Dados sobre países utilizadores:


Listar veículos do tipo
Carro de combate médio

Veículos idênticos ou relacionados:


Valentine Mk.I / Mk.IV
Carro de combate médio

Valentine Mk.VIII
Carro de combate médio

Bishop
Artilharia Auto propulsada

Archer
Caça-tanques

 

Valentine Mk.VIII
Carro de combate médio (Vickers)
Valentine Mk.VIII

Projeto: Vickers
Reino Unido
Dimensões
Comprimento
Comprimento máximo
Largura
Altura
Altura máxima
5.41
5.6m
2.63m
2.27M
Peso vazio
Peso / combate
Cap. Carga
Reboque
16t
17.5t
N/disponivel
N/disponivel
Motor / potência / capacidades
Motor
Potência
Vel. maxima
Terr. Irregular
AEC A190 Diesel
131cv
24 Km/h
15 Km/h
Tração
Tanque combustivel
Autonomia
Tripulação
Lagartas
N/disponível
145Km
3
20º
30º
0.91M
2.29M
0.84M

Armamento básico
- 1 x 57mm QF L/43 Mk 2 / Mk 3 (Calibre: 57mm - Alcance estimado de 1Km a 1.5Km)
Sistema de radar auxiliar:

País: Reino Unido
Designação Local:Valentine Mk. VIII
Qtd: Máx:1393 - Qtd. em serviço:0
Situação: Retirado
Operacionalidade:
Os Valentine Mk.VIII com canhão de 57mm começaram a ser entregues ainda em 1942 e participaram na guerra no deserto. No entanto, nessa altura, os alemães já tinham enviado para o deservo alguns dos seus carros de combate mais recentes, como os novos Panzer IV com canhão longo de 75mm. Estes carros ainda que poucos, não tinham um opositor à altura. Naturalmente que os Valentine não podiam defrontar os carros alemães.

No entanto em situações de combate com os tanques italiano e com os carros de combate alemães mais antigos o Valentine tinha alguma vantagem. Como no modelos anteriores, a principal vantagem do Valentine era no entanto a qualidade da sua blindagem.


Forum de discussão

O Valentine Mk. VIII representou a evolução natural deste carro de combate britânico, que inicialmente tinha recebido a única arma anti-carro eficaz que a Graã Bretanha podia produzir em quantidade.

A retirada apressada das forças britânicas da França em 1940, deixou a Grã Bretanha numa situação desesperada, e por essa razão foi decidido continuar a produzir a arma de 40mm (2 pounder / 2 libras) para não comprometer a capacidade de produção.

Quando o numero de armas de 40mm era já seguro e quando a estrutura industrial o permitiu, começou-se a produzir uma nova arma anti-carro de 57mm.
Foi então iniciada uma operação de reconversão dos Valentine Mk.III para a versão Mk.VIII, que correspondeu à suabstituição da peça original de 40mm por uma de 57mm. A modificação implicou modificações na torre, nomeadamente a necessidade de remover a metralhadora coaxial.
Foram convertidos 256 exemplares ainda em 1942, 1102 em 1943 e em 1944 ainda foram feitas 35 conversões, totalizando 1,393 Valentine M.VIII convrtidos para utilizar a peça anti-carro de 57mm.

A blindagem também foi ligeiramente reduzida especialmente nas laterais, para equilibrar o peso do veículo e não pedir esforço adicional do motor.

Os carros de combate Valentine, continuaram a ser produzidos até 1944. Os Valentine Mk.V com peça de 40mm também receberam o novo canhão e estes modelos ficaram conhecidos como Mk.IX.
Os Valentine Mk.X foram dos últimos veículos do tipo a sair de fábrica, já com, uma nova torre, propositadamente construida para receber a peça de 57mm juntamente com a metralhadora coaxial Besa,

Informação genérica:
Os veículos do tipo Valentine e derivados apareceram em 1938 inicialmente como um empreendimento privado, sem qualquer apoio do Estado, mas respondendo ao conceito britânico de «tanque de infantaria».

Armado com um canhão de 40mm nas suas versões iniciais, o Valentine tinha inicialmente capacidde para enfrentar os tanques alemães Panzer-II e Panzer-III, mas com o evoluir do conflito a deficiência tornou-se evidente.

O Valentine foi produzido em 11 versões distintas de carros de combate, que foram sucessivamente armados com diferentes armamentos principais:

Até à versão Mk.VII :
Canhão de 40mm (2 libras).

A partir da versão Mk. VIII
Canhão de 57mm (6 libras)

Versão Mk.XI :
Canhão de 75mm

A motorização inicial também foi evoluindo, embora sempre limitada pelo espaço disponível para a colocação do motor. O AEC-A190 de 131cv, foi substituido por um motor da General Motors de 192cv nas últimas versões.

Caça-tanques «Archer» e óbus auto propulsado «Bishop»

Ele também serviu de base para um dos mais eficientes veículos caça-tanques produzido pelos aliados ocidentais, que ficou conhecido como «Archer» (mais de 600 produzidos), armado com o poderoso canhão anti-tanque britânico de 76mm (17 libras).

Além da versão caça-tanques também foi desenvolvido um óbus auto propulsado que ficou conhecido como «Bishop»(mais de 100 unidades fabricadas), equipado com um óbus de 88mm (25 libras) utilizado pelos britânicos ao longo de todo o conflito.