Dados sobre países utilizadores:


Listar veículos do tipo
Carro de combate médio

Veículos idênticos ou relacionados:


A-27L «Centaur-I»
Carro de combate médio

A-27M «Cromwell» Mk IV
Carro de combate médio

A-34 «Comet»
Carro de combate médio

 

A-27M «Cromwell» Mk IV
Carro de combate médio (Leyland)
A-27M «Cromwell» Mk IV

Projeto: Leyland
Reino Unido
Dimensões
Comprimento
Comprimento máximo
Largura
Altura
Altura máxima
6.35
n/disponivel
3.04m
2.84M
Peso vazio
Peso / combate
Cap. Carga
Reboque
25t
27.942t
N/disponivel
N/disponivel
Motor / potência / capacidades
Motor
Potência
Vel. maxima
Terr. Irregular
Rolls Royce Meteor
600cv
64 Km/h
29 Km/h
Tração
Tanque combustivel
Autonomia
Tripulação
Lagartas
N/disponível
277Km
4
30º
35º
1.2M
2.28M
0.92M

Armamento básico
- 1 x 75mm QF 75 (UK) M.1942 (Calibre: 75mm - Alcance estimado de 0.3Km a 0.8Km)
Sistema de radar auxiliar:

País: Reino Unido
Designação Local:Cromwell-IV
Qtd: Máx:1934 - Qtd. em serviço:0
Situação: Retirado
Operacionalidade:
O Cromwell Mk IV foi o mais utilizado dos veículos Cromwell do exército britânico. Ele começou a ser entregue a partir do inicio de 1943. A maior parte deles ficou na Europa e fez parte das operações dedesembarque na Normandia.

Armado com o canhão ROQF 75, o Cromwell Mk IV não tinha o mesmo poder de fogo anti-tanque de outros veículos blindados aliados. Na realidade, quando comparado, concluiu-se que o tanque Mk IV era pouco mais eficiente que o Mk III (equipado com um canhão de 57mm).

Este deficiência era no entanto contrabalançada com a eficiência da arma na função de apoio a forças de infantaria e na anulação de alvos pouco blindados.

Considerando isto, os britânicos passaram a incluir na orgânica das suas unidades blindadas, um tanque Sherman equipado com o canhão de alta velocidade de 17libras (ver modelo Sherman Firefly) para cada três Cromwell.


Forum de discussão

O tanque A-27 «Cromwell» equipado com o motor «Meteor» foi um dos três veículos que esteve envolvido na concorrência para o fornecimento de um tanque cruzador pesado para o exército britânico, em substituição dos tanques cruzadores anteriores, Cruiser e Crusader, que foram considerados pouco prortegidos.

Embora aprovado para produção, a falta de motores Meteor, levou a que outro tanque idêntico mas menos potente entrasse em produção em vez do Cromwell (ver tanque Centaur). O Cromwell já com o novo motor Rolls Royce «Meteor» só começou a ser entregue em Janeiro de 1943. Durante esse periodo, foram testadas em várias configurações possíveis, tendo-se tentado adaptar o novo canhão de 76mm britânico (17 libras), sem sucesso.

O Cromwell Mk-III acabaria por entrar ao serviço com o canhão de 56mm (6 libras), mas apenas 200 foram produzidos.

Cromwell Mk-IV

A partir de Janeiro de 1943, a maior disponibilidade de motores, permitiu o lançamento do Mk IV, de longe o mais produzido dos Cromwell (quase 2.000 unidades).

Mas na prática os britânicos adaptaram o Cromwell para operar como «canhão de assalto» como soviéticos e alemães já tinham feito, mas em vez de fixarem o canhão ao casco, nativeram-no numa torre.

As tentativas de adaptar um canhão de alta velocidade no Cromwell não deram resultado, pelo que a opção foi a de uma adaptação, na forma de um canhão de tiro rápido mas com velocidade de 600 m/s que tornava a sua utilização contra carros de combate inimigos pouco eficaz. A utilização de carros Sherman Firefly juntamente com os Cromwell, destinou-se a reduzir este problema.

Informação genérica:
O tanque Cromwell é o resultado de um pedido do Estado-maior britânico para um tanque cruzador, que mantendo embora a velocidade que se esperava de um tanque cruzador, fosse fortemente blindado para combater os veículos inimigos da altura.

Este pedido, foi feito em 1940 já depois da derrota britânica na Bélgica e no norte de França e da retirada de Dunkerque. Os britânicos pretendiam com o novo tanque rápido (mas pesadamente blindado) resolver o problema que os seus tanques mais rápidos tinham tido em França.

Cromwell tank
Alguns dos principais modelos do tanque Cromwell:
1 - Cavalier
2 - Centaur Mk-I
3 - Cromwell Mk-I
4 - Cromwell Mk-IV
5 - Cromwell Mk-VI
A especificação exigia um tanque com 25401kg e uma blindagem frontal de 70mm.

Foram apresentados dois projectos:

Um foi apresentado pela Nuffield, que já produzira o Crusader, equipado com o motor Liberty, que mostrou não ter potência suficiente para mover um tanque que pesava mais de 25 toneladas [1].Esse modelo foi designado «A-24 Cavalier» e foi rapidamente abandonado.

O outro projecto foi apresentado pela Leyland um pouco mais tarde, no inicio de 1942 e incorporava o motor Meteor, derivado do Merlin, utilizado no caça Spitfire. Esse motor, com 600cv era suficientemente potente para mover o tanque. Esse tanque foi aprovado para produção e viria a chamar-se «Cromwell»

Porém, a falta de motores de aviação, levou a que o motor Meteor não estivesse disponível, pelo que para dar inicio à produção, a Leyland começou a produzir o «Cromwell» com o motor Liberty mais antigo. Este veículo de recurso, ficará conhecido como «Centaur».

O Cromwell com o motor mais potente, também deu origem a várias versões, a mais importante das quais foi o A-27M-Mk III.

O A-27M Mk-IV foi o mais produzido de todos os tanques Cromwell.

No total foram produzidos ligeiramente mais de 4.000 veículos nas várias versões.
Cerca de 25% foram Centaur


Tanque Comet
O último veículo da família Cromwell, foi um derivado conhecido como «Comet», um veículo com o mesmo motor, e um derivado do poderoso canhão de 76mm (17 libras).

Embora muitas vezes seja considerado como um modelo separado, ele na prática tinha grande parte dos seus componentes em comum com os veículos da família Cromwell, pelo que se considera mais uma derivação daquele modelo

Tanque Cruzador
O conceito de «Tanque Cruzador» é o resultado das análises feitas pelos militares britânicos após o fim da Primeira Guerra Mundial às necessidades futuras das forças blindadas britânicas.

O tanque cruzador deveria ser rápido, permitindo penetrar as linhas inimigas de forma eficiente, cortando as suas linhas de abastecimento e impossibilitando o seu movimento. Ele deveria também ter capacidade para atacar outros veículos blindados, embora esta exigência entrasse em contradição com a relativamente reduzida blindagem que o tanque cruzador tinha que ter, para poder ser mais rápido.

O conceito demonstrou não ter grande solidez, porque rapidamente os militares britânicos começaram a solicitar tanques cruzadores poderosamente blindados, como posteriormente também solicitaram tanques de infantaria rápidos. Tanque de Infantaria e Tanque Cruzador, acabaram por resultar num só veículo no final da guerra, o tanque «Comet».

São exemplos de tanques classificados como Cruzadores:
A-13 «Cruiser»
A-15 «Crusader»

Tanques Cruzadores Pesados:
A-27 «Cromwell»
A-34 «Comet»