Dados sobre países utilizadores:


Listar veículos do tipo
Veículo Blindado Transporte Pessoal

Veículos idênticos ou relacionados:


RAM Mk.II
Carro de combate médio

Sexton
Artilharia Auto propulsada

Kangaroo
Veículo Blindado Transporte Pessoal

 

Kangaroo
Veículo Blindado Transporte Pessoal (MLW)
Kangaroo

Projeto: MLW
Canadá
Dimensões
Comprimento
Comprimento máximo
Largura
Altura
Altura máxima
6.1
n/disponivel
2.72m
1.91M
Peso vazio
Peso / combate
Cap. Carga
Reboque
21t
22.5t
N/disponivel
N/disponivel
Motor / potência / capacidades
Motor
Potência
Vel. maxima
Terr. Irregular
Continental R-975
400cv
45 Km/h
20 Km/h
Tração
Tanque combustivel
Autonomia
Tripulação
Lagartas
N/disponível
232Km
2+10
30º
1M
2.26M
0.6M

Sistema de radar auxiliar:

País: Portugal
Designação Local:Kangaroo
Qtd: Máx:40 - Qtd. em serviço:0
Situação: Retirado
Operacionalidade:
Portugal recebeu cerca de quarenta unidades do Kangaroo, mas na sua versão derivada do Sherman.
Na verdade os Kangaroo que Portugal recebeu, como outras viaturas do tipo, tinham saído das fábricas da MLW no Canadá, e por essa razão os veículos Sherman portugueses são também chamados de Grizzly, dado ser essa a designação dada aos Sherman fabricados por aquela empresa de Montreal.

Os veículos fornecidos pelo Canadá a Portugal, foram entregues ao abrigo do programa de defesa MDAP.
Tratou-se de viaturas retiradas de serviço nas unidades do exército do Canadá estacionadas na Alemanha Ocidental e cedidas a Portugal.

Apenas quatro dessas viaturas chegaram a ser utilizadas, como viaturas de instrução. Os custos de manter uma força de carros blindados de transporte de pessoal era demasiado elevado para as capacidades portuguesas nos anos 50 e com o inicio dos anos 60, as prioridades passaram para viaturas que pudessem ser utilizadas nos conflitos africanos.


Forum de discussão

O Kangaroo pode ser considerado como um dos primeiros veículos blindados de transporte de pessoal modernos.

Trata-se de um derivado do tanque RAM, fabricado no Canadá e indirectamente derivado do M3 de origem norte-americana.
Quando os «Ram» foram considerados inadequados para operações de combate, porque mesmo com uma peça de 57mm eles não podiam perfurar a blindagem dos tanques alemães, as unidades disponíveis foram utilizadas para formação de guarnições.

Mas se o carro de combate RAM foi inicialmente considerado redundante e insuficientemente armado, rapidamente surgiu uma oportunidade para o utilizar, ainda que com modificações.
Essa oportunidade surgiu após o desembarque dos aliados na Normandia no norte de França em Junho de 1944.



Estradas do norte da França: Perigo para os carros de combate americanos e britânicos.
A necessidade de um veículo blindado de infantaria
As estradas estreitas daquela região, demonstraram logo a partir dos primeiros dias ser um potêncial inferno para as forças aliadas. Os alemães utilizaram o terreno e a vegetação em seu favor, efectuando ataques com viaturas e peças de artilharia anti-tanque escondidas nas sebes que ladeavam as estradas. Os ataques de emboscada utilizavam canhões mecanizados (caça-tanques) ou peças anti-carro de infantaria, ocultadas na vegetação para destruir os blindados americanos e britânicos.

Do ponto de vista táctico, a solução para ultrapassar este tipo de obstáculo, era a de cortar caminho.
Ou seja: Os tanques aliados deveriam sair da estrada e tentar flanquear as forças alemãs, atacando-as pela retaguarda, fazendo-as sair das suas posições ocultas.
Mas para fazer isto, os tanques precisavam de apoio da infantaria e as viaturas americanas M-2 «Halftrack» de meia-lagarta , ainda que bastante moveis, não conseguiam ultrapassar a densa vegetação típica do norte de França.

A solução para o problema, passava por dispor de uma viatura que pudesse transportar a infantaria, e que pudesse acompanhar os tanques, passando pelos mesmos caminhos inacessíveis de vegetação cerrada sem dificuldade.
A necessidde de proteger a infantaria era maior entre as forças da Grã Bretanha e do Canadá, que tinham muito mais dificuldade em repor as baixas em combate que as forças norte-americanas. É por isso que parte dos canadianos a ideia de resolver o problema com soluções de emergência.

A primeira solução, passou pela utilização do veículo de artilharia M-7 «Priest» com a sua peça principal de 105mm removida, que apresentava ainda a desvantagem de ser muito alto. A outra solução encontrada passou pela conversão de algumas centenas de tanques RAM, em transportes de infantaria.

500 unidades do tanque «Ram», foram submetidas a uma reconversão, que passou pela remoção da torre, e pela colocação de assentos no compartimento de combate, que permitiam a uma secção de infantaria seguir dentro do veículo, completamente protegida.

Tendo por base o tanque RAM, o Kangaroo manteve a pequena torreta colocada à frente do lado esquerdo armada com uma metralhadora 12,7mm (mais tarde substituida por uma arma de calibre 7,62mm). Com esta arma, quase que se pode dizer que o Kangaroo foi o primeiro veículo de combate de infantaria da história.
Foto de combates nas estreitas estradas do norte da França. À direita um carro Panther destruido. Numa estrada estreita, onde era inevitável o confronto de um para um, o Sherman não podia enfrentar o Panther. Tornava-se necessária a utilização de tácticas de diversão, que implicavam utilizar a infantaria, que por isso precisava acompanhar os tanques. Como os veículos meia lagarta norte-americanos não o conseguiam fazer, foi necessária uma solução de emergência, que resultou no Kangaroo.


Kangaroo derivados do M4 «Sherman»

A designação Kangaroo, foi também utilizada para designar as viaturas Sherman que foram submetidas ao mesmo tipo de conversão, com a remoção da torre e a instalação de bancos para o transporte de uma secção de infantaria.

Exteriormente os veículos Kangaroo com base no Sherman distinguem-se por não possuirem a pequena torreta colocada à frente do lado esquerdo e por terem condução à esquerda e não à direita como no RAM.

Outros veículos utilizados com a mesma designação

O termo «Kangaroo» foi utilizado para designar genéricamente viaturas blindadas que davam protecção total à infantaria. Por isso foram designados Kangroo os carros «RAM», «Sherman», os derivados «Priest» e até carros de combate «Churchill»,

Informação genérica:
Este tipo de viaturas blindadas resultou da decisão tomada nos primeiros meses de 1940, de fabricar carros de combate no Canadá.

A opção inicial tinha sido pelo fabrico naquele país do carro de combate M3 (Grant / Lee), mas durante 1940 as análises feitas levaram a que se concluisse que aquele modelo não era adequado nem se adequava às necessidades operacionais do exército britânico.

No final de 1940 foi então decidido prosseguir com o desenvolvimento, mas procedendo a alterações no desenho original adaptando-o às necessidades.

Os desenvolvimentos desta familia de veículos, acabaram por levar a um veículo exteriormente parecido com o M4 «Sherman» norte-americano, que na prática é também um desenvolvimento do tanque M3.

Internamente, o RAM tinha condução à direita e o lugar do condutor estava colocado numa posição mais baixa.

Do lado esquerdo estava colocada uma torreta equipada com uma metralhadora .

A torre também era diferente da americana, menos arredondada, embora fosse fundida numa só peça.

Sexton
Em meados de 1941, o exército britânico procurava um chassis adequado para a produção de um sistema de artilharia auto-propulsada e o veículo que a MLW estava a desenvolver no Canadá foi imediatamente visto como uma possibilidade.

O «Sexton» era parecido com o projecto norte-americano «Priest» que previa a colocação de um óbus de 105mm num chassis derivado do do Sherman, mas ao contrário do sistema norte-americano os britânicos pretendiam instalar uma arma standard da artilharia britânica, a peça de 88mm (25 libras).

Kangaroo

Na fase final da guerra, a necessidade de uma viatura de transporte de infantaria que permitisse transportar os homens juntamente com os tanques levou a que se considerasse a possibilidade de adaptar os Sherman para a tarefa.

O numero de perdas dos Sherman para os carros de combate alemães, era no entanto muito elevado, o que levou os generais a não aceitar tal possibilidade.

É então que surge a ideia de transformar os carros de combate RAM, os quais, armados com uma peça de 57mm, eram apenas utilizados para treino.
Essa adaptação será conhecida como Kangaroo.