxiliar:

País: Israel
Designação Local:Tiran-4 / 5
Qtd: Máx:400 - Qtd. em serviço:126
Situação: Reserva
Operacionalidade:
Israel começou a utilizar os seus Tiran, pouco depois da guerra de 1967. Aliás, o veículo é normalmente referenciado como Ti-67, referenciando o ano em que o veículo entrou efectivamente ao serviço.

O Tiran-4 foi utilizado em operações de surpresa contra o Egipto em 1968.
O Tiran-5, só começou a ser incorporado mais tarde, pois em vez de modificações menores ele foi muito mais modificado.

Muitos dos T-55 que estiveram ao serviço, foram modificados para veículo de combate pesado de infantaria (Achzarit). Outros foram vendidos para países vizinhos, entre os quais alegadamente o Irão.
Durante os anos 90, foram exportados para o Uruguai.

Os relatórios internacionais continuam a apontar mais de uma centena de tanques T-67 como fazendo parte do efectivo, e estima-se que a existirem estão em situação de reserva.


Forum de discussão

Tendo capturado grande numero de carros de combate soviéticos durante as suas guerras com os vizinhos árabes, especialmente depois da guerra dos seis dias, em que foram capturadas centenas de carros de combate T-54/T-55 especialmente de origem egípcia e Síria, e considerando a falta de carros de combate com que os israelitas se debatiam, foi decido aproveitar o grande numero de veículos que foram capturados e adapta-los para utilização pelas forças armadas de Israel.

Israel colocou em serviço dois veículos:
- O Tiran-4 / Ti-67 (basicamente idêntico ao T-55 soviético, mas com ligeiras modificações na torre e com a colocação de uma plataforma na parte traseira da torre, onde se instalaram caixas para transporte de peças, mantimentos ou víveres, tentando assim ultrapassar o problema do acanhado interior do veículo.

- O Tiran-5 / Ti-67S, que às modificações anteriores, juntava uma torre armada com o canhão de 105mm de origem britânica L/7, que também equipava os tanques Centurion e M-48 do exército de Israel.
Neste caso foi também modificado o motor, sendo o motor original substituido por um motor a Diesel Detroit.

T-55
O Ti-67 «Tiran»: A versão israelita do T-55. Depois de ter sido retirado de serviço de primeira linha ele foi entregue a forças aliadas de Israel no Sul do Líbano e nos anos 80, algumas unidades foram vendidas ao Uruguai. Notar as projecções laterais e traseira da torre, que são caixas para a colocação de peças ou ferraqmentas. As caixas alteram o perfil do veículo evitando que se confunda com os T-55 árabes, tornando-a mais parecida com a torre do tanque Centurion em serviço em Israel.


Israel, para colocar ao serviço mais de 400 tanques do tipo, precisou de grande número de componentes que não tinha como produzir localmente. Sabe-se hoje que a principal fonte para o fornecimento de peças para o T-67 foi a industria da Romênia, que por causa das suas más relações com o Kremlin, apoiou Israel desde o final da década de 1960.

Informação genérica:
Carros de combate T-55 modernizados
O carro de combate T-55 foi o mais produzido tanque da União Soviética depois do mítico T-34 da II Guerra Mundial.

Relativamente fácil de produzir, o T-55 (e o quase gémeo T-54) transformou-se no tanque padrão de muitos dos países aliados da União Soviética e do Pacto de Varsóvia.

Esta situação levou a que o carro de combate se tornasse num dos mais disseminados em todo o mundo, dado existirem viaturas blindadas deste tipo em todos os continentes.

Tendo isto em consideração, várias industrias de vários países conceberam «kits» de repotenciamento e modernização dos tanques T-55, destinados a manter este carro de combate operacional e com alguma capacidade militar.

As várias modificações incluem desde novos módulos de blindagem a telemetria a laser, equipamento de visão nocturna e sistema computadorizado de disparo.

As primeiras modificações dos T-55 foram feitas por Israel, que capturou muitos veículos deste tipo.
Neste caso a alteração mais significativa foi a substituição do canhão de 100mm por um canhão de 105mm L/7 padrão nos países da NATO.

Depois da queda da URSS, vários países produziram as suas próprias adaptaçoes e modificações do T-55.

Entre as modificações mais conhecidas estão as que foram desenvolvidas na Eslováquia e na Eslovénia.
Outras modificações mais radicais ainda foram desenvolvidas pela Ucrania e pela China (ver abaixo).


Além das versões modificadas do T-55, também houve empresas que utilizaram a plataforma para produzir derivados, transformando o T-55 num veículo pesado de combate de infantaria, como é o caso do Achzarit , em serviço em Israel e do BTR-T que foi concebido pela fábrica russa Transmash de Omsk, embora não tenha sido colocado ao serviço de nenhum exército.

T-55 Jaguar
O T-55 «Jaguar» uma proposta norte-americana para a modernização do tanque russo. Ele recebeu uma peça de 105mm NATO, idêntica à dos tanques M-60, e uma torre completamente redesenhada. Um sistema de tiro Marconi foi adicionado juntamente com um sistema de estabilização da arma principal. O motor foi substituido por um Detroit Diesel 8V-92TA
Um T-55 americano
Entre as transformações mais exóticas, ainda que tecnicam,ente eficiente, foi a conversão fo T-55 apresentada no final dos anos 80 pela empresa norte-americana Cadillac-Gage:

O projecto chegou a ser proposto à China, que possuia um grande numero de veículos derivados do T-54/ T-55, mas não teve continuidade.

Outra empresa norte-americana, a General Dynamics, concebeu um kit de modernização que teve mais sucesso e qu eresultou na modificação conhecida como «Ramses-II» ao serviço no Egipto.

Programas de reconstrução

As mais poderosas adaptações do carro de combate T-55, são aquelas que incluiram a modificação do armamento principal de 100mm e o aumento da potência do motor.

As duas opções mais viáveis para a reconstrução do T-55 são a opção chinesa, que foi feita a partir do carro Type-59 (a versão chinesa to T-55) e a opção ucraniana, desenvolvida pela fábrica Kharkiv Morozov.

Esta última parece ser a mais radical de todas e é conhecida como AGM. Este kit, ou programa de modernização pode ser aplicado também a carros T-62.

A modificação AGM, implica substituição do armamento principal, motor, parte da transmissão, aumento da blindagem e modernização dos sistemas de tiro de forma a permitir ao T-55 contar com tecnologias mais modernas que lhe podem dar maior possibilidade de sobrevivência no campo de batalha.