Dados sobre países utilizadores:


Listar veículos do tipo
Caça-tanques



Veículos idênticos ou relacionados:


M10
Caça-tanques

M36
Caça-tanques

 

M10
Caça-tanques (Fisher Tank Arsenal (GM))
M10

Projeto: Fisher Tank Arsenal (GM)
Estados Unidos da América
Dimensões
Comprimento
Comprimento máximo
Largura
Altura
Altura máxima
6
6.83m
3.05m
2.57M
Peso vazio
Peso / combate
Cap. Carga
Reboque
27t
29.34t
N/disponivel
N/disponivel
Motor / potência / capacidades
Motor
Potência
Vel. maxima
Terr. Irregular
2 x GMC 6046
375cv
51 Km/h
30 Km/h
Tração
Tanque combustivel
Autonomia
Tripulação
Lagartas
750 Litros
322Km
5
0.91M
2.33M
0.61M

Armamento básico
- 1 x 76.2mm M1A1 L/55 (Calibre: 75mm - Alcance estimado de 1.2Km a 2Km)
Sistema de radar auxiliar:

País: Estados Unidos da América
Designação Local:M10
Qtd: Máx:0 - Qtd. em serviço:0
Situação: Retirado
Operacionalidade:
Os problemas enfrentados pelos caça-tanques baseados na viatura M3 «halftrack» no norte de África, apressaram a introdução do M10, que foi pela primeira vez utilizado em Itália. O veículo era considerado muito volumoso pelos seus detractores.
A principal utilização dos M10 por parte dos norte-americanos ocorreu no norte de França durante a campanha na Normandia, onde em média cada batalhão de M10 destruiu 22 blindados alemães e 23 ninhos de metralhadoras ou armas anti-tanque.

Estes números são consequência do facto de os M10 cedo terem começado a ser utilizados para apoio da infantaria, utilizando o seu armamento principal para tiro directo sobre posições alemãs fortificadas.

Os M10 mostraram algumas capacidades durante a batalha das Ardenas, o único recontro em que os americanos defrontaram uma grande ofensiva blindada alemã, especialmente na defesa da linha de alturas de Elsenborg.
Durante a batalha das Ardenas, 306 blindados alemães foram destruidos e a maior parte deles caiu vítima dos caça-tanques americanos, que ocupando posições defensivas podiam aproveitar alguma vantagem táctica.

Os M10 também foram utilizados pelos norte-americanos no Pacífico, mas normalmente na função de apoio à infantaria, dado practicamente não haver ameaças blindadas e os tanques japoneses serem na sua grande maioria muito inferiores aos americanos.


Forum de discussão

O M10 foi o primeiro caça-tanques norte-americano, desenvolvido propositadamente para corresponder à doutrina que tinha sido desenvolvida a partir de 1940 pelos especialistas de blindados.
Ele baseia-se no chassis do carro de combate M4 «Sherman», ainda que inicialmente tivessem sido feitos testes com o anterior modelo M3, que foi rejeitado por causa do seu alto perfil, que foi julgado desadequado para a função pretendida.

O modelo esteve em produção desde Setembro de 1942 até Dezembro de 1943, tendo saído das fábricas 4,993 exemplares.
O M10 estava armado com um canhão de 76,2mm que tinha sido desenvolvido durante o final dos anos 30 e inicio dos anos 40, baseado numa arma anti-aérea e a sua velocidade de disparo era bastante mais elevada que a dos canhões de 75mm que equipavam os tanques M3 «Grant / Lee» e os na altura novos tanques médios «Sherman».

Julgava-se que o poder desse armamento poderia contrariar e derrotar a blindagem dos carros de combate alemães.
O M10 foi inicialmente utilizado conforme as tácticas que haviam sido concebidas pelos generais americanos, mas no norte de França rapidamente o conceito mostrou ser impossível de aplicar.
Em grande numero de casos a utilização do caça tanques contra um tanque resultaria desvantajosa e a velocidade do M10, que era baseado no Sherman, não era muito superior à velocidade de um carro de combate alemão.

Com o abandono da doutrina das formações de caça-tanques, o M10 não tinha uma função claramente definida, pelo que na maioria dos casos eles foram utilizados para apoio da infantaria.
Ainda assim os M10 foram utilizados durante a tomada de Paris pelas forças francesas que estavam integradas no dispositivo norte-americano, tendo destruido um carro de combate Panther.

O M10 foi utilizado por outros países. Os britânicos receberam várias centenas de unidades mas armaram-nos com o canhão anti-carro de 76mm (17 libras) de fabrico britânico, que era muito mais eficiente que o seu equivalente americano. A União Soviética também recebeu meia centena de viaturas, embora não haja informaçoes sobre como as viaturas foram utilizadas.

Informação genérica:
Os primeiros caça-tanques norte-americanos foram baseados no chassis do carro de combate M4 «Sherman».

Podemos distinguir dois modelos de caça-tanques convencionais desenvolvidos pela industria norte-americana com base nesse chassis:

M10 - O primeiro destes veículos, foi desenvolvido a partir do carro de combate M4 «Sherman». Ele recebeu o canhão M7 de 76,2mm. Esteve em produção durante apenas quinze meses.

M36 - Idêntico ao M10 e também baseado no chassis do M4 «Sherman», este modelo foi armado com peça de 90mm, e especialmente desenhado para permitir deter a blindagem dos tanques alemães Tiger e Panther.

US Tank Destroyers

O conceito norte-americano de viaturas anti-tanque evolui de forma diferente da alemã e da soviética.
Antes do inicio da II guerra, nos Estados Unidos estavam em estudo várias possíveis tácticas sobre a utilização de blindados, e os Estados Unidos estavam a desenvolver as suas próprias divisões blindadas, que eram vistas como um armamento ofensivo, rápido.

Mas em 1940, a rápida queda da França que coincidiu com a derrota das forças biritânicos na Bélgica e norte de França foi completamente inesperada para os estrategas norte-americanos.
Essa derrota, levou os especialistas daquele país a desenvolver um conceito de emergência, que permitisse derrotar aquilo que parecia ser uma enorme superioridade numérica dos carrros de combate alemães.

As teses americanas partiam do principio de que a vitória alemã tinha sido possível por causa do rápido avanço dos blindados, e da impossibilidade de deter ou cortar as pinças blindadas do avanço alemão. A solução mais óbvia para os militares americanos pareceu ser a de utilizar maciçamente unidades de caça-tanques, que deveriam atacar os carros de combate alemães. A função deveria ser desempenhada por uma viatura que utilizasse o mais poderoso canhão anti-carro disponível e que fosse ao mesmo tempo suficientemente rápida, para poder ter a vantagem táctica da iniciativa do seu lado, dado que para os americanos, um dos problemas dos franceses tinha sido o facto de os contra-ataques franceses não terem sido suficientemente rápidos e concentrados.

Ao contrário do que viria a ser tradicional nos veículos caça-tanques europeus, os norte-americanos consideravam que os seus caça-tanques deveriam dispor de uma torre com deriva total (rodando 360º).
Isso fazia com que os caça-tanques fossem muito parecidos com os tanques, com a diferença principal a residir no facto de aqueles disporem de uma blindagem inferior e de uma torre aberta.
A redução da blindagem levaria a um peso menor e isto a uma maior mobilidade do ponto de vista táctico, que era exigência da doutrina.

Os caça tanques norte-americanos podem dividir-se em três grupos:

Os primeiros veículos desenvolvidos de emergência para a guerra no norte de África, não correspondiam exactamente ao conceito inicial. Tratava-se de peças de 75mm instaladas numa viatura do tipo M-2 «Halftrack», que só podia disparar para a frente, não possuindo torre.

Posteriormente, foi desenvolvido um caça-tanques com base no chassis do M4 «Sherman» armado com uma peça de 75mm. Essa arma principal foi considerada pouco eficiente, o que despoletou o desenvolvimento do M36, que é basicamente o mesmo veículo, mas armado com uma peça de 90mm muito mais poderosa.

Não relacionado directamente com nenhum dos dois anteriores veículos foi desenvolvido o M18 «Helcat», que não foi baseado em nenhum chassis já existente e que foi desenhado propositadamente para a função, sendo considerado o mais eficiente de todos os caça-tanques norte-americanos.