Dados sobre países utilizadores:


Listar veículos do tipo
Viatura táctica Ligeira



Veículos idênticos ou relacionados:


Carden-Lloyd Mk.VI
Viatura táctica Ligeira

T-27
Viatura táctica Ligeira

CV-35
Viatura táctica Ligeira

L6/40
Carro de combate leve

 

Carden-Lloyd Mk.VI
Viatura táctica Ligeira (Vickers)
Carden-Lloyd Mk.VI

Projeto: Vickers
Reino Unido
Dimensões
Comprimento
Comprimento máximo
Largura
Altura
Altura máxima
2.46
n/disponivel
1.75m
1.22M
Peso vazio
Peso / combate
Cap. Carga
Reboque
1250kg
1500kg
N/disponivel
N/disponivel
Motor / potência / capacidades
Motor
Potência
Vel. maxima
Terr. Irregular
Ford model T 4cyl.
22cv
40 Km/h
15 Km/h
Tração
Tanque combustivel
Autonomia
Tripulação
Lagartas
N/disponível
144Km
2
0.5M
1.22M
0.41M

Sistema de radar auxiliar:


Forum de discussão

Desenhado e concebido pela Carden-Lloyd e fabricado pela Vickers, este veículo esteve na base de várias viaturas blindadas ligeiras fabricadas em vários países, após cedência de licença por parte do fabricante.

O Mark.VI foi de longe o mais fabricado de todos os veículos do tipo e é também com base nestes que foram produzidas outras versões em vários países europeus.

Utilizava o mesmo motor do Ford modelo T de 1926, com uma potência de 22cv[1]. O motor ficava ao meio com o condutor e o operador da metralhadora em cada um dos lados.

Ponto negativo neste veículo era a extrema debilidade da sua blindagem extremament fina, que dava aos militares - não habituados às viaturas blindadas - uma falsa ideia de segurança. A blindagem era de 5mm nas áreas menos protegidas e de 9mm nas áreas mais protegidas, mas os militares estavam praticamente desprotegidos.

A viatura foi considerada pouco adequada para as necessidades do exército britânico.
A sua blindagem variava entre 6mm e 9mm

Apesar destes problemas, muitos países viram no veículo uma base para a motorizaçao das suas forças e para a criação de forças blindadas.
Vários países compraram unidades para testes e outros adquiriram licenças de produção.


[1] - Algumas fontes apontam 40cv, mas este valor está claramente incorrecto. Na realidade o último motor do Ford T tinha uma potência ligeiramente reduzida para apenas 20cv.

Informação genérica:
As viaturas ligeiras desenhadas pela Carden-Lloyd e produzidas pela Vickers na Grã Bretanha, estiveram entre os primeiros veículos blindados de lagartas de muitos exércitos do mundo.
São ainda hoje designados como «Tankettes». Em português a tradução mais simples seria «Tanqueta». A designação implica uma viatura levemente blindada para transportar apenas um ou dois homens.

Produção pela Carden Loyd
A Carden-Loyd fabricou este tipo de veículos entre 1925 e 1928, altura em que a empresa foi comprada pelo conglomerado Vickers-Armstrong, que passou a responsabilizar-se pelo fabrico.
Por esta razão a viatura é também conhecida como «Vickers Carden-Loyd».

Além da produção britânica para consumo próprio e exportação, o modelo também foi produzido por vários países que adquiriram licenças para fabricar localmente a viatura.


O primeiro desenvolvimento destas viaturas ficou conhecido como Vickers/Carden-Lloyd Mk.I e apareceu em 1926. Na realidade ele era já uma derivação de um protótipo que foi pela primeira vez mostrado em 1924.

Mark I
Tratava-se de uma viatura levemente blindada, com 1600kg que transportava apenas o condutor.
Movido por um motor de 14cv o veículo dispunha de uma metralhadora que era também operada pelo condutor do veículo.

Mark II
Idêntico ao Mark I mas com uma suspensão diferente, com quatro rodas de cada lado em vez de sete.

Mark III
Idêntico ao Mark II mas com pneus de borracha a substituir as rodas metálicas.

Mark IV
O primeiro veículo do tipo com dois lugares. O condutor e o chefe da viatura que era também o operador da metralhadora pesada de meia polegada (12.7mm). Além disso havia cinco roletes de retorno.

Mark V
Um hibrido de motocicleta e viatura de lagartas. Apenas oito exemplares foram produzidos.

Mark VI
De longe o mais produzido dos veículos deste tipo, com mais de 400 exemplares fabricados.
Uma campanha publicitária a nivel internacional também ajudou a divulgar o conceito.
Bélgica, Checoslováquia, Itália, Holanda e União Soviética adquiriram licenças de fabrico desta viatura. A França, a Polónia, a URSS e a Checoslováquia também adaptaram a viatura e lançaram as suas próprias versões derivadas.