Dados sobre países utilizadores:


Listar veículos do tipo
Carro de combate médio



Veículos idênticos ou relacionados:


Mark II Medium Tank
Carro de combate médio

Type-89B «Yi-Go» / «Chi-Ro»
Carro de combate médio

 

Acontecimentos relacionados
Batalha de Khalkhin Gol

Type-89B «Yi-Go» / «Chi-Ro»
Carro de combate médio (Mitsubishi)
Type-89B «Yi-Go» / «Chi-Ro»

Projeto: Mitsubishi
Japão
Dimensões
Comprimento
Comprimento máximo
Largura
Altura
Altura máxima
5.75
n/disponivel
2.18m
2.56M
Peso vazio
Peso / combate
Cap. Carga
Reboque
12.5t
14t
N/disponivel
N/disponivel
Motor / potência / capacidades
Motor
Potência
Vel. maxima
Terr. Irregular
Mitsubishi Diesel
120cv
24 Km/h
10 Km/h
Tração
Tanque combustivel
Autonomia
Tripulação
Lagartas
N/disponível
200Km
4
N/disponivel
0M
0M

Armamento básico
- 1 x 57mm Type-90/97 L/18.4 (Calibre: 57mm - Alcance estimado de 0.15Km a 0.8Km)
Sistema de radar auxiliar:

País: Japão
Designação Local:Type 89B Chi-Ro
Qtd: Máx:0 - Qtd. em serviço:0
Situação: Retirado
Operacionalidade:
O Type 89B foi utilizado pelos japoneses quando começou a guerra contra a China em 1937. A dimensão do território chinês e a dispersão dos campos de batalha levou a que estas viaturas nunca tivessem entrado em combate contra os poucos blindados chineses.
O Type-89 foi utilizado também pela marinha japonesa nos desembarques realizados ao longo da costa chinesa durante a guerra entre os dois países.

Alguns carros de combate deste tipo também estiveram presentes na fronteira entre a Manchuria e a Mongolia onde se desenrolou a bataha de Kalkhin Gol. Neste batalha a superioridade das forças russas foi total, especialmente pela quantidade de carros de combate utilizados pelos russos e empregues em massa.
Além disso, os russos dispunham de capacidade motorizada com a qual o Japão não contava.

Dois regimentos de blindados japoneses foram utilizados, num total de 87 tanques, 61 dos quais eram do modelo 89. As forças blindadas japonesas estavam divididas em dois grupos.
Um ataque inicial sobre o rio Khalkin, com 26 blindados japoneses Type-89 ocorreu em Junho de 1939, mas a rsposta rússa foi rápida, com um contra-ataque montado por um grupo blindado de 450 carros blindados soviéticos. As tropas soviéticas atacaram sem apoio da infantaria, mas conseguiram quase cercar os japoneses que foram forçados a retirar.


Forum de discussão

O Type 89 foi desenvolvido no Japão, ainda que a sua estrutura base e conceitos sejam claramente derivados do modelo «tanque médio C» que foi desenvolvido pela Vickers com base no modelo Mark.II que estava ao serviço na Grã Bretanha desde meados da década de 1920.

Durante o periodo em que esteve em desenvolvimento e produção (O desenvolvimento começou em 1927 e a produção decorreu entre 1931 e 1939) o Type-89 foi submetido a várias modificações, sempre com o objetivo de o manter relativamente a par com os desenvolvimentos de carros de combate europeus, ainda que sem grande sucesso.

Há que referir que o modelo da Vickers de onde o Type-89 deriva, era relativamente moderno para a década de 1920, quando entrou ao serviço, mas que a industria britânica e a japonesa não acompanharam os enormes desenvolvimentos que se deram especialmene na Alemanha, na União Soviética e mesmo na França durante a década de 1930.

A versão B, caracterizou-se por várias modificações, de entre as quais se destaca a utilização de um motor Diesel. Esta «novidade» transformou o Type-89 no primeiro carro de combate do mundo a utilizar um motor deste tipo.

Utilização operacional
O veículo foi utilizado pelos japoneses contra a China, durante a guerra entre os dois países que começou em 1937.
Contra uma força armada que praticamente não possuia blindados os Type-89 foram eficientes, ainda que desde logo se notasse que a velocidade máxima do carro de combate o impedisse de acompanhar as outras viaturas.



Informação genérica:
Desde a década de 1920 que a Vickers desenvolveu vários projectos para possíveis viaturas blindadas para o exército britânico, ainda que este último não tivesse demonstrado especial interesse por uma arma que tinha permitido dar o golpe final na Alemanha durante a I guerra mundial.

Curiosamente, os tanques médios na Grã Bretanha de 1921 começaram por ser designados «tanques leves». A razão prendia-se com o facto de os maiores tanques britânicos da I guerra mundial terem um peso superior a 30t.
Por isso, um tanque com um peso de 8,500kg por isso era considerado leve pelos britânicos.

O Vickers Medium Tank, foi inicialmente designado «Vickers Light Tank» e era uma viatura relativamente pesada para os padrões de praticamente todos os outros países do mundo.
O seu desenvolvimento começou ainda em 1921 quando os britânicos abandonaram definitivamente o conceito do tanque romboide que desenvolveram durante a I guerra mundial.

E normalmente esquecido que os britânicos continuaram à frente de todos os outros países em termos tecnicos e o Vickers Medium Tank é uma demonstração disso mesmo.
A viatura desde o Mark I, tem praticamente todas as características dos carros de combate que viriam a ser desenvolvidos pelos outros países.

Foram produzidos cerca de 200 tanques médios durante a década de 1920, mas os responsáveis políticos britânicos e muitos dos militares responsáveis não desenvolveram uma doutrina adequada para a utilização dos tanques.

O resultado, foi que embora a industria britânica tivesse desenvolvido as melhores viaturas blindadas no periodo que se seguiu à I guerra mundial, não havia na realidade doutrinas adequadas à sua utilização. A falta de doutrinas por seu lado acabou influenciando negativamente o desenvolvimento da industria.

O «Vickers Medium Tank» ainda estava ao serviço em 1938 e mesmo naquela altura, ainda continuava a ter características que só então estavam a ser incorporadas nos carros de combate.

As dificuldades em vender viaturas no mercado britânico levaram à concepção de viaturas para exportação.
De entre essas destaca-se o «Medium Tank model C» que foi vendido para o Japão, país que posteriormente concebeu uma viatura blindada baseada no modelo britânico.

Também os soviéticos compraram viaturas medias da Vickers, mas optaram por desenvolver as suas principais famílias de veículos com base em viaturas americanas.

No entanto mesmo os soviéticos chegaram a utilizar ideias da Vickers, como foi o caso dos carro de combate A1E1 «Independent» e A-6, que inspiraram os carros soviéticos de torres multiplas, como foi o caso do T-28 e do T-35.