Dados sobre países utilizadores:


Listar veículos do tipo
Veículo médio de reconhecimento

Veículos idênticos ou relacionados:


Humber Mk IV
Veículo médio de reconhecimento

 

Humber Mk IV
Veículo médio de reconhecimento (Humber - Rootes)
Humber Mk IV

Projeto: Humber - Rootes
Reino Unido
Dimensões
Comprimento
Comprimento máximo
Largura
Altura
Altura máxima
4.53
n/disponivel
2.18m
2.34M
Peso vazio
Peso / combate
Cap. Carga
Reboque
7t
8t
N/disponivel
N/disponivel
Motor / potência / capacidades
Motor
Potência
Vel. maxima
Terr. Irregular
Rootes 6cyl
90cv
80 Km/h
12 Km/h
Tração
Tanque combustivel
Autonomia
Tripulação
Quatro rodas motrizes
135 Litros
200Km
3
60º
0.76M
0M
0M

Armamento básico
- 1 x 37mm M3/M6 m.38 L/53 (Calibre: 37mm - Alcance estimado de 1Km a 1.7Km)
Sistema de radar auxiliar:

País: Portugal
Designação Local:A.M. 4x4 m/943
Qtd: Máx:49 - Qtd. em serviço:0
Situação: Retirado
Operacionalidade:
Designadas como autometralhadoras, estas viaturas foram recebidas em Portugal ainda durante a II guerra mundial, em 1943, embora não seja claro se essas viaturas são do tipo Mk.4.

Os Humber foram utilizados em unidades no antigo ultramar português. Estas autometralhadoras foram distribuidas aos esquadrões de reconhecimento que estavam destacados no Estado da Índia em 1961 por alturas da invasão indiana.
Eram os veículos melhor armados de todos os que se encontravam naquele território português e segundo as descrições conhecidas participaram em acções de retardamento do avanço das forças da União Indiana contra a capital do território.

Os veículos tinham na altura quase 20 anos e havia claras dificuldades na manutenção do parque de viaturas. Uma das Humber Mark IV na India, ao serviço do 1º Esquadrão de Reconhecimento em Goa, acompanhava uma viatura de transporte que tinha o escape roto e produzia tanto ruido, que durante a madrugada de 18 de Dezembro levou à debandada de forças indianas, que interpretaram os tiros da autometralhadora juntamente com o escape roto, como sendo ruido de um carro de combate pesado.

Estiveram ao serviço na India 37 viaturas. Para Macau foram enviadas 8 viaturas. Outras quatro ficaram no continente português atribuidas uma ao Regimento de Lanceiros Nr.1 outra ao Regimento de Cavalaria 6, outra ao Regimento de Cavalaria 8 e quarta à Escola Prática de Cavalaria.


Forum de discussão

Esta viatura, na sua versão Mk.I entrou ao serviço do exército britânico ainda em 1941, armada com uma metralhadora.

As exigências e necessidades da guerra levaram a que fosse desenhada uma versão mais pesadamente armada. A pequena dimensão do veículo não permitia grandes veleidades, mas ainda assim foi-lhe adaptada uma torre armada com um canhão de 37mm que era utilizada nos carros de combate M3 e M5.

A arma, não tinha capacidade para perfurtar a blindagem dos carros de combate aemães, mas podia ser utilizada com eficiencia contra viaturas levemente blindadas.
A sua principal vantagem era a alta velocidade em estrada. Já a sua mobilidade em terreno acidentado era pouca.

Após a II guerra mundial, muitas destas viaturas foram fornecidas a vários exércitos.

Informação genérica:
O «Humber» foi o mais numeroso veículo de reconhecimento fabricado pelas industrias da Grã Bretanha durante a II guerra mundial, com mais de 5400 unidades fabricadas.

As primeiras versões do veículo estavam apenas armadas com metralhadoras, numa altura em que o armamento principal dos carros de combate pesados estava em 40mm.

Com o evoluir do conflito mundial as viaturas foram sendo adaptadas às necessidades e ao pedido para que fossem adaptadas armas cada vez mais poderosas.

Além das versões standard de reconhecimento, o Humber também serviu de base para a produção de viaturas anti-aéreas.

Com base no Humber britânico, foi produzida no Canadá uma versão deste veículo, conhecida como «Fox».