Dados sobre países utilizadores:


Listar veículos do tipo
Viatura táctica média



Veículos idênticos ou relacionados:


ZIS-151 / ZIL-157
Viatura táctica média

CA-30 «Jiefang»
Viatura táctica média

ZIL-131
Viatura táctica média

 

ZIS-151 / ZIL-157
Viatura táctica média (ZIL)
ZIS-151 / ZIL-157

Projeto: ZIL
Russia
Dimensões
Comprimento
Comprimento máximo
Largura
Altura
Altura máxima
6.93
n/disponivel
2.32m
2.31M
Peso vazio
Peso / combate
Cap. Carga
Reboque
5.58t
9t
2500Kg
N/disponivel
Motor / potência / capacidades
Motor
Potência
Vel. maxima
Terr. Irregular
ZIS-121 5555cc
92cv
60 Km/h
20 Km/h
Tração
Tanque combustivel
Autonomia
Tripulação
Seis rodas motrizes
300 Litros
700Km
1
N/disponivel
0M
0M

Sistema de radar auxiliar:

País: União Soviética
Designação Local:ZIS-151 / ZIL-157
Qtd: Máx:0 - Qtd. em serviço:0
Situação: Retirado
Operacionalidade:
O ZIS-151 foi um dos simbolos da industria automovel soviética e substituiu directamente os camiões Studebaker que deixaram de ser fornecidos à União Soviética após o final da II guerra.
O ZIS-151 foi utilizado para várias funções, desde tractor para artilharia pesada até suporte para os sistemas de lançamento de foguetes (vulgo Katiusha), função em que também substituiram as viaturas norte-americanas.

O exército vermelho utilizou viaturas deste tipo até aos anos 80.


Forum de discussão

O modelo ZIS-151 e o equivalente ZIL-157 são derivados directos do modelo 6x6 Studebaker que deixou de ser fornecido à URSS em 1945. A necessidade de um substituto à altura levou a fábrica ZIS / ZIL a desenvolver um modelo equivalente. Na realidade o modelo soviético tem exteriormente mais parecenças com o veículo produzido pela «International Harvester».

A fábrica ZIL desenvolveu o modelo tendo como base o equipamento americano, com modificações específicas, considerando as realidades da industria soviética. O ZIS-151 entrou em produção em 1948 e passou a desempenhar as mesmas funções que estavam atribuidas aos Studebaker de fabrico norte-americano.

O modelo ZIL-157 foi lançado em 1958, já depois de o nome da fábrica ZIS ter sido alterado para ZIL (reflectindo o processo de desestalinização). A principal diferença encontra-se em modificações na grelha frontal. Fora isso, o sistema motriz manteve-se o mesmo.

Na imagem, o protótipo do ZIS-151




Foram produzidas várias séries e sub-séries dos veículos ZIL-157 e ZIS-151, de entre os veículos mais significativos encontra-se o célebre sistema de foguetes múltiplos «Katyusha».

O ZIS-151 também foi utilizado como base para o fabrico da viatura de transporte de pessoal BTR-152, que se manteve em produção até ao final dos anos 50. Ele também serviu como base para a construção da viatura BAV-485, uma cópia soviética da viatura anfíbia norte-americana DUKW.

Informação genérica:
Com o fim da II guerra mundial e o fim da lei de emprestimo-arrendamento, a União Soviética deixou de ter acesso ao auxilio norte-americano e especialmente às viaturas de transporte militar que recebia dos Estados Unidos.
Na realidade, ao abrigo dos contratos estabelecidos entre soviéticos e americanos, parte dos meios fornecidos tinha que ser destruida após o conflito.
Sabe-se que a URSS destruiu parte das viaturas de origem americana que tinha recebido, embora a maior parte continuasse ao serviço.

Ainda assim a necessidade de viaturas para substituir as que eram recebidas dos Estados Unidos era um problema que tinha que ser rapidamente resolvido.
A solução mais simples e mais prática foi a quase cópia dos camiões norte-americanos de 2,5t e a construção de uma versão soviética dos mesmos.

O ZIS-151, foi o primeiro desses veículos e foi baseado em grande medida nos modelos americanos embora não se possa afirmar que é uma cópia directa de nenhum deles.

O ZIS-151 evoluiu já nos anos 50 para o modelo ZIL-157, melhor motorizado e mais resistente.

A China acabou sendo influenciada pelas viaturas americanas, já que fabricou localmente os derivados soviéticos da família ZIS-151 / ZIL-157


Derivados
O ZIS-151, também deu origem a uma linha de viaturas blindadas de transporte de pessoal baseadas no seu chassis. Tratou-se do BTR-152, basicamente um camião da linha ZIS-151 com uma blindagem exterior.

Camiões soviéticos / influências
A industria automóvel da União Soviética, foi promovida pelo estado soviético a partir de meados dos anos 20. Foram feitos vários contactos internacionais e as melhores propostas de apoio vieram dos Estados Unidos, o país mais desenvolvido do mundo em termos automobilísticos. O estado soviético contratou várias empresas norte-americanas para montar a estrutura industrial que permitisse à URSS fabricar os seus próprios veículos.
AUTOCAR
De entre os casos mais destacados, está a fábrica ZIL, anteriormente chamada de ZIS e cujo nome inicial era AMO. A empresa foi reconstruida pelo fabricante norte americano «Autocar Company», cujo primeiro modelo foi o ZIS-5, uma cópia do modelo «CA» da própria Autocar.
FORD Outro exemplo, foi o complexo automobilístico da cidade de Gorky, que foi montado «chave na mão» pela Ford Motor Company norte americana. Como no caso da Autocar, a Ford também se comprometeu a transferir a tecnologia dos seus modelos de camiões mais recentes, como foi o caso do Ford-AA, fabricado pela GAZ como GAZ-AA.

A guerra e o apoio americano

Com a invasão alemã de Junho de 1941, a industria automóvel soviética converteu-se quase exclusivamente para a produção de armamento. A necessidade de meios de transporte logístico do exército vermelho, foi colmatada com o fornecimento de grandes quantidades de camiões norte-americanos, a partir de 1942.

Os americanos forneceram aos soviéticos quase meio milhão de camiões e viaturas automóveis, de entre as quais se destacam os modelos da 2,5t da Studebaker e os modelos de 1,5t da General Motors além dos famosos JEEP. Na fase final da guerra, quando terminou a ajuda americana, a industria soviética converteu muitas das suas industrias de armamento para produzir material de transporte.
Mais uma vez os soviéticos tomaram como referência o material americano que tinham utilizado durante a guerra.

A influência dos veículos americanos acabou por se extender à China, país que passou a produzir sob licença viaturas soviéticas.