Dados sobre países utilizadores:


Listar veículos do tipo
Carro de combate leve

Veículos idênticos ou relacionados:


M11/39
Carro de combate leve

Semovente M41 75/18
Canhão de assalto

M-14/41
Carro de combate leve

M-41M
Caça-tanques

 

M11/39
Carro de combate leve (FIAT)
M11/39

Projeto: FIAT
Italia
Dimensões
Comprimento
Comprimento máximo
Largura
Altura
Altura máxima
4.85
n/disponivel
2.18m
2.25M
Peso vazio
Peso / combate
Cap. Carga
Reboque
9.8t
11.175t
N/disponivel
N/disponivel
Motor / potência / capacidades
Motor
Potência
Vel. maxima
Terr. Irregular
FIAT 8T V8 Diesel
125cv
32 Km/h
13 Km/h
Tração
Tanque combustivel
Autonomia
Tripulação
Lagartas
227 Litros
210Km
3
1M
2M
0.8M

Armamento básico
- 1 x 37mm L/40 Vickers-Terni (Calibre: 37mm - Alcance estimado de 0.3Km a 3Km)
- 2 x 8mm Breda Mod.38 (Calibre: 8mm - Alcance estimado de 0.8Km a 1.5Km)
Sistema de radar auxiliar:


Forum de discussão

Até 1937, altura em que as forças italianas foram clamorosamente derrotadas na batalha de Guadalajara, durante a guerra civil de Espanha, os italianos não tinham sentido necessidade de desenvolver mais as suas capacidades blindadas.

Os pequenos tanques da família CV33 / CV-35 relativamente velozes ainda que pouco armados e pouco blindados, tinham demonstrado as suas qualidades no teatro de operações africano, nomeadamente durante a guerra contra a Etiópia.

Porém, depois de Guadalajara, ficou óbvio que os pequenos tanques italianos não eram minimamente adequados para entrar em combate numa guerra mecanizada quando o lado oposto contava com tanques modernos.

O primeiro tanque médio italiano [1]

A Itália, que já tinha em estudo uma viatura leve derivada do CV-35 com uma configuração mais moderna, lançou-se no estudo e concepção de uma viatura blindada média, que fosse capaz de suplantar o T-26 soviético, que tinha sido uma das razões da derrota italiana em Guadalajara.

Na verdade, o M11/39, cuja concepção começou ainda em 1937 sob a direção do general Caraciollo di Feroletto, consistiu na cópia pura e simples da viatura britânica Vickers Mark-E de 6t, que também era a base da qual partiram os soviéticos para desenvolver o T-26.

Diferente configuração de armamento

A equipa de engenheiros italianos, tentou inovar, para corresponder ao que a especificação dos militares designava como «carro di rottura».
Este conceito pedia uma viatura que permitisse furar as linhas inimigas e onde o principal objetivo era a artilharia anti-tanque e a infantaria inimiga.
Por isso, foi decidido manter a torre com metralhadoras, que poderiam atingir a infantaria durante o avanço. Para enfrentar outros carros foi instalado um canhão de 37mm no casco.

O primeiro «tanque médio» italiano, surge assim como uma versão antecipada do que viria a ser conhecido alguns anos mais tarde como caça-tanques, uma viatura concebida para a colocação de uma arma principal na torre, mas que é modificada para permitir a instalação da arma principal no casco, sendo a torre removida, ou utilizada para a instalação de armamento mais ligeiro.

Foi feita uma encomenda para 100 exemplares que começaram a ser produzidos em 1939.

Mas rapidamente os militares perceberam que a colocação do armamento principal de 37mm no casco tornava a operação da viatura complicada. A tripulação de apenas três homens, tornava tudo ainda mais complicado.

Pelo que foi rapidamente decidido interromper a produção do M11/39 e começar a trabalhar na configuração inversa, com a arma principal instalada na torre e com as duas metralhadoras no casco à direita do condutor (ver M13/40 e M14/41).

Quando a Itália entrou na guerra em Junho de 1940, este era o único carro de combate relativamente capaz do exército italiano.



[1] - O M11/39 como os seus derivados eram classificados como tanques médios. No areamilitar.net consideramos tanque médio a viatura blindada com torre, com um peso máximo superior a 15t para viaturas produzidas até 1945. Por esta razão, o M11/39 é aqui classificado de carro de combate leve, embora não fosse essa a sua classificação original.

Informação genérica:
Durante a II Guerra Mundial, o principal carro de combate italiano foi tanque médio M-13, que derivou na série M-14 (a mais fabricada) e M-15.

M11/39 - Canhão de assalto

A primeira viatura do tipo foi no entanto o M11/39 o qual tinha uma configuração bastante diferente. Ele não podia ser considerado um carro de combate médio (tanque) mas sim um canhão de assalto. Ele estava armado com uma peça de 37mm alojada no casco e com uma torreta armada apenas de metralhadoras.
O conceito não provou e foi abandonado.

Ainda assim, foi com base no M11/39 que toda a família de viaturas deste tipo foi concebida.

M-13/40 Foi o primeiro destes veículos com a configuração de tanque tradicional, com a arma principal numa torre. Ele foi resultado do falhanço do tanque/canhão de assalto M-11/39.

O M-14/41, foi o substituto do M-13/40, mas tratava-se basicamente do mesmo tanque, com o mesmo armamento, mas com um motor ligeiramente mais potente (145cv) e com modificações nos filtros de ar do motor, poiso os primeiros modelos tinham apresentado muitos problemas mecânicos por causa da areia do deserto.

O M-15/42 foi o último veículo da família. Ele também estava armado com o canhão de 47mm, mas neste caso com cano mais longo (40 calibres.)
Também tinha o casco ligeiramente mais longo e um motor mais potente com 192cv, que permitia ao veículo atingir 40km/h em estrada.

Existem informações dissonantes sobre o numero de veículos produzidos. Aparentemente são divulgados numeros para os chassis e para os veículos terminados.

M-11/39 : 100 unidades
M-13/40: 799 unidades (710 como tanques médios, 235 produzidos em 1940 e 475 em 1941)
M-14/41: 1103 unidades (752 como tanques médios, 376 entregues em 1941 e 376 em 1942)
M-15/42: 90 unidades a 220 unidades, consoante as fontes.

O caça-tanques M.41M foi uma derivação que utilizou o chassis do tanque leve M-14/41 como base, e foi armado com um canhão anti-aéreo de 90mm de fabrico italiano.
Foram produzidas 48 unidades.

Canhão de assalto

Outra versão desta viatura foi o veículo de assalto conhecido como «Semovente». Tratava-se de um equivalente ao canhão de assalto alemão StuG-III, também equipado com uma peça principal de 75mm instalado no casco e com deriva reduzida.