Dados sobre países utilizadores:


Listar veículos do tipo
Veículo de Combate de Infantaria



Veículos idênticos ou relacionados:


Gepard «Flakpanzer»
Sistema defesa antiaérea Curto/Médio alc.

Leopard-1 A1
Carro de combate médio

Palmaria
Artilharia Auto propulsada

OF-40 «Mk.2»
Carro de combate médio

Leopard-1 A5
Carro de combate médio

OF-40 / IFV
Veículo de Combate de Infantaria

 

OF-40 / IFV
Veículo de Combate de Infantaria (Sabiex)
OF-40 / IFV

Projeto: Sabiex
Belgica
Dimensões
Comprimento
Comprimento máximo
Largura
Altura
Altura máxima
8.5
n/disponivel
3.35m
2.1M
Peso vazio
Peso / combate
Cap. Carga
Reboque
43t
45t
N/disponivel
N/disponivel
Motor / potência / capacidades
Motor
Potência
Vel. maxima
Terr. Irregular
MB-838 / Ca-M501
830cv
60 Km/h
30 Km/h
Tração
Tanque combustivel
Autonomia
Tripulação
Lagartas
700 Litros
600Km
1+2+4
60º
30º
2.2M
3M
1.15M

Armamento básico
- 1 x 100mm 2A70 (Calibre: 100mm - Alcance estimado de 0Km a 0Km)
Sistema de radar auxiliar:


Forum de discussão

Concebido a partir do carro de combate italiano OF-40 (derivação italiana do Leopard-1) esta viatura foi desenhada a pedido dos Emirados, vom o objectivo de aproveitar os carros OF-40 que estavam ao serviço. Trata-se portanto da conversão de um carro de combate principal para a função de viatura de combate de infantaria pesada aproveitando o chassis do OF-40, do qual 36 unidades foram adquiridas durante os anos 80 à Itália.

A conversão segue o mesmo principio de outras viaturas do tipo, com a remoção do motor do OF-40 da parte traseira do veículo e a sua colocação à frente. Existem portas traseiras para o acesso do grupo de infantaria que segue dentro do veículo e que varia consoante a configuração.

A versão do OF-40/IFV dos Emirados Árabes apresenta uma torreta de proveniencia russa, que também equipa o veículo blindado BMP-3, armada com um canhão de 100mm de baixa pressão e outro coaxial de 30mm.
Sendo feita numa viatura OF-40, a modificação levada a cabo pela Sabiex também poderá ser levada a cabo em viaturas blindadas Leopard-1.

A blindagem lateral da viatura parece ter sido reforçada e o casco inferior foi preparado para ter capacidade para evitar minas anti-tanque como a TM-57 russa.

A versão equipada com a torreta do BMP-3 tem capacidade para sete homens. A versão sem torre, deverá acomodar lugar para comandante, condutor e mais dez homens.

Informação genérica:
O Leopard-1 foi resultado de uma tentativa de vários países europeus para desenvolver um carro de combate próprio, reduzindo a dependência do fornecimento de veículos americanos.
Os primeiros estudos começaram no fim dos anos 50 e França Alemanha e Itália tentaram criar um standard básico, que permitisse a criação de uma viatura comum.

O Leopard-1 deveria inicialmente ter nascido da cooperação franco-alemã. Os franceses acabaram produzindo o AMX-30 mas as linhas dos dois tanques mostram os conceitos aproximados


Esse plano falhou e a França desenvolveria o tanque AMX, a Itália compraria o M60 americano e a Alemanha desenvolveria o Leopard, que entrou em produção em 1965, tendo a última versão sido produzida em 1984.

Tratou-se do primeiro carro de combate da Alemanha, após a segunda-guerra mundial e as tradicionais qualidades dos carros de combate alemães foram reconhecidas com a venda de carros Leopard para vários países europeus, como a Dinamarca, Holanda, Noruega, Grécia e Turquia além da Italia que também fabricou o Leopard sob licença. Fora da Europa, o Canadá e a Austrália também compraram este carro de combate.

Os Leopard são tanques com casco soldado, sete rodas de apoio, motor traseiro. O condutor está à frente à direita. A torre de aço fundido está numa posição central, onde fica o comandante e o operador do canhão e o municiador. A maior parte da munição é transportada à frente do lado esquerdo, ao lado do condutor.

Várias versões foram produzidas, quer de veículos «novos» quer conversões de veículos mais antigos.

Leopard - Versão original, produzida num total de quatro lotes de veículos.

Leopard 1 A1 - Primeira modernização, ocorrida em 1970. Incorporou pela primeira vez um estabilizador para a peça principal, permitindo disparo em movimento. Foram introduzidas saias de metal e borracha para proteger as rodas.

Leopard-1 A2 - Construidos entre 1972 e 1974, com uma nova torre em aço fundido, com blindagem mais espessa.

O Leopard-1 A3 - Como resultado da evolução dos tanques do Pacto de Varsóvia foi decidido modificar a versão A2 e 110 exemplares foram produzidos com torre soldada, com blindagem espaçada. A blindagem da torre não foi alterada, mas o espaço interno cresceu em 1.5 metros quadrados.
Esta versão é aproximadamente equivalente à do carro de combate OF-40 que foi fabricado na Itália.

O Leo-1A4 - 250 exemplares produzidos em 1974 receberam esta designação. Novos sistemas ópticos e electrónicos, um novo sistema de controlo de tiro e um novo sistema de controlo de incendios foram adicionados, às custas de uma redução para 55 do total de munições transportadas.

Modernização geral
Entre 1975 e 1977, mais uma vez considerando as necessidades decorrentes da introdução dos tanques T-64 e T-72 soviéticos, todos os carros Leopard-1 dos vários lotes, receberam uma nova proteção constituida por placas de aço, cobertas de borracha, protegendo toda a torre.

Leopard-1 A5 - A última série de viaturas Leopard, resultou de um estudo iniciado em 1980, para estudar a viabilidade da utilização do blindado depois do ano 2000.

Modernizações seguintes
Com o objetivo de combater os novos carros soviéticos que entraram ao serviço na década de 1980, como o T-80, foi concebido um programa de modernização geral, destinado a garantir ao Leopard a superioridade tecnológica no campo de batalha.

A designação desse veículo seria Leopard-1A6, e partiria do modelo A5, acrescentando uma blindagem mais sofisticada extendida à torre e incluindo uma peça principal de 120mm.
O Canadá também desenvolveu uma versão modernizada do Leopard-1, dando especial enfase à blindagem:



Depois do ano 2000 começaram a ser transferidos para outros países fora da Europa e da NATO, como o Brasil e o Chile.

O Leopard-1 serviu de base para outros veículos.

Entre os mais conhecidos está o sistema anti-aéreo Gepard e o sistema de artilharia auto-propulsada «Palmaria» concebido na Itália a partir do OF-40, a versão italiana do Leopard-1.

Também foram desenvolvidos veículos blindados de recuperação, bem como lança-pontes.

Embora não haja informação concreta, a última derivação deste veículo (ou mais correctamente conversão) é o modelo OF-40/VCI, em estudo para o exército dos Emirados Arabes, que consiste na conversão do carro de combate para veículo de combate de infantaria pesado.



TH-400

Na Alemanha foi desenvolvida uma tentativa para aproveitar a torre do Leopard-1 e instala-la num chassis 6x6 para tentar desenvolver algo parecido com o Centauro italiano.

O projeto no entanto, não foi considerado viável, por a torre ser demasiado pesada e o chassis 6x6 inadequado para a função. Foi apenas produzido um protótipo.

STANAG-V
Este veículo tem ou pode ter protecção de blindagem compatível com a especificação STANAG Nível 5
A especificação STANAG-5 implica protecção contra a seguintes ameaças:
-Capacidade para resistir a um disparo de canhão automático a 500 metros de distância utilizando munição de calibre 25 (perfurante) e considerando uma velocidade do projectil de 1258m/s (disparo de um angulo de +/- 30º).
-Capacidade para resistir a disparo de canhão de calibre 20mm a 10 metros , com velocidade do projectil de 960m/s (disparo de qualquer ângulo e com elevação de 0 a 90º)