Dados sobre países utilizadores:


Listar veículos do tipo
Veículo Blindado Transporte Pessoal

Veículos idênticos ou relacionados:


BTR-50PK
Veículo Blindado Transporte Pessoal

PT-76
Carro de combate leve

ASU-85
Caça-tanques

Type-63
Carro de combate leve

ZSU-23-4 «Shilka»
Sistema defesa antiaérea Curto/Médio alc.

Type-63A
Carro de combate leve

 

BTR-50PK
Veículo Blindado Transporte Pessoal (Soviet State Factories)
BTR-50PK

Projeto: Soviet State Factories
União Soviética
Dimensões
Comprimento
Comprimento máximo
Largura
Altura
Altura máxima
7.08
n/disponivel
3.14m
1.97M
Peso vazio
Peso / combate
Cap. Carga
Reboque
11t
14.2t
N/disponivel
N/disponivel
Motor / potência / capacidades
Motor
Potência
Vel. maxima
Terr. Irregular
V-6-6 Diesel
240cv
44 Km/h
20 Km/h
Tração
Tanque combustivel
Autonomia
Tripulação
Lagartas
400 Litros
400Km
2+20
60º
30º
Anfíbio
2.8M
1.1M

Armamento básico
- 1 x 7.62 DT Degtiarev (Calibre: 7.62mm - Alcance estimado de 0.8Km a 0.8Km)
Sistema de radar auxiliar:

País: Angola
Designação Local:BTR-50
Qtd: Máx:92 - Qtd. em serviço:0
Situação: Retirado
Operacionalidade:
As viaturas BTR-50 estiveram entre as primeiras a chegar a Angola ainda antes da independência em 1975, altura em que chegaram 92 exemplares. Na fase inicial do conflito angolano este tipo de viatura de transporte era visto como minimamente adequado para as necessidades, por causa da sua capacidade anfibia e por causa do tipo de ameaça reduzida que se esperava encontrar.

Não voltaram a ser recebidos mais exemplares deste tipo de veículo, que mesmo para o conflito angolano estava já irremediavelmente obsoleto.


Forum de discussão

O BTR-50 foi o primeiro veículo de transporte de infantaria sobre lagartas do exército soviético. Ele foi mostrado pela primeira vez em 1957, embora o seu desenvolvimento tenha começado no inicio dos anos 50.

Tradicionalmente, durante os conflitos na Europa, que culminaram com a II guerra mundial, os avanços dos exércitos sempre tinham sido condicionados pelos rios, lagos e cursos de agua. Já Napoleão teve a sua maior derrota na Rússia por causa dos problemas na travessia do rio Berezina.
No teatro centro-europeu, as posições fortificadas eram normalmente estabelecidas com base em rios e a retirada das forças vencidas dava-se normalmente para outra sucessão de linhas defensivas que também se apoiavam nos cursos de água.

Assim, considerando a experiência, o BTR-50 foi concebido para permitir à infantaria acompanhar o avanço das viaturas blindadas, com a vantagem adicional de permitir às forças de infantaria atravessar cursos de água.

O desenvolvimento do BTR-50 ocorreu paralelamente com o desenvolvimento do carro de combate anfíbio PT-76. As duas viaturas deveriam operar em conjunto em unidades especializadas. Com estas viaturas o exército vermelho podia efectuar ataques mesmo atravessando cursos de água, aproveitando para consolidar facilmente as testas de ponte, avançando posteriormente para o interior.

O BTR-50 foi o primeito Taxi de batalha do exército vermelho e transformou-se numa das viaturas blindadas mais utilizadas pelos países do Pacto de Varsóvia e por países satélites da União Soviética.

Ele move-se na água com o auxilio de hidrojactos. À frente o BTR-50 possui um quebra ondas que é elevado auando o veículo está na água, mas o condutor precisa de utilizar um periscopio para poder dirigir a viatura. O bordo livre (distância entre a linha de água e as entradas de água mais baixas) é de apenas 15cm, o que leva a que o BTR-50 só possa ser utilizado em águas sem ondulação.

Debilidades
O principal problema apontado ao BTR-50, pelos próprios militares que utilizavam a viatura era o facto de ele ser na prática um camião com lagartas, que transportava a infantaria completamente desprotegida.
Por isso foi lançada uma versão modernizada do BTR-50, conhecida como BTR-50PK, que se distinguia por cobrir completamente o compartimento onde seguiam as tropas.

A blindagem do BTR-50 no entanto continuou a ser relativamente reduzida (no máximo 10mm de aço) e a viatura não resistia a disparos de metralhadoras pesadas de 12.7mm, muito comuns nos exércitos dos países ocidentais.

Plataforma flexivel
A plataforma do BTR-50, acabou por ser aproveitada para vários tipos de veículos blindados soviéticos.

Informação genérica:
Este tipo de veículo de combate anfíbio, foi inicialmente projectado na União Soviética e o seu desenvolvimento ocorre na sequência de aturados estudos que começaram já nos anos 20 para conseguir um veículo que não estivesse dependente do atravessamento de pontes e que assim conseguisse dominar completamente o território da antiga União Soviética.

A familia de veículos tem a sua origem no tanque anfíbio PT-76 (Plavaushiy Tank 76) equipado com um canhão de 76mm de baixa velocidade e na viatura blindada de transporte de pessoal BTR-50.

A China também produziu as suas versões destes dois veículos, como é o caso do carro anfíbio Type-63, equipado com canhão de 85mm, embora no caso chinês o canhão seja mais poderoso e o transforme num veículo com capacidade anti-tanque.

Vários outros veículos estão incluidos nesta familia e utilizam o mesmo chassis, como o já referido BTR-50, o sistema anti-aéreo ZSU-23-4,o sistema de mísseis anti-aéreos SA-6 «Gainful».
Também se pode considerar que este tipo de sistema foi a base a partir da qual foram concebidas as viaturas de combate de infantaria do tipo BMP-1.

Tendo como base o PT-76, foi também produzido um veículo especializado para apoio a unidades ligeiras, chamado ASU-85. O conceito é o mesmo que foi utilizado durante a II guerra mundial, para os veículos caça-tanques.

O ASU-85 tem um canhão de casco de calibre 85mm.
Com esse tipo de arma ele tinha possibilidade de atacar carros de combate médios. No entanto o ASU-85 não tinha capacidade anfíbia.