Dados sobre países utilizadores:


Listar veículos do tipo
Carro de combate médio



Veículos idênticos ou relacionados:


M47 «Patton»
Carro de combate médio

M48-A2 «Patton»
Carro de combate médio

M48-A5 «Patton»
Carro de combate médio

Magach-4
Carro de combate médio

 

Acontecimentos relacionados
Guerra do Yom Kippur

Notícias relacionadas
Turquia desloca tropas para a fronteira com o Iraque

M48-A5 «Patton»
Carro de combate médio (Detroit Tank Factory)
M48-A5 «Patton»

Projeto: Detroit Tank Factory
Estados Unidos da América
Dimensões
Comprimento
Comprimento máximo
Largura
Altura
Altura máxima
6.419
9.306m
3.63m
3.086M
Peso vazio
Peso / combate
Cap. Carga
Reboque
46.272t
48.987t
N/disponivel
N/disponivel
Motor / potência / capacidades
Motor
Potência
Vel. maxima
Terr. Irregular
AVDS 1790 2D
750cv
48 Km/h
30 Km/h
Tração
Tanque combustivel
Autonomia
Tripulação
Lagartas
1420 Litros
500Km
4
60º
40º
1.219M
2.59M
0.91M

Armamento básico
- 1 x 105mm M68 (Calibre: 105mm - Alcance estimado de 4.4Km a 4.4Km)
- 1 x 12.7mm Browning M2 (Calibre: 12.7mm - Alcance estimado de 1.5Km a 2.4Km)
Sistema de radar auxiliar:

País: Israel
Designação Local:Magach-3 / 4 / 5
Qtd: Máx:800 - Qtd. em serviço:0
Situação: Retirado
Operacionalidade:
Desde que os carros de combate M48-A1 foram fornecidos a Israel, que foi iniciado o estudo com vista a converter esses carros para um padrão mais moderno.
Se em 1967, o exército de Israel tinha apenas 20 carros de combate Magach-3, quando começou a guerra do Yom Kippur em 1973, essas viaturas já haviam sido convertidas para o padrão mais recente.

A modificação efectuada em Israel não corresponde exactamente ao M48A5, e ficou conhecida como Magach-3.
A maioria dos M48 que entraram em combate em 1973 eram da versão Magach-3


O Magach-3, o equivalente em Israel ao M48-A5. As viaturas deste tipo que foram revestidas com blindagem reactiva são muitas vezes designadas como Magach-4

Guerra do Yom Kippur / 1973
Durante a guerra do Yom Kippur em 1973, os M48 «Magach-3» equipados com canhão de 105mm mostraram-se geralmente superiores aos T-55 (armados com canhão de 100mm) e aos T-62 de fabrico soviético, armados com um canhão de 115mm.

Grandes perdas para armas ligeiras
Se os M48 mostraram ser superiores aos carros de combate soviéticos, eles sofreram no entanto graves perdas durante a fase inicial do conflito, por causa das defesas anti-tanque da infantaria egipcia. As primeiras forças egipcias a atravessar o canal de Suez, estavam equipadas com lança-granadas foguete do tipo RPG-7 e mísseis anti-tanque «Malyutka» que assumiram posições defensivas, à espera da primeira resposta dos tanques de Israel, protegendo as operações de atravessamento por parte das unidades pesadas. Esse posicionamento foi uma surpresa para os generais de Israel, e levou a que fossem destruidos muitos carros de combate do exército de Israel.


Após a guerra do Yom Kippur Israel recebeu mais 150 unidades do carro de combate M48-A5 modernizado nos Estados Unidos. Estas viaturas foram parte dos envios para repor as enormes perdas do exército de Israel durante a guerra do Yom Kippur em 1973.
Os M48-A5 recebidos dos Estados Unidos e que não foram submetidos a modernização foram designados Magach-5, porque entretanto a designação Magach-4 já tinha sido atribuída.

As autoridades militares de Israel analisaram cuidadosamente as lições retiradas e utilizaram esses ensinamentos na modernização do Magach-3 que estava em estudo e que incluiu por exemplo um melhoramento da blindagem e da protecção geral.
A defesa contra os lança-granada foguete como os RPG-7 foi potenciada com a inclusão de blindagem reactiva.
Muitos dos carros de combate Magach-3 e Magach-5 foram então equipados com blindagem reactiva «Blazer». As viaturas do tipo M48 equipadas com este tipo de blindagem são muitas vezes designadas como Magach-4.


Forum de discussão

O M48 A5 foi a versão mais sofisticada e poderosa do carro de combate M48. O seu desenvolvimento está relacionado com o atraso no desenvolvimento do carro de combate M60-A2 com a nova torre armada com uma peça de 152mm capaz de disparar o míssil Shilelag.
No inicio da década de 1970, por causa do atraso no desenvolvimento, e temendo que as forças blindadas norte-americanas ficassem em desvantagem perante as forças dos Pacto de Varsóvia, tomou-se a decisão de recurso de converter as versões mais antigas dos carros de combate M48-A1 a M48-A2, para um padrão mais moderno, que aproximava o M48 do M60.
Foram feitas milhares de conversões, nomeadamente a partir do M-48A3, de que foram convertidos mais de 2.000 exemplares. Não foram fabricados carros de combate M48-A5 «novos». Todos eles são modernizações de veículos das versões mais antigas. Em 1976 já um grande número de unidades da Guarda Nacional nos EUA estavam equipadas com esta viatura.

A principal alteração relativamente aos anteriores M48, é a inclusão do canhão de 105mm que substituiu o de 90mm. Esta modificação permitia aos M48-A5 perfurar a blindagem dos tanques do Pacto de Varsóvia, nomeadamente os T-54/T-55, mas também os mais modernos T-62 e mesmo T-64.

Outra modificação importante que veio alterar as capacidades do M48 foi a substituição do motor a gasolina por um motor Diesel, com muito menor consumo, que aumentou radicalmente a autonomia do veículo, que desde o inicio tinha sido apontada como uma das principais deficiências do modelo.

Com as modificações que foram introduzidas, os M-48A5 eram em grande medida idênticos aos mais modernos M-60. Em alguns países foram instalados sistemas de visão nocturna nos M-48, o que os colocou praticamente ao mesmo nível dos M-60A3-TTS.

M48 A5 alemão.
Um dos países que tinha recebido uma maior quantidade de carros de combate M48 tinha sido a República Federal da Alemanha. Centenas de M48 A2 tinham sido fornecidos ao exército federal, equipados com o canhão de 90mm.
Quando a industria alemã lançou o carro de combate Leopard-I, os M48-A2 alemães foram relegados para forças secundárias. No entanto, com a entrada ao serviço dos novos tanques T-72 soviéticos, os militares alemães decidiram na segunda metade dos anos 70, que o M48 deveria ser modificado de forma a dispor do mesmo tipo de armamento dos Leopard-1.
Surge assim a modificação especifica que ficou conhecida como M48-A2-GA2.
Trata-se na prática de carros de combate M48-A2 do exército alemão, que foram modificados com a alteração da torre e a inclusão da mesma arma de 105mm que equipava o Leopard-I (e também o M60).
Para todos os efeitos, o M48A2 alemão é equivalente ao M48A5.

Outras modificações
O grande numero de carros M48 ao serviço e a possibilidade de instalação de armamento mais poderoso e novos sistemas, levaram várias forças militares a efectuar a modificação dos M48 mais antigos para um padrão próximo ao do M48-A5.
Entre os países que conceberam os seus próprios kits de modificação destaca-se Israel, que utilizou o carro de combate M48 até aos anos 90, introduzindo modificações resultado da experiência de combate nas guerras em que Israel esteve envolvido e onde os carros M48 entraram directamente em confronto contra os carros de combate soviéticos, como o T-55, o T-62 e mesmo o T-74.




Carro de combate M48-A5 do exército de Taiwan: Um dos muitos casos de reconversão de M48 para a versão mais moderna.

O M48 A5 nunca entrou em combate ao serviço de nenhum país europeu, no entanto uma versão aproximada foi utilizada em Israel contra carros de combate soviéticos em 1973, onde o M48 mostrou ser claramente superior ao T-55 e ao T-62 soviético, este último equipado com uma peça de 115mm.

Ainda que inferior ao M60 em termos de blindagem, a conversão M48 A5, que resultou num carro equipado com o mesmo armamento, foi considerada uma solução extremamente eficente, do ponto de vista da relação entre custo e valor militar.

Informação genérica:
Quando terminou a II Guerra Mundial, o mais poderoso carro de combate norte-americano era o M26 «Pershing», cujo desenvolvimento tinha começado em 1942. No entanto as análises feitas pelos norte-americanos ainda antes do final da guerra levaram a concluir que o Pershing, cuja blindagem máxima atingia os 102mm não poderia garantir o absoluto domínio do campo de batalha. Os britânicos tinham já na altura em desenvolvimento, carros de combate como o Centurion, com uma blindagem superior que atingia em alguns pontos os 152mm. Mas os cortes nos investimentos de defesa que se seguiram ao fim da guerra limitaram o desenvolvimento, tendo-se optado por melhorar o tanque médio M26, que resultaria no modelo M46, um «Pershing» com um novo motor.

No entanto, embora sem grande prioridade, durante a segunda metade dos anos 50, prosseguiram os estudos para um novo tanque com dimensões ligeiramente maiores, embora baseado no M26.
Esse projecto era conhecido como T42 e tinha uma blindagem máxima que atingia os 115mm. O desenvolvimento do T42 destinava-se a permitir às forças norte-americanas possuir um carro de combate que pudesse equivaler-se ou superar os seus congéneres soviéticos, possuindo uma torre com melhor perfil balístico.

M47 Patton
Quando em 1950 começou a guerra na Coreia, o carro de combate que deveria substituir o Pershing não estava pronto.
Por isso foi decidido iniciar um programa de emergência, que consistia em colocar a torre do M26 «Pershing» no novo veículo. A viatura foi rapidamente desenvolvida e viria a ser conhecida como M47 «Patton», em homenagem ao general de blindados Patton, que tinha morrido após o final da guerra.

O M47 no entanto, não ficou pronto a tempo de entrar em acção na guerra da Coreia. Quando começou a ser entregue, ele era evidentemente inferior ao projecto T42, do qual era afinal um derivado de emergência.

Por esta razão, o M47 foi rapidamente cedido a países aliados logo que o verdadeiro tanque do projecto T42 começasse a ser entregue.

M48 Patton

O projecto de tanque médio norte-americano conhecido como T42, que tinha sido utilizado como base para a solução de emergência que resultou no M47 continuou a ser desenvolvido paralelamente e em Dezembro de 1950 foi assinado um contrato com a Chrysler para completar o veículo. O primeiro deles foi apresentado em Dezembro de 1951. A produção começou em 1952 e a viatura foi designada como M48 «Patton»

O nome «Patton» é o mesmo do M47, porque este último foi afinal uma solução de emergência que utilizava componentes do mais antigo M26, para permitir o seu rápido desenvolvimento.

Conforme inicialmente previsto, tal como o M26 e o M47, o M48 estava armado com um canhão de 90mm, mas tratava-se de uma nova versão, que se distingue pelo freio de boca.

Distinguem-se as seguintes versões:

M48 : Versão original derivada do projecto T48

M48-A1 : Idêntico ao M48 original, mas com modificações ao nível da cúpula, com uma metralhadora 12,7mm numa torreta e uma escotilha para o condutor de maiores dimensões.

M48-A2 : Este modelo, tentou corrigir o principal defeito dos modelos anteriores, que era a reduzida autonomia. A tentativa de reduzir peso levou a que se reduzissem até os roletes de retorno da esteira, que permitem identificar esta versão.Além desta, foram introduzidas modificações no sistema de transmissão e de injecçao de combustível e no novo motor.

M48-A3 : Versão inicialmente destinada a equiparar o M48 ao M60 com novo motor e sistemas ópticos e de comunicações idênticos. Foi no entanto introduzida sem a peça de 105mm inicalmente prevista. A principal causa sforam razões logísticas, como a enorme quantidade de munições que ainda havia disponíveis.

M48-A4 : Esta versão ficou pelo protótipo e destinava-se a aproveitar as torres que seriam retiradas dos M60, para as substituir pela nova torre armada com uma peça de 152mm capaz de disparar o míssil Shilelag. O atraso nesse programa acabou por levar ao cancelamento do projecto.

M48-A5 - A versão mais moderna do M48, equipada com peça principal de 105mm.
Esta versão foi lançada em 1975

Essencialmente tem as mesmas características do M-60A1, embora mantenha a mesma torre, sendo no entanto equipado com a peça principal de 105mm do M-60.

Muitos dos M-48A5 são M-48A2 modernizados, com a substituição do canhão de 90mm pelo de 105mm.

O M-48 continuou a ser fornecido a vários países e várias modificações desse carro de combate, levaram-no praticamente ao nível dos M-60, quando lhes foi adaptado um canhão de 105mm, tendo mesmo em alguns países sido modernizado com telemetro laser, e capacidade para combate nocturno. Foi por exemplo o caso dos M-48 ao serviço na Coreia do Sul.