Dados sobre países utilizadores:


Listar veículos do tipo
Carro de combate pesado

Veículos idênticos ou relacionados:


Churchill A-22 Mark-I / II
Carro de combate pesado

Churchill A-22 Mark-III / IV
Carro de combate pesado

Churchill A-42 / Mk-VII
Carro de combate pesado

 

Churchill A-22 Mark-I / II
Carro de combate pesado (Vauxhal Motors)
Churchill A-22 Mark-I / II

Projeto: Vauxhal Motors
Reino Unido
Dimensões
Comprimento
Comprimento máximo
Largura
Altura
Altura máxima
7.44
n/disponivel
3m
2.49M
Peso vazio
Peso / combate
Cap. Carga
Reboque
38t
39.574t
N/disponivel
N/disponivel
Motor / potência / capacidades
Motor
Potência
Vel. maxima
Terr. Irregular
1 x Bedford «Twin-Six» Mk.3
325cv
24 Km/h
12 Km/h
Tração
Tanque combustivel
Autonomia
Tripulação
Lagartas
682 Litros
144Km
5
34º
30º
1.02M
3.05M
0.76M

Armamento básico
- 1 x 40mm QF L/52 (2 pdr) (Calibre: 40mm - Alcance estimado de 0.5Km a 0.9Km)
Sistema de radar auxiliar:

País: Reino Unido
Designação Local:Churchill Mark-I
Qtd: Máx:0 - Qtd. em serviço:0
Situação: Retirado
Operacionalidade:
Apressadamente colocadoao serviço o Churcull apresentou vários problemas de desenvolvimento, que foram sendo resolvidos ao longo do tempo.
O exército britânico utilizou o Churchill operacionalmente durante o famoso raid de Dieppe, contra a costa norte da França que resultou num fracasso.

A maioria dos Churchill avariaram na praia. As lagartas eram muito pequenas e o tanque afundava na areia e o sistema de suspensão com um grande numero de rodas mostrou ser pouco eficiente quando o carro de combate se movia sobre gravilha (pedra de dimensão média) o que soltava as lagartas das rodas.

Estes problemas foram sendo resolvidos ao longo do tempo e as versões posteriores do Churchill estavam equipadas com lagartas mais largas e componentes de suspensão reforçados.


Forum de discussão

O primeiro dos carros de combate do tipo Churchill, teve um desenvolvimento apressado por causa do evoluir do conflito na Europa. A necessidade de carros de combate para deter a avalanche alemã, conduziu a um desenvolvimento apressado do Churchill, que tinha começado a ser desenvolvido apenas em Setembro de 1939.

Em Junho de 1940, quando a França se rendeu havia quatro protótipos do tanque, que não foram considerados eficazes. Ainda nesse ano a Vauxhal recebeu um contrato para continuar o desenvolvimento do Churchill durante um ano, até Setembro de 1941.

O desenvolvimento foi extremamente pressionado pelo factor tempo e em Junho de 1941, três meses antes do prazo previsto, 14 unidades do Churchill sairam das linhas de montagem.

Inicialmente o Churchill Mark-I deveria receber uma peça de 57mm que estava em desenvolvimento, mas a mudança da linha de montagem, implicava parar a produção de canhões. Por esta razão, para evitar a paragem da linha de montagem após o desastre da queda da França e com a necessidade urgente de produzir em quantidade os armamentos necessários para rearmar o exército britânico, o canhão britânico de 40mm (2 pounder / 2 libras) continuou em produção e era o únicodisponível quando o Churchill começou a sair das linhas de montagem da Vauxhal.

Assim, o Churchill foi equipado com o mesmo canhão de 40mm que também equipava o tanque Matilda-II e o tanque Valetine, o qual, em 1940 mostrava já algumas deficiências e que em 1941 já poderia ser considerado obsoleto.

Considerando que o Churchill estava sub armado, foi decidido aumentar o poder de fogo do veículo adaptando um óbus de 75mm no casco, dando ao Churchill capacidades idênticas às dos carros B1-bis franceses.
No entanto a solução não era das mais eficientes. As tripulações afirmavam que era virtualmente impossível apontar a arma, tornando-a pouco mais que inútil [1]. Por isto, a versão Mark-II viu ser retirado o óbus de 75mm o qual foi substituido por uma metralhadora.

A mecânica do Churchill também não era famosa. Foram colocados dois motores ligados a um único eixo, mas o desenvolvimento apressado não deu tempo para que muitos dos problemas que surgiram fossem resolvidos a tempo. Houve problemas com sistemas hidraulicos e com a bomba de combustível que falhava demasiadas vezes. A potência dos dois motores Bedford também era reduzida para um veículo com um peso que se aproximava das 40 toneladas.



[1] - Chegou mesmo a ser construida uma versão do Churchill (versão Mk-1CS) equipada com um óbus de 75mm no casco e outro de calibre idêntico na torre, mas apenas seis unidades foram produzidas:


Informação genérica:
Quando o tanque Churchill começou a ser desenhado, em Setembro de 1939, tinha já começado a II Guerra Mundial. O projecto foi inicialmente designado como A-20.
Na altura o principal carro de combate da Grã Bretanha era o tanque Matilda-II, armado com um canhão de 40mm de alta velocidade.

Considerando-se necessário um veículo mais pesado e melhor protegido, ainda dentro do conceito britânico de «tanque de infantaria», o Churchill deveria ser uma viatura pesada mas poderosamente armada que pudesse acompanhar o avanço a pé dos soldados.

O projecto do Churchill é inspirado pelos tanques romboides fabricados pelos britânicos durante a I Guerra Mundial.

A designação inicial de A-20 foi modificada para A-22 quando a primeira encomenda foi colocada à Vauxhall Motors.

O Churchill foi o segundo carro de combate mais produzido pela Grã Bretanha durante a II Guerra Mundial.


Variantes de combate:
São muitas as versões do Churchil, de entre as quais se destacam:

MK-I - Versão standard com canhão de 40mm e óbus de 75mm (303 produzidos)
MK-II - Idêntico ao Mk-I mas com o óbus de 75mm subsittuido por uma metralhadora BESA (1,127 produzidos)
MK-III - Armado com o novo canhão anti-tanque de 57mm (675 produzidos)
MK-IV - Mesmo tipo de peça de 57mm mas nova torre fundida numa só peça (1,622 produzidos)
MK-V - Versão de apoio de fogo equipada com um óbus de 95mm. Este modelo era utilizado para apoio a unidades de infantaria e não era utilizado como carro de combate principal. As versões modernizadas foram reclassificadas Mark-XI (241 produzidos).
MK-VI - Básicamente o Mark-IV com uma peça de 75mm (200 produzidos)
MK-VII - Versão completamente revista, com uma blindagem 50% mais espessa que todas as versões anteriores. Este modelo também foi equipado com o novo canhão de 75mm (1,600 produzidos)

MK-VIII - Utilizando o mesmo casco com a blindagem reforçada do Mk-VII estava equipado com um óbus de 95mm. Trata-se de um veículo equivalente ao Mk-V mas com a nova blindagem.

Após o lançamento do Mk-VII, os britânicos lançaram três programas de modernização para transformar os Churchill mais antigos no padrão de blindagem e armamento do Mark-VII.

MK-IX - Versões do Mk-III/IV que receberam nova blindagem para os colocar ao mesmo nível dos Mark-VII
MK-X - Trata-se de um Churchill Mark-VI equipado com a torre do Mark VII
MK-XI - Churchill Mark-V com blindagem reforçada e com a torre do MarkVIII

Churchill 75mm - Versão do Churchill Mk-I e Mk-II que recebeu uma peça de 75mm retirada de tanques Lee/Grant e Sherman semi-destruidos.

Na fase final da II Guerra Mundial, foi concebida uma versão do tanque Churchill armada com o poderoso canhão de 17 libras / 76mm britânico.
Nessa altura a arma estava a ser instalada noutros veículos blindados e o Churchill com esse armamento juntamente com a torre correspondente, conseguia atingir uma velocidade máxima de apenas 18km/h.
Com esta prestação o Churchill tornava-se quase inutil no campo de batalha. Nunca passou da fase de projecto sendo abandonado em favor do desenvolvimento do tanque Centurion.


Se o Churchill não ficou conhecido como um dos mais importantes carros de combate da II Guerra, a sua importância como base e plataforma para uma enorme gama de veículos de apoio não pode deixar de ser mencionada.

AVRE - Armoured Vehicle Royal Engineers: Um Churchill Mark-I ou Mark-II equipado com um morteiro de 290mm que lançava uma carga explosiva de 18kg.

ARK - Um Churchill sem torre que transportava um sistema pencil que permitia formar um ponte movel, para permitir a unidades blindadas e mecanizadas atravessar pequenos cursos de água.

ARV - Armoured Recovery Vehicle - Veículo de recuperação, também sem torre, destinado a remover outros carros de combate do campo de batalha para permitir a sua reparação (capacidade para rebocar 25 ton e um guincho para elevar até 15).

Crocodile - Uma das versões mais importantes e mais conhecidas do Churchill e a qual não foi adaptada mas produzida de fábrica, que era baseado no Mark-VII, possuindo um lança-chamas no casco. O veículo é reconhecido por transportar um depósito de combustível atrelado.
O Crocodile era uma das armas britânicas mais temidas pelos alemães. Podia lançar chamas a uma distância de 150m, distância a que as armas anti-tanque ligeiras não podiam perfurar a sua espessa blindagem.

3 inch Gun Carrier - Resultado da necessidade de artilharia auto-propulsada, esta versão do Churchill consistia num Churchill Mark-VII sobre o qual foi colocada uma peça de artilharia de 75mm (50 produzidos).

Tanque de Infantaria
O conceito de «tanque de infantaria» é o resultado das análises feitas pelos militares britânicos após o fim da Primeira Guerra Mundial às necessidades futuras das forças blindadas.
O tanque de infantaria era um dos dois tipos de blindados que nos anos 20 e 30 os britânicos previam utilizar (o outro era o tanque cruzador) nas guerras futuras.

A função do tanque de infantaria era a de apoiar a progressão das forças que avançavam a pé. Como o objectivo era o de acompanhar tropas de infantaria, a sua velocidade máxima não precisava ser elevada.
Este tipo de veículo deveria por exemplo ser utilizado contra fortificações que impedissem a progressão da infantaria.

O primeiro destes veículos foi o Matilda-I, uma espécie de «Tanquette» poderosamente blindado, armado apenas com uma metralhadora. O veículo não provou, e foi rapidamente substituído por outro mais poderoso como o Matilda-II e posteriormente pelo Churchill.

O conceito demonstrou não ter grande solidez, porque rapidamente os militares britânicos começaram a solicitar tanques de infantaria rápidos, como posteriormente também solicitaram tanques cruzadores poderosamente blindados. Tanque de Infantaria e Tanque Cruzador, acabaram por resultar num só veículo no final da guerra, o tanque «Comet». Já os tanques de infantaria pesados acabaram por ser utilizados como veículos de apoio, como foi o caso do Churchill.