Dados sobre países utilizadores:


Listar veículos do tipo
Veículo Blindado Transporte Pessoal

Veículos idênticos ou relacionados:


BTR-60PB
Veículo Blindado Transporte Pessoal

BTR-70
Veículo Blindado Transporte Pessoal

BTR-80
Veículo de Combate de Infantaria

BTR-100
Carro de combate leve

2S23 «Nona-SVK»
Morteiro autopropulsado

BTR-90
Veículo de Combate de Infantaria

BTR-4 / APC
Veículo Blindado Transporte Pessoal

 

BTR-70
Veículo Blindado Transporte Pessoal (Soviet State Factories)
BTR-70

Projeto: Soviet State Factories
União Soviética
Dimensões
Comprimento
Comprimento máximo
Largura
Altura
Altura máxima
7.535
n/disponivel
2.8m
2.235M
Peso vazio
Peso / combate
Cap. Carga
Reboque
10t
11.5t
N/disponivel
N/disponivel
Motor / potência / capacidades
Motor
Potência
Vel. maxima
Terr. Irregular
2x ZMZ-4905 6cyl.
240cv
80 Km/h
20 Km/h
Tração
Tanque combustivel
Autonomia
Tripulação
Oito rodas motrizes
350 Litros
600Km
2+9
60º
40º
Anfíbio
2M
0.5M

Armamento básico
- 1 x 14,5mm KPVT (T) (Calibre: 14.5mm - Alcance estimado de 1Km a 2Km)
Sistema de radar auxiliar:


Forum de discussão

Desenhado nos anos 70 o BTR-70 foi mostrado pela primeira vez numa parada militar em 1980 na União Soviética. Ele destinou-se a substituir o BTR-60, nomeadamente com a colocação de um sistema motriz mais potente, mas também constituido por dois motores como no BTR-60. A blindagem foi melhorada de 7mm para 9mm.
Visto de trás, o veículo é muito parecido com o BTR-60 de que deriva, embora a parte da frente mostra algumas modificações significativas pois o deflector de ondas (utilizado para atravessar rios e lagos) está voltado ara cima, enquanto que no BTR-60 está voltado para baixo. Esta é a forma mais simples de distinguir um veículo do outro.

Na lateral, o BTR-70 dispõe de uma pequena porta na parte inferior do casco entre a segunda e a terceira roda. Esta porta não existia no anterior BTR-60 e destina-se a permitir a evacuação da guarnição que segue dentro do veículo sem forçar a saída pelas escotilhas superiores.
Como tem um motor traseiro, o BTR-70 não têm uma saida traseira.

O armamento do BTR-70 não sofreu modificações e continuou a consistir numa torre armada com uma metralhadora pesada de 14,5mm e accionada manualmente.

Acima imagem traseira do BTR-70.


TAB-77
Na Romenia foi produzida uma versão local do BTR-70 chamada TAB-77, que substituiu o TAB-71 (versão romena do BTR-60). O TAB-77 tem modificações ligeiras relativamente ao modelo original. A torre é distinta e está armada com a metralhadora 14,5mm e com uma segunda metralhadora coaxial de 7,62mm. O veículo romeno foi utilizado exclusivamente pelas forças armadas daquele país.

Informação genérica:
Os veículos BTR-Bronye TRransporter ou Transporte Blindado em português, remontam ao periodo final da II guerra mundial, nomeadamente ao modelo BTR-40, praticamente um pequeno camião aberto e com blindagem lateral, desenvolvido ainda durante o periodo da II Guerra Mundial, em 1944, embora só tenha entrado ao serviço em 1950 e inspirado nas viaturas White Scout Car.

A partir dos anos 60, a União Soviética começou a conceber viaturas na configuração 8x8, que passou a ser a configuração standar para as viaturas blindadas de transporte de pessoal.

O primeiro desses veículos foi o BTR-60 com tração 8x8. Ele veio inicialmente complementar o BTR-152, embora também acabasse por substituir os BRDM-2, à medida que os veículos 4x4 foram sendo abandonados e foram sendo substituidos pelas versões BTR mais eficientes e mais capazes com a sua tração às oito rodas.

Posteriormente ao BTR-60, foram lançadas diferentes versões de viaturas 8x8.

O BTR-70, veio incluir uma motorização simplificada e acesso por pequenas portas laterais.

O BTR-80, apresentou novidades na facilidade de evacuação do veículo e incluiu um novo motor e uma torreta redesenhada que permitia à metralhadora 14,5mm fazer fogo anti-aéreo.

O BTR-90, foi a última derivação deste tipo de viaturas, com a inclusão de uma nova torreta armada com canhão de 30mm em substituição da metralhadora 12,7mm.

Com o fim da União Soviética, a Ucrânia continuou a produzir a sua própria derivação, conhecida como BTR-4.