Dados sobre países utilizadores:


Listar veículos do tipo
Carro de combate leve

Veículos idênticos ou relacionados:


Vickers Mk.E mod B
Carro de combate leve

T-26 (1931) / Vickers mk.E mod. A
Carro de combate leve

7 TP medium tank
Carro de combate leve

T-26 (mod.1933)
Carro de combate leve

T-26S (mod.39)
Carro de combate leve

T-26 «Verdeja»
Carro de combate leve

 

Acontecimentos relacionados
Operação «Barba Ruiva»
Batalha de Smolensk

T-26 (mod.1933)
Carro de combate leve (Soviet State Factories)
T-26 (mod.1933)

Projeto: Soviet State Factories
União Soviética
Dimensões
Comprimento
Comprimento máximo
Largura
Altura
Altura máxima
4.62
n/disponivel
2.44m
2.24M
Peso vazio
Peso / combate
Cap. Carga
Reboque
8.8t
9.4t
N/disponivel
N/disponivel
Motor / potência / capacidades
Motor
Potência
Vel. maxima
Terr. Irregular
GAZ-T26 4cyl / gas
90cv
30 Km/h
18 Km/h
Tração
Tanque combustivel
Autonomia
Tripulação
Lagartas
285 Litros
170Km
3
40º
40º
0.8M
2.65M
0.75M

Armamento básico
- 1 x 45mm L/46 20K Mod33/38 A/T (Calibre: 45mm - Alcance estimado de 0.5Km a 1.5Km)
- 1 x 7.62 DT Degtiarev (Calibre: 7.62mm - Alcance estimado de 0.8Km a 0.8Km)
Sistema de radar auxiliar:


Forum de discussão

O T-26 é um tanque soviético leve, derivado do tanque britânico Vickers Modelo «E». É uma das muitas derivações daquele modelo, mas destaca-se por ter sido de longe o mais produzido de todos.

Desde que a União Soviética comprou a licença de produção do tanque Vickers 6T, que estava prevista a produção da versão equipada com apenas uma torre, adequado para apoio próximo.

A opção imediata era a da instalação

Seguindo as doutrinas ocidentais, inicialmente os T-26 foram vistos como carros de apoio de infantaria, equipados com metralhadoras e que deveriam apoiar a infantaria ao atacar posições da infantaria inimiga a coberto da blindagem.
Os soviéticos estudaram profundamente o carro de combate original obtido dos britânicos e tal como aqueles, adaptaram várias soluções de armamento.

O T-26 de 1933 não recebeu esta designação, já que oficialmente o projeto era conhecido como T-26 «odnobashennyi» ou torre simples, para o distinguir do T-26 «dvukhbashennyi» ou torre dupla.

Os primeiros T-26 de torre dupla produzidos na União Soviética eram quase cópias dos seus equivalentes britânicos mas o modelo de uma só torre apresentava diferenças.

Embora inicialmente os soviéticos tivesse previsto a instalação de uma arma principal de 37mm, problemas com o desenvolvimento desse calibre, juntamente com a exigência de uma arma de infantaria que pudesse disparar uma carga explosiva mais potente levaram a que o calibre standard fosse o 45mm.

Como a arma de 45mm estava em desenvolvimento, o modelo do T-26 de uma só torre, acabou sendo atrasado para 1933, embora originalmente o desenvolvimento desta versão tivesse começado quase ao mesmo tempo que o desenvolvimento do modelo com duas torres. Cada T-26 tinha um custo estimado em 42.000 rublos e um trabalhador soviético médio recebia um salário médio de 58 kopek (0.58 rublos) por hora.

Sendo um veículo para para apoio da infantaria o T-26 com uma só torre transformou-se num tanque leve já que o armamento de 45mm (o mesmo dos tanques BT) fazia dele um veículo relativamente bem armado para a década de 1930 e mesmo para o inicio da década de 1940.

A viatura estava dispoível em quantidade, pelo que foi enviada pelos soviéticos para combater na guerra civil de Espanha.

O governo espanhol pagou os carros com ouro das reservas do Banco de Espanha, perante a falta de alternativas. A aquisição de viaturas blindadas aos franceses demonstrou ser complicada e acima de tudo os tanques franceses eram muito mais caros que os russos.
O seu armamento principal de 45mm era superior ao das viaturas blindadas de italianos e alemães.

Em combate, o principal inimigo dos T-26 não eram os tanques adversários, mas sim a peça de artilharia de 37mm PAK-36 de 37mm. Como os russos advogavam a utilização de tanques para desorganizar a retaguarda inimiga, eles não tinham apoio de infantaria e acabavam por ser presa fácil da artilharia anti-tanque.

O modelo de 1933 combateu na guerra civil de Espanha a partir do final de 1936, e como resultado dos problemas detetados foram sendo introduzidas modificações em modelos que foram lançados durante a 2ª metade da década.

O T-26 de 1933 foi modernizado dando lugar ao T-26 de 1939. Parte dos problemas foram resolvidos, mas o desenvolvimento tecnologico da época já o tinha tornado obsoleto, pouco protegido e pouco armado.

O T-26 também participou na invasão soviética da Polónia em 1939. Os soviéticos fizeram alinhar um total de 1.675 tanques T-26, ou seja, aproximadamente 15% do total de tanques T-26 disponíveis.
Os soviéticos perderam apenas 15 tanques em combates com as forças polacas, mas durante o avanço 302 tanques T-26 tiveram que ficar para trás por causa de avarias mecânicas e por causa da desorganização que grassava dentro do exército vermelho por causa das purgas ordenadas por Estaline.


Além da Espanha, também a China utilizou este tanque leve. Os soviéticos também utilizaram esta viatura em combate contra os japoneses nos recontros que tiveram com eles em Khalkin Gol em 1939, semanas antes do inicio da II guerra mundial.

Informação genérica:
O carro de combate Vickers 6 Ton. Foi desenvolvido na Grã Bretanha como carro de combate médio, a partir de meados dos anos 20, tendo sido apresentado pouco depois.

O exército britânico nunca adquiriu o veículo, mas ele transformou-se num dos mais importantes carros de combate dos anos 30, porque foi adquirido por vários exércitos, mas também por causa das versões que foram produzidas. As vendas foram reduzidas e o principal cliente foi a Polónia com 38 exemplares. A Finlandia comprou 34, a Tailandia 22, a China 20, a URSS 15, a Bulgaria 8 e a Bolivia 3 exemplares.

A importância do modelo da Vickers é muitas vezes esquecida, principalmente quando se pretende dar a ideia de que os alemães foram os que mais investiram no desenvolvimento de tanques no periodo pós guerra.

Na verdade, o Vickers influenciou até os carros de combate de países do eixo, como foi o caso da Itália e mesmo os Panzer mark.I alemães têm características que foram claramente inspiradas nos desenvolvimentos britânicos.


T-26
Nas duas imagens acima, o tanque Vickers E model A, com duas torres e abaixo, o seu equivalente soviético, modelo 1931, também equipado com duas torres armadas com uma metralhadora e destinado ao apoio de forças de infantaria.
T-26 o mais importante de todos os derivado do Vickers Mk.E / 6T

Sem sombra de dúvida que o maior sucesso de produção do carro Vickers ocorreu na União Soviética, país que comprou 15 unidades deste veículo, e a partir dessas unidades desenvolveu o seu próprio modelo. O T-26 foi mais produzido que qualquer outro tanque durante o periodo entre guerras e a produção do T-26 sozinha foi numericamente superior à produção total de tanques dos dois exércitos mais blindados do mundo a seguir ao soviético: Os exércitos da França e da Alemanha.

O T-26 começou por ser apenas copiado, tendo sido produzidas as duas versões (com duas torretas e uma torre respectivamente) tendo sido fabricados muitos milhares nas suas várias versões.

O conceito do tanque médio de 6 toneladas foi profundamente estudado e desenvolvido na União Soviética a partir do inicio dos anos 30 e os desenvolvimentos de outros veículos levaram a que o T-26, fosse reclassificado na União Soviética como tanque leve que serviria apenas como uma espécie de infantaria «blindada».



Durante o desenvolvimento, os soviéticos consideraram a versão de duas torretas armadas de metralhadoras era um desperdício praticamente inutil e por isso o T-26 foi sendo transformado num tanque leve, equipado com o que para a altura era considerado um canhão potente de 45mm.

Comparativo T-26
Na imagem, o T-26 modelo 1933, que combateu na guerra civil de Espanha e o modelo 1939 que combateu os alemães em 1941. As principais diferenças notam-se na torre.
Entre eles, encontrou-se a versão soviética do canhão francês Hotchkiss de 37mm, um canhão copiado dum modelo alemão de 37mm da Rheinmetal, e finalmente o canhão anti-tanque de 45mm, que foi posteriormente modernizado.

Foram as seguintes as várias séries do T-26:

T-26 (1931) - Versão com duas torres, com uma metralhadora cada uma, que era uma cópia directa do modelo britânico.
T-26 (1932) - Versão com uma torre com canhão de 37mm e outra torre com metralhadora.
T-26 (1933) - Versão com uma torre equipada com canhão de 45mm
T-26 (1939) / T-26S -Versão com blinddagem com melhor perfil balístico e casco soldado.


Com base no chassis do T-26 foram também lançados os canhões auto-propulsados SU-5, na função de caça-tanques.

Na Polónia, país que adquiriu viaturas do tipo à Grã Bretanha, foi fabricado o tanque 7TP que também é um derivado do modelo Vickers.

Os carros de combate italianos médios desde o M11/39 até ao M14/41 também tiveram na sua origem o modelo Vickers de 6t. Eles foram diretamente inspirados pelos T-26 que os italianos encontraram na guerra civil de Espanha.

Embora não directamente derivados, os carros de combate M2/M3 do exército norte-americano também sofreram influências dos Vickers de 6 toneladas durante o seu desenvolvimento nos anos 30.

Suspensão Christie

Em 1936, os soviéticos consideraram que a mobilidade do T-26 deveria ser melhorada. Como o tanque BT-5, era de maiores dimensões e tinha uma suspensão mais eficiente, foi decidido desenvolver uma versão do T-26 equipada com a suspensão Christie que equipava o BT-5 e que mais tarde viria a equipar o T-34.



O resultado foi o tanque T-46, mas rapidamente se percebeu que o veículo era demasiado complexo ao mesmo tempo que ficava demasiado caro de construir. Foram por isso produzidos apenas 60 exemplares.

Problemas gerais na qualidade de construção do T-26 soviético
Na década de 1930, a qualidade de todos os veículos automóveis era muito inferior à atual e a industria automóvel soviética era incipiente. Isto explica os resultados e as análises feitas à qualidade dos tanques T-26, e explica em grande medida o insucesso do modelo na maioria dos recontros nomeadamente a debacle de 1941, em que o T-26, o mais fabricado tanque do mundo foi dizimado em apenas algumas semanas.

Ínumeros problemas assombraram os T-26 e eles tornaram-se aparentes quando foram colocados à prova na guerra civil de Espanha.
Não só as táticas utilizadas se mostraram desadequadas, como acima de tudo, a qualidade de construção e o desgaste rápido dos componentes mecânicos levavam a constantes avarias e a uma alta taxa de inoperacionalidade.

O motor do T-26 deveria ser submetido a uma revisão após 150 horas de serviço e precisava de uma reconstrução de fábrica após 600 horas. Os pinos das lagartas desgastavam-se até ao ponto de ruptura, após 800km na estrada)

Um exemplo da péssima qualidade dos veículos ficou documentado nos registos do exército espanhol entre Dezembro de 1937 e Fevereiro de 1938, altura em que a República alinhou 104 tanques T-26 durante a batalha de Teruel. Esses veículos precisaram ser reparados um total de 586 vezes durante os 65 dias de combates.
Ou seja, duranta a batalha cada tanque teve que ser reparado quase seis vezes, uma média de uma reparação a cada 11 dias. Embora muitas das reparações fossem simples, houve 58 substituições de motor. Ou seja, metade dos tanques empenhados no combate tiveram que ver o seu motor substituido durante o periodo de dois meses.